Ciência aberta na perspectiva de especialistas brasileiros: proposta de taxonomia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e79646

Palavras-chave:

Ciência Aberta - Taxonomia, Colaboração científica, Comunicação científica, e-Ciência, Acesso aberto, Dados abertos, Educação aberta, Ciência cidadã, Preservação digital, Inovação aberta

Resumo

Objetivo: Este estudo tem como objetivo contextualizar a Ciência Aberta, propondo uma versão brasileira da taxonomia desenvolvida originalmente pelo grupo Facilitate Open Science Training for European Research (Foster), presente no projeto Open Science do Programa Comunitário de Investigação e Inovação, intitulado Horizon 2020.

Método: Adotou-se a pesquisa do tipo bibliográfica, documental, descritiva de abordagem dedutiva, com procedimentos do método Delphi. Utilizou-se a pesquisa bibliográfica com o intuito de recuperar documentos que pudessem dar aporte para conceituação do termo Ciência Aberta, em uma base de documentos adicionados no gerenciador de referências Mendeley. Foram recuperados 158 registros e optou-se por apresentar o conceito mencionado em 13 deles, considerando-se os melhores ranqueados e a quantidade de usuários que os adicionaram em suas bibliotecas Mendeley ou observado o contexto da publicação e deste estudo. A segunda etapa da pesquisa envolveu a tradução e ampliação da taxonomia utilizando o método Delphi, reunindo 13 pesquisadores especialistas na temática sobre Ciência Aberta em geral ou em algumas de suas facetas, os quais cooperaram na proposta de inclusão de novos termos da taxonomia, bem como a validação e sugestões de novos recursos e conceitos na tradução livre realizada inicialmente.

Resultado: Para a primeira etapa, o resultado das definições apresenta aspectos do ecossistema da Ciência Aberta envolvendo particularidades filosóficas, científicas, sociais, tecnológicas, políticas e econômicas. O segundo resultado desta pesquisa apresenta a proposta de incorporação de novos termos, compondo uma taxonomia com 11 facetas e 82 rótulos na taxonomia.

Conclusões: Vivencia-se um momento transitório de transformação na comunicação científica, envolvendo o surgimento de novos movimentos relacionados à ciência e ao fortalecimento de uma infraestrutura que transpassa a tecnologia utilizada, o que, certamente, pode ser notada na proposta de taxonomia construída em colaboração de pesquisadores e especialista que atuam com a Ciência Aberta ou alguma de suas facetas.

Biografia do Autor

Lúcia da Silveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Nivaldo Calixto Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Gestão e Organização do Conhecimento

Escola de Ciência da Informação

Universidade Federal de Minas Gerais

Minas Gerais, Brasil

Sarah Rúbia de Oliveira Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda em Gestão e Organização do Conhecimento

Escola de Ciência da Informação

Universidade Federal de Minas Gerais

Fernanda Mirelle de Almeida Silva, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Ciência da Informação

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Universidade Federal da Paraíba

Paraíba, Brasil

Fabiano Couto Corrêa da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Doutor da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação  e

do Mestrado em Ciência da Informação

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre, Brasil.

Sônia Elisa Caregnato, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Profa. Dra. da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação e

do Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Porto Alegre, Brasil

Adriana Carla Silva de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Pós-doutora em Direito

Departamento de Direito Processual e Propedêutica

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

 Rio Grande do Norte, Brasil

Dalgiza Andrade Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Profa. Dra. da Escola de Ciência da Informação e

Programa de Pós-Graduação em Gestão da Organização e do Conhecimento

Universidade Federal de Minas Gerais

MInas Gerais, Brasil

Joana Coeli Ribeiro Garcia , Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciência da Informação (UFRJ/IBICT)

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Universidade Federal da Paraíba

Ronaldo Ferreira Araújo, Universidade Federal de Alagoas

Prof. Dr. do Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação

Universidade Federal de Alagoas

Referências

ALBAGLI, S.; APPEL, A. L.; MACIEL, M. L. E-science, Ciência Aberta e o regime de informação em ciência e tecnologia. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 1-20, jan./jun. 2014. Disponível em: https://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/854/1/124-540-1-PB.pdf. Acesso em: 31 mar. 2020.

ALBAGLI, S.; CLÍNIO, A.; RAYCHTOCK, S. Ciência Aberta: correntes interpretativas e tipos de ação. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 434-450, nov. 2014. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/article/view/3593. Acesso em: 15 fev. 2020.

ALBAGLI, S. Ciência Aberta em questão. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIÊNCIA ABERTA, QUESTÕES ABERTAS, Rio de Janeiro, 2014. Trabalho apresentado...Rio de Janeiro: Liinc; IBICT; OKF; Unirio, 2014. Disponível em: http://www.cienciaaberta.net/encontro2014/. Acesso em: 14 ago. 2020.

ALBAGLI, S. O que é Ciência Aberta e qual o papel das agências de fomento diante deste fenômeno? In: ENCONTRO CAPES DE CIÊNCIA ABERTA. Tema: direitos de propriedade intelectual e políticas institucionais. dez. 2019. Disponível em: http://capes.gov.br/conteudo/2-encontro-capes-de-ciencia-aberta/. Acesso em: 13 dez. 2019.

AMARAL, J. C. Ciência Aberta e revisão por pares: aspectos e desafios para a participação da comunidade em geral. Cadernos BAD, [S. l. ], n. 1, pp. 320-325, 2018. Disponível em: https://www.bad.pt/publicacoes/index.php/cadernos/article/view/1919/59-69. Acesso em: 15 fev. 2020.

ANTUNES, M. L. Glossário da Ciência Aberta. Lisboa: Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, 2016. Disponível em: http://www.ciencia-aberta.pt/glossario. Acesso em: 30 mar. 2020.

ARAUJO, R. F. Feedback - Taxonomia Ciência Aberta com Contribuições. Maceió, 31 ago. 2020. Comentários em arquivo Drawn. Proprietária: Sarah Rúbia de Oliveira Santos. Disponível em: sarahrubia22@gmail.com. Acesso em: 6 out. 2020.

BARTLING, S.; FRIESIKE, S. (Ed.). Opening science. Cham: Springer International Publishing, 2014. Disponível em: http://link.springer.com/10.1007/978-3-319-00026-8. Acesso em: 30 mar. 2020..

BAUMGARTNER, P. Toward A Taxonomy Of Open Science (TOS). Open Science Education, 22 sept. 2019. Blog. Disponível em: https://notes.peter-baumgartner.net/2019/06/24/toward-a-taxonomy-of-open-science/. Acesso em: 20 jul. 2020.

BEZJAK, S. et al. Manual de formação em Ciência Aberta. Hannover: Foster, 2018. Disponível em: https://foster.gitbook.io/manual-de-formacao-em-ciencia-aberta/. Acesso em: 14 fev. 2020.

BOULTON, G. Reinventing open science for the 21st century. In: RODRIGUES, E.; SWAN, A; BAPTISTA, Alice (Ed.). Uma década de acesso aberto na UMinho e no mundo. Braga: Universidade do Minho, Serviços de Documentação, 2013. p. 239-250.

BRAZIL, A. L.; ALBAGLI, S. Os usos da gamificação na mobilização cognitiva da ciência cidadã online. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 25, p. 01-21, mar. 2020. ISSN 1518-2924. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2020.e66373. DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e66373. Acesso em: 02 abr. 2020.

BUDAPEST Open Access Initiative - BOAI. Budapest Open Access Initiative. Budapeste. 2002. Disponível em: http://www.opensocietyfoundations.org/openaccess/read. Acesso em: 02 abr. 2020.

BULLOCK, A. Preservation of digital information: issues and current status. Network Notes, National Library of Canada, Ottawa, n. 60, Apr. 1999. Disponível em: http://epe.lac-bac.gc.ca/100/202/301/netnotes/netnotes-h/notes60.htm. Acesso em: 11 out. 2020.

CANTO, F. L. Re: Consulta - taxonomia ciência aberta. Destinatária: Lúcia da Silveira. Florianópolis, 18 jun. 2020. E-mail. Disponível em: fabio.lc@ufsc.br. Acesso em: 6 out. 2020.

CAREGNATO, S. E. Taxonomia - Afinal o que é Ciência Aberta - Estudo colaborativo. Porto Alegre, out. 2020. Comentários em arquivo documento Google. Proprietário: Nivaldo Calixto Ribeiro. Disponível em: zoopas@gmail.com. Acesso em: 23 out. 2020.

CHAN, L.; OKUNE, A.; SAMBULI, N. O que é ciência aberta e colaborativa, e que papéis ela poderia desempenhar no desenvolvimento? In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Ed.). Ciência Aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015. p. 91-120. Disponível em: https://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/1060/1/Ciencia%20aberta_questoes%20abertas_PORTUGUES_DIGITAL%20(5).pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

CHESBROUGH, H. Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School, 2003. Disponível em:https://www.nmit.edu.my/wp-content/uploads/2017/10/Open-Innovation-the-New-Imperative-for-Creating-and-Profiting-from-Technology.pdf. Acesso em: 20 jan. 2020.

CLIFTON, A.; HOFFMAN, K. Open pedagogy approaches: Faculty, Library, and Student. [S.l.].: Milne, 2020. Disponível em: https://milnepublishing.geneseo.edu/openpedagogyapproaches/. Acesso em: 20 ago. 2020

CLÍNIO, A.; ALBAGLI, S. Cadernos abertos de laboratório e publicações líquidas: novas tecnologias literárias para uma Ciência Aberta. RECIIS - Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, [S. l.], v. 11, p. 1-17, 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v11i0.1427. Disponível em: 7 fev. 2020.

EUROPEAN COMMISSION. What is open science? FAQs on the open science policy platform. Brussels: European Commission, 2016a. Disponível em: https://ec.europa.eu/research/openscience/index.cfm?pg=open-science-policy-platform-faqs" h. Acesso em: 3 jan. 2017.

FACILITATE OPEN SCIENCE TRAINING FOR EUROPEAN RESEARCH (FOSTER). Open Science: what is it?. [S. l. : s. n.], 2019. Disponível em: https://book.fosteropenscience.eu/en/02OpenScienceBasics/09OpenSciencePolicies.html. Acesso em: 10 fev. 2020.

FECHER,B; FRIESIKE, S. Open science: one term, five schools of thought. In: BARTLING, S.; FRIESIKE, S. (Ed.) Opening science: the evolving guide on how the internet is changing research, collaboration and scholarly publishing. Cham: Springer, 2014. p. 17-47.

FECHER, B; FRIESIKE, S. Open science: one term, five schools of thought. In. HUSCHKA, D.; SOLGA, , H.; WAGNER, G. G. German Council for Social and Economic Data (RatSWD) Working Paper Series. Berlim: RatSWD, 2013. 30 maio 2013. Disponível em: https://ssrn.com/abstract=2272036 ou http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2272036. Acesso em: 10 fev. 2020.

FORTALEZA, J. M.; BERTIN, P. R. B. A parceria para Governo Aberto e o compromisso pela Ciência Aberta. In: SHINTAKU, M.; SALES, L. F. (Org.). Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019. p. 21-28. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap3. Acesso em: 30 mar. 2020.

FRANZONI, C.; SAUERMANN, H. Crowd science: the organization of scientific research in open collaborative projects. Research Policy, [S. l.], v.43, n.1, p. 1–20, 2014. doi:10.1016/j.respol.2013.07.005.

FURTADO, D.; AMIEL, T. Guia de bolso da educação aberta. Brasília, DF : Iniciativa Educação Aberta, 2019. Disponível em: https://educapes.capes.gov.br/handle/capes/564609. Acesso em: 28 out. 2020.

GUANAES, P. C. V. (Org.). Marcos legais nacionais em face da abertura de dados para pesquisa em saúde: dados pessoais, sensíveis ou sigilosos e propriedade intelectual. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2018. 123 p.

GUIMARÃES, M. C. S. Ciência aberta e livre acesso à informação científica: tão longe, tão perto. RECIIS – Rev. Eletrônica de Comunicação, Informação, Inovação e Saúde, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 139-152, jun. 2014. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/627. Acesso em: 30 mar. 2020.

HENNING et al. GO FAIR e os princípios FAIR: o que representam para a expansão dos dados de pesquisa no âmbito da Ciência Aberta. Em Questão, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 389-412, maio/ago. 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.19132/1808-5245252.389-412. Acesso em: 30 mar. 2020.

HUDON, M. Facet. Knowledge Organization, [S. l.], v. 47, n. 4, p. 320-333, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5771/0943-7444-2020-4-320. Acesso em: 25 nov. 2020.

JORGE, V. A. RE: Etapa 3-4 Taxonomia ciência aberta. Destinatários: Lúcia da Silveira e Nivaldo Calixto Ribeiro. Rio de Janeiro, 1 set. 2020. E-mail. Disponível em: vanessa.jorge@fiocruz.br. Acesso em: 6 out. 2020.

KOCAREV, L.; IN, V. Network science: a new paradigm shift. Ieee Network, [S. l.], v. 24, n. 6, p. 6–9, 2010. Disponível em: http://ieeexplore.ieee.org/lpdocs/epic03/wrapper.htm?arnumber=5634436. Acesso em: 22 jun. 2015.

LIMA, G. A.; MACULAN, B. C. M. S. Estudo comparativo das estruturas semânticas em diferentes sistemas de organização do conhecimento. Ciência da Informação, Brasília, v. 46, n. 1, p. 60-75, 2017. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/4014. Acesso em: 27 mar. 2020.

LIMA, G. A. Organização e representação do conhecimento e da informação na web: teorias e técnicas. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 25, número especial, p. 57-97, fev. 2020. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/4299. Acesso em: 27 mar. 2020.

LINSTONE, H. A.; TUROFF, M. The Delphi method: techniques and applications. Addison Wesley Newark, New Jersey: New Jersey Institute of Technology, 2002. Disponível em: https://web.njit.edu/~turoff/pubs/delphibook/index.html. Acesso em: 27 mar. 2020.

LOPES, A. C.; ANTUNES, M. L.; SANCHES, T. Contributos da literacia da informação para a Ciência Aberta. IBERSID: Revista de Sistemas de Información y Documentación, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 59-67, 2018. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/35256. Acesso em: 30 mar. 2020.

MOLINA VERCHER, C. Estudio y validación de la metodología de innovación abierta aplicada al desarrollo y comercialización de textiles inteligentes. 2019. 68 p. Máster Universitario en Ingeniería Textil-Màster Universitari en Enginyeria Tèxtil, Valencia, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/10251/136074. Acesso em: 30 out. 2020.

NASCIMENTO, A. G.; ALBAGLI, S. Conceitos de Ciência Aberta no Brasil: uma revisão sistemática de literatura. In. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 20., 2019, Florianópolis. Anais… Florianópolis: Ancib, 2019. Disponível em: https://conferencias.ufsc.br/index.php/enancib/2019/paper/view/1125. Acesso em: 28 ago. 2020.

NASCIMENTO, A. G. Re: Consulta - taxonomia ciência aberta. Destinatários: Lúcia da Silveira, Nivaldo Calixto Ribeiro e Sarah Rúbia de Oliveira Santos. Rio de Janeiro, 9 jul. 2020. E-mail. Disponível em: aandreafg@gmail.com. Acesso em: 6 out. 2020.

NEYLON, C.; WU, S. Open science: tools, approaches, and implications. Pacific Symposium on Biocomputing, [S. l. ], v. 14, p. 540-544, 2009. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/9826/538b06a0822cc9020b8b6c700a89593c15aa.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

NIELSEN, M. A. Reinventing discovery: the new era of networked science. Princeton, N.J.: Princeton University Press, 2011.

OLIVEIRA, A. C. S.; SILVA, E. M. Ciência Aberta: dimensões para um novo fazer científico. Informação & Informação, Londrina, v. 21, n. 2, p. 5-39, maio/ago. 2016. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/27666. Acesso em: 15 jan. 2020.

OLIVEIRA, A. C. S. Desvendando a autoralidade colaborativa na e-science sob A ótica dos direitos de propriedade intelectual. 2016. 300 f. Dissertação (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/8849. Acesso em: 12 out. 2020.

OLIVEIRA, A. C. S. Re: Consulta - taxonomia ciência aberta. Destinatária: Lúcia da Silveira. Natal, 22 de jun. 2020. E-mail. Disponível em: adrianacarla.a@gmail.com. Acesso em: 6 out. 2020.

OPEN KNOWLEDGE FOUNDATION (OKF). What is open? [S. l.: s. n.], [20--?]. Disponível em: https://okfn.org/opendata/. Acesso em: 12 fev. 2020.

PINHEIRO, L. V. R. Do acesso livre à ciência aberta: conceitos e implicações na comunicação científica. RECIIS - Rev. Eletrônica de Comunicação, Informação, Inovação e Saúde, [S. l.], v. 8, n. 2, p.153-165, jun. 2014. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/629. Acesso em: 30 mar. 2020.

PITRELLI, N.; DELFANTI, A. Ciência aberta: revolução ou continuidade? In: ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L.; ABDO, A. H. (Ed.). Ciência Aberta, questões abertas. Brasília: IBICT; Rio de Janeiro: UNIRIO, 2015. p. 59-70. Disponível em: https://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/1060/1/Ciencia%20aberta_questoes%20abertas_PORTUGUES_DIGITAL%20(5).pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

PONTIKA, N.; KNOTH, P. Open Science Taxonomy. [S.l.]: Foster, 2015. Disponível em: http://oro.open.ac.uk/47806/1/os_taxonomy.png. Acesso em: 27 mar. 2020.

PONTIKA, N. et al. Fostering open science to research using a taxonomy and an elearning portal. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON KNOWLEDGE TECHNOLOGIES AND DATA-DRIVEN BUSINESS, 15., 2015. Proceedings... Graz, Áustria: Association for Computing Machinery, 2015. Disponível em: http://oro.open.ac.uk/44719/. Acesso em: 12 fev. 2020.

RIBEIRO, N. C.; SILVEIRA, L.; SANTOS, S. R. O. Taxonomia da Ciência Aberta. [Traduzido e Adaptado de] Nancy Pontika e Petr Knoth. 2020. Título original: Open Science Taxonomy. Disponível em: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/39498. Acesso em: 30 mar. 2020.

ROSS-HELLAUER, T. What is open peer review? A systematic review. F1000Research, v. 6, n. 588, 2017. Disponível em: doi:10.12688/f1000research.11369.2. Acesso em: 30 mar. 2020

SEABRA JÚNIOR, R. F. Contracapa. In: SHINTAKU, M.; SALES, L. F. (Org.). Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019. p. 29-34. Disponível em: https://www.abecbrasil.org.br/arquivos/Ciencia_aberta_editores_cientificos_Ebook.pdf. Acesso em: 30 mar. 2020.

SHINTAKU, M.; DUQUE, C.; SUAIDEN, E. Analise da adesão às tendências da Ciência pelos repositórios institucionais brasileiros. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, v. 6, n. 2, p. 148-169, out. 2015. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/incid/article/view/89191. Acesso em: 15 abr. 2020.

