Transparência ativa em tempos de Covid-19: a atuação do ministério da mulher, da família e dos direitos humanos no combate à violência de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e83200

Resumo

Introdução: A Internet modificou a forma como a administração pública realiza a comunicação dos seus atos para a sociedade. A temática da transparência tornou-se mais necessária no atual período pandêmico, que acarretou um crescimento exponencial dos casos de violência de gênero no Brasil.

Objetivo: Pressupondo a adoção da Transparência Ativa, pautada na Lei de Acesso à Informação, a pesquisa objetiva identificar ações e atuações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos no combate à violência de gênero durante o período de isolamento social, causado pela pandemia de Covid-19.

Metodologia: De caráter exploratório, o percurso metodológico da pesquisa deu-se em dois momentos. No primeiro, ocorreu uma identificação da atuação do Ministério nas redes sociais. No segundo, foram coletados dados referentes à violência de gênero nas publicações do Ministério veiculadas na plataforma do Twitter, para análise posterior.

Resultados: O estudo possibilitou identificar as ações adotadas e como foram comunicadas pelo Ministério; se houve implementação dos projetos; perfis com mais menções e hashtags utilizadas.

Conclusão: Algumas informações veiculadas como ações de promoção ao combate de violência de gênero não forneceram dados básicos sobre sua realização, metodologia, implementação, benefícios e efeitos, criando barreiras para a erradicação.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Anna Raquel de Lemos Viana, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco (PPGCI/UFPE). Mestra em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFPB), Pós-graduanda em Ciência de Dados e Big Data Analytics pela Faculdade Metropolitana do Estado de São Paulo (FAMEESP). Graduada em Relações Públicas pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Bolsista CAPES. Membro do grupo de pesquisa iMclusos - Informação, Memória, Tecnologias e Sociedade. Atualmente tem interesse de pesquisa nos seguintes temas: Empoderamento feminino, Igualdade de gênero, Memória e identidade, Redes sociais,C ompetência Crítica em informação e Comunicação e Humanidades Digitais. 

Nadi Helena Presser, Universidade Federal de Pernambuco

Graduação em Ciências Econômicas (1990), mestrado (1999) e doutorado (2005) em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós doutorado (2016) em Ciência da Informação pela Universidade Carlos III de Madri - Espanha. Professora Associada da Universidade Federal de Pernambuco, com atuação na graduação e no programa de pós-graduação stricto sensu na área da Ciência da Informação e no Mestrado Profissional em Desenvolvimento e Gestão Pública . Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação - PPGCI/UFPE. Editora Científica da Revista Navus - Gestão e Tecnologia. Líder do grupo de pesquisa Prospecção e Práxis em Gestão da Informação. Atua nos seguintes temas de interesse: gestão da informação, contexto social e cultura em informação, inovação inclusiva.

Anderson Matheus Alves Arruda, Universidade Federal de Pernambuco

Bacharel em Biblioteconomia pelo Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Arte da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), exercendo vínculo de bolsista pró-graduando, entre 2012 e 2013, no Acervo da Biblioteca Central da UFAL no Campus A.C. Simões, realizando atividades de reposição de livros e contato direto com o acervo bibliográfico da instituição; entre 2013 e 2014 atuei como bolsista de iniciação