A Odisseia Segundo Penélope, por Margaret Atwood

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e76111

Palavras-chave:

re-visão, cânone, escritora mulher

Resumo

Este artigo analisa a re-visão que Margaret Atwood faz da Odisseia em A odisseia de Penélope. Para tanto, partimos de Bakhtin (1993) para mapear a subversão operada pela versão de Penélope dos traços constitutivos do épico. Ao destronar Odisseu e dar voz, em primeira pessoa, à Penélope e às doze servas enforcadas no retono de Ulisses à Ítaca, Atwood rompe com a linguagem épica sagrada, desmistifica a lenda e atualiza o passado épico absoluto, oferecendo, no lugar da narrativa grandiosa, a experiência pessoal e privada da vida das mulheres. Analisamos também algumas das implicações da reescrita do mito homérico por uma escritora canadense contemporânea. Argumentamos que, ao matar Homero enquanto Autor, Atwood tanto inscreve sua obra no cânone quanto abre espaço para o reconhecimento de outras versões da história.

Biografia do Autor

Daniela Silva de Freitas, Professora de Literaturas de Língua Inglesa na Universidade Federal de Alfenas

Possui graduação em Letras: Inglês/ Literaturas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mestrado em Literaturas de Língua Inglesa pela mesma instituição e doutorado em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, com período sanduíche na Universidade do Novo México. Atualmente é professora de literaturas de língua inglesa na Universidade Federal de Alfenas. Tem interesse por literaturas e culturas contemporâneas e nos debates acerca das questões de nação, raça, gênero e suas interseccionalidades.

Referências

ABOUT the Myths. The Myths. UK: Canon Gate. Disponível em: https://web.archive.

org/web/20141225072917/http://www.themyths.co.uk/ Acesso em: 30 jul. 2020.

ATWOOD, M. A odisseia de Penélope. Tradução de Celso Nogueira. Companhia das

Letras, 2005b. Edição Kindle.

ATWOOD, M. On Being a “Woman Writer”. This Recording, 2010. Disponível em:

http://thisrecording.com/today/2010/8/29/in-which-we-change-diapers-andcollect-

china.html. Acesso em: 30 jul. 2020.

ATWOOD, M. Survival. Toronto: House of Anansi Press Inc., 2012.

ATWOOD, M. The Curse of Eve – Or, What I Learned at School. Canadian Woman

Studies / Les cahiers de la femme, v. 1, n. 3, p. 30-33, 1979.

ATWOOD, M. The Myth Series and Me: Rewriting a classic is its own epic journey.

Publisher’s Weekly. 28 nov. 2005a. Disponível em: https://www.publishersweekly.

com/pw/by-topic/columns-and-blogs/soapbox/article/37037-the-myths-seriesand-

me.html. Acesso em: 30 jul. 2020.

ATWOOD, M. In: HALPERN, D. (ed.). Who’s writing this? Notations on the Authorial

I with Self-portraits. New Jersey: Ecco Press, 1995.

BARTHES, R. Mitologias. Tradução de Rita Buongermino e Pedro de Souza. Rio de

Janeiro, Bertrand Brasil, 2001.

BARTHES, R. O rumor da língua. Tradução de Mario Laranjeira. Revisão da Tradução

de Andréa Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BAKHTIN, M. Epos e romance. In: BAKHTIN, M. Questões de literatura e estética:

a teoria do romance. Tradução de Aurora Bernardini et al. São Paulo: Hucitec¸

p. 397-428.

BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo Bezerra. Rio

de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

CHENEY, P. & HARDIE, P. (ed.). The Oxford History of Classical Reception in English

Literature: Volume 2 (1558-1660). Oxford: Oxford University Press, 2015.

CULLER, J. Em defesa da superinterpretação. In: ECO, Umberto. Interpretação e

superinterpretação. Tradução MF. Revisão da Tradução Monica Stahel. São Paulo:

Martins Fontes, 2005. p. 129-146.

DELEUZE, G. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34,

ELIOT, T. S. Tradition and the Individual Talent. Perspecta, v. 19, p. 36-42, 1982.

FOUCAULT, M. O que é um autor?. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos: estética –

literatura e pintura, música e cinema (vol. III). Tradução de Inês Autran Dourado

Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 264-298

HOMERO. Odisseia. Tradução de Frederico Lourenço. São Paulo: Penguin

Companhia das Letras, 2013.

HUTCHEON, L. A Poetics of Postmodernism. Londres: Routledge, 1988a.

HUTCHEON, L. The Canadian Postmodern. Oxford: Oxford University Press, 1988b.

LYOTARD, J. The Postmodern Condition: A Report on Knwoledge. Tradução de Geoff

Bennington e Brian Massumi. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

MILES, G. (ed.). Classical Mythology in English Literature: A Critical Anthology.

Londres e Nova York: Routledge, 1999.

NIETZSCHE. F. Homero e a filologia clássica. Tradução, apresentação e notas de

Juan A. Bonaccini. Princípios: Revista de Filosofia, Natal, v. 13, n. 19-20, p.169-

, 26 set. 2010.

PERROT, M. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução de Viviane Ribeiro.

Bauru: EDUSC, 2005.

RICH, A. When We Dead Awaken: Writing as Re-Vision. In: College English, Vol. 34,

No. 1, Women, Writing and Teaching, p. 18-30, out. 1972.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Edição

Seção

Contextos literários: gênero, identidade e resistência