A fabricação dos corpos dóceis na pós-graduação brasileira: em cena o produtivismo acadêmico

Autores

  • Anderson Luis da Paixão Café Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA)
  • Núbia Moura Ribeiro Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento, Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Roberto Leon Ponczek Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p75

Palavras-chave:

Relações de Poder, Domesticação dos Corpos, Produtivismo Acadêmico, Avaliação de Docentes

Resumo

http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p75

Trata sobre o produtivismo banal que se apossou sobre mentes e corpos na pós-graduação brasileira. Para abordar o tema, recorreu-se às concepções teóricas de Michel Foucault que é um dos grandes intelectuais franceses que se dedicou aos estudos relacionados ao saber, ao poder e à ética, questionando os papéis desempenhados por diferentes instituições sociais na disciplinarização dos corpos daqueles que eram colocados nesses lugares por meio da imposição de padrões de conduta. O objetivo deste trabalho consiste em mostrar como cada uma das técnicas de disciplinarização dos corpos, trabalhadas na perspectiva foucaultiana, corrobora para o surgimento de distorções, inclusive éticas, no processo de construção e difusão de conhecimentos científicos. Para atingir a este objetivo desenvolveu-se uma pesquisa bibliográfica e exploratória, associando-se às técnicas de clausura, quadriculamento, controle do tempo, sanção normatizadora, exercício e exame às práticas acadêmico-científicas vivenciadas pelos docentes e discentes na pós-graduação brasileira. Os resultados revelaram, dentre outros aspectos, que ainda há um forte predomínio da avaliação punitiva em detrimento da formativa no momento da apreciação do desempenho dos corpos nos programas de pós-graduação. Por fim, encerra-se o artigo na esperança de contribuir para ampliar as discussões sobre o atual movimento de fabricação dos corpos dóceis na pós-graduação brasileira, colaborando para incitar os acadêmicos a pensarem novas rotas de fuga que tornem a pós-graduação mais criativa, inovadora e ética, permitindo aos corpos que nela operam viver a vida como uma verdadeira obra de arte, isto é, sem necessidade de praticarem imposturas intelectuais como forma de sobrevivência acadêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson Luis da Paixão Café, Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA)

Doutorando em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Mestrado em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Graduação em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Servidor do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA).

Núbia Moura Ribeiro, Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Doutorado em Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Mestrado em Química de Produtos Naturais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Graduação em Engenharia Química pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA).

Roberto Leon Ponczek, Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Difusão do Conhecimento da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Pós-Doutorado em Sistemas Complexos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Ciências, Matemática e Tecnologia (CIMATEC). Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Graduação e Mestrado em Física pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Docente aposentado da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ALCADIPANI, R. Academia e a fábrica de sardinhas. O&S, Salvador, v.18, n.57, p.345-348, abr./jun. 2011.

ANDRADE, J. B.; GALEMBECK, F. Qualis: Quo Vadis? Química Nova, São Paulo, v.32, n.1, p.1, 2009.

BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N. “Reféns da Produtividade” sobre Produção do Conhecimento, Saúde dos Pesquisadores e Intensificação do Trabalho na Pós- Graduação, 2007. Disponível em: http://www.anped.org.br. Acesso em: 09 jan. 2015.

______. Trabalho docente no stricto sensu: publicar ou morrer? In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas, SP: Papirus, p. 49-90, 2009.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

CORREIA, A.E.G.C; ALVARENGA, L.; GARCIA, J. C. R. Publicar é preciso, transformar cientistas em máquinas de produção não é preciso. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.12, n.2, p.1-15, jun.2011.

CRUZ, R. C. A. Se a Capes somos nós, quem somos nós? 2012. Disponível em: www.geografia.fflch.usp.br/graduacao/apoio/Apoio/.../ATT109.pdf. Acesso em: 10 jun. 2015.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação da Educação Superior: regulação e emancipação. In: ______; RISTOFF, D. I. (Org.). Avaliação e compromisso público: a educação superior em debate. Florianópolis: Insular, 2003. p.35-52

DE MEIS, L. et al. The growing competition in Brazilian science: rites of passage, stress and burnout. Braz J Med Biol Res, v.36, n.9, p.1135-1141, 2003.

