John Donne no Brasil

Jose Garcez Ghirardi, John Milton

Abstract


O leitor fica sem saber a troco do que John Donne lhe surge
de repente, num virar de página, e através de períodos que
parecem responder a uma pergunta que não foi formulada.(...) Ninguém, nem o Sr. Afrânio Coutinho falara, até então, de John Donne,(...). Simplesmente, esse trecho, como inúmeros outros (quase todos) do livro, revela que leituras apaixonantes obrigaram o professor Afrânio Coutinho a tomar em seu caderno alguns apontamentos eruditos. (MARTINS 1983 vol.I: 621)

A citação acima, extraída de um artigo de Wilson Martins (in O
Estado de São Paulo, 25/02/54), ilustra bem a posição reservada a John Donne, até então, por aqueles que, no Brasil, se dedicavam aos estudos de literatura. “A troco do que” - perguntava o autor - deveria ser o leitor de Correntes Cruzadas confrontado com o nome de Donne? Quem, até
aquele momento, dele se ocupara? Ninguém, respondia o erudito articulista (nem mesmo o Sr. Afrânio Coutinho), embora reconhecendo que o nome do poeta pudesse ter sido fonte de algumas “leituras apaixonantes” . Interessava-lhe apontar enfaticamente, porém, que a lembrança de Donne surgia de maneira gratuita, desligada de qualquer argumentação ou contexto que a preparas se ou justificasse. Não apenas Afrânio Coutinho silenciara sobre a obra de Donne em seu livro; ninguém, de fato, havia, até aquele momento, dedicado, ao poeta, qualquer atenção mais demorada. Curiosamente, o próprio artigo, assim como o livro nele discutido, atestava, no entanto, que o esquecimento
do nome de Donne estava por findar.

Keywords


English Language; English



DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Copyright (c) 1998 Jose Garcez Ghirardi, John Milton

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.