SHINTAKU, M.; SEABRA JÚNIOR, R. F. Abertura da ciência e os editores científicos. In: SHINTAKU, M.; SALES, L. F. (Org.). Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019. p. 29-34. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap4. Acesso em: 30 mar. 2020.

SILVA, F. C. C. da; SILVEIRA, L. da. O ecossistema da Ciência Aberta. Transinformação, Campinas, v. 31, e190001, 2019. DOI: 10.1590/2318-0889201931e190001. Disponível em: http://ref.scielo.org/kmkdcc. Acesso em: 7 fev. 2020.

SILVA, F. C. C. da. Re: Consulta - taxonomia ciência aberta. Destinatários: Lúcia da Silveira, Nivaldo Calixto Ribeiro e Sarah Rúbia de Oliveira Santos. Porto Alegre, 10 jul. 2020. E-mail. Disponível em: fabianocc@gmail.com. Acesso em: 6 out. 2020.

SILVA, F. M. A.; GARCIA, J. C. R.; ARAÚJO, W. J. Open Science na Ciência da Informação pela Web of Science: 1993-2018. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 20. 2019, Florianópolis. Anais… Florianópolis, 2019. Disponível em: https://conferencias.ufsc.br/index.php/enancib/2019/paper/view/1166 Acesso em: 09 jul. 2020.

SILVA, F. M. A.; GARCIA, J. C. R. Re: Consulta - taxonomia ciência aberta - Contribuição à taxonomia: duas proposituras. Destinatários: Lúcia da Silveira, Nivaldo Calixto Ribeiro, Sarah Rúbia de Oliveira Santos e Joana Coeli Ribeiro. João Pessoa, 10 jul. 2020. E-mail. Disponível em: fmirelle.ufpb@gmail.com. Acesso em: 6 out. 2020.

TELLES, M. A. Re: Consulta - taxonomia ciência aberta. Análise sobre a proposta de adição de termos à taxonomia do grupo Foster sob o olhar do corpus linguístico compilado para a elaboração do Glossário da Ciência Aberta, no âmbito da OGP. Destinatária: Lúcia da Silveira. Brasília, 13 ago. 2020. E-mail. Disponível em: milena.telles@embrapa.br. Acesso em: 6 out. 2020.

TENNANT, J.; MOUNCE, R. Open glossary. 2015. Disponível em: https://blogs.egu.eu/network/palaeoblog/files/2015/02/OpenGlossary1.pdf. Acesso em: 30 out. 2020.

THE ROYAL SOCIETY. Knowledge, networks and nations: global scientific collaboration in the 21st century. London: The Royal Society, 2011. Disponível em: https://royalsociety.org/~/media/Royal_Society_Content/policy/publications/2011/4294976134.pdf Acesso em: 22 jun. 2015

TOELCH, U.; OSTWALD, D. Digital open science: teaching digital tools for reproducible and transparent research. PLoS Biology, [S. l.], v. 16, v. 7, July 26, 2018. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pbio.2006022. Disponivel em: https://journals.plos.org/plosbiology/article?id=10.1371/journal.pbio.2006022. Acesso em: 12 fev. 2020.

ZHONGHONG, W.; CHAULDRY, A.; KHOO, C. Potential and prospects of taxonomies for organization. Knowledge Organization, [S. l.], v. 33, n. 3, p. 160-169, 2006.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-06-07

Como Citar

Silveira, L. da, Ribeiro, N. C. ., Santos, S. R. de O. ., Silva, F. M. de A. ., Silva, F. C. C. da, Caregnato, S. E. ., Oliveira, A. C. S. de ., Oliveira, D. A. ., Garcia , J. C. R. ., & Araújo, R. F. . (2021). Ciência aberta na perspectiva de especialistas brasileiros: proposta de taxonomia. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 26, 1-27. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e79646

Edição

Seção

Artigo