EVANGELISTA, O. Publicar ou morrer. In: BIANCHETTI, L.; MACHADO, A. M. N (org.). A bússola do escrever: desafios e estratégias na orientação e escrita de teses e dissertações. 2.ed. Florianópolis: EDUFSC; São Paulo: Cortez, 2006.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução e organização de Roberto Machado. 4.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 20.ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

______. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 19.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FREITAS, M. E. O pesquisador hoje: entre o artesanato intelectual e a produção em série. Cad. Ebape.br, Rio de Janeiro, v.9, n.4, Opinião 1, p.1158-1163, dez.2011.

GODOI, C. K; XAVIER, W. G. O produtivismo e suas anomalias. Cad. Ebape.br, Rio de Janeiro, v.10, n.2, p.456-465, jun.2010.

GUIMARÃES, R. O futuro da pós-graduação: avaliando a avaliação. Revista Brasileira de Pós-Graduação – RBPG, Brasília, v.4, n.8, p.282-292, dez. 2007.

KUENZER, A. Z; MORAES, M. C. M. Temas e tramas na pós-graduação em

educação. Educação & Sociedade. Campinas, v. 26, n. 93, p. 1341-1363, set./dez. 2005.

LUZ, M. T. Prometeu acorrentado: análise sociológica da categoria produtividade e as condições atuais da vida acadêmica. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.15, n.1, p.39-57, 2005.

LOUZADA, R. C. R. Formação do pesquisador e sofrimento mental: um estudo de caso. Psicologia em Estudo. Maringá, UEM, v. 10, n. 3, p. 1-17, 2005.

MARCHELLI, P. S. Formação de doutores no Brasil e no mundo: algumas comparações. Revista Brasileira de Pós-graduação. Brasília, Capes, v. 2, n. 3, p.7–29, mar. 2005.

MARQUES, F. A. escala da discórdia: novos critérios do sistema qualis, da Capes, recebem críticas da comunidade científica. Pesquisa Fapesp, São Paulo, p.32-34, jun.2009.

PEREIRA, M. E. C. A insônia, o sono ruim e o dormir em paz: a ‘erótica do sono’ nos tempos de Lexotan. Revista Latino-Americana de Psicopatologia Fundamental. São Paulo, v.6, n.2, p.126-144, 2003.

PONCZEK, R. L. Os crocodilos guardiões e a biblioteca da babilônia: manhas, artimanhas e imposturas acadêmicas. Curitiba: Editora CRV, 2013.

ROSA, A. R. Nós e os índices: um outro olhar sobre a pressão institucional por publicação. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v.48, n.4, out./dez. 2008.

SGUISSARDI, V. A avaliação defensiva no “modelo Capes de avaliação”: é possível conciliar avaliação educativa com processos de regulação e controle do Estado? Perspectiva, Florianópolis, v.24, n.1, p.49-88, jan./jun.2006.

______.; SILVA JÚNIOR, J. R. Trabalho intensificado nas federais – pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

______. Produtivismo acadêmico. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. (Orgs.). Dicionário de Trabalho, Profissão e Condição Docente. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

SILVA, M. R. O novo Qualis ou a trajetória anunciada? Clinics, São Paulo, v.64, n.1, p.1-4, 2009.

WATERS, L. Inimigos da esperança: publicar, parecer e o eclipse da erudição. Tradução de Luiz Henrique de Araújo Dutra. São Paulo: UNESP, 2006.

ZANETIC, J. "Improdutivos". In: Aduspnet. Debate "Produtivismo: a que veio? A quem serve?". 2012. Disponível em: < http://www.adusp.org.br>. Acesso em 10 ago. 2015.

Publicado

2017-05-09

Como Citar

CAFÉ, Anderson Luis da Paixão; RIBEIRO, Núbia Moura; PONCZEK, Roberto Leon. A fabricação dos corpos dóceis na pós-graduação brasileira: em cena o produtivismo acadêmico. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 22, n. 49, p. 75–88, 2017. DOI: 10.5007/1518-2924.2017v22n49p75. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2017v22n49p75. Acesso em: 20 abr. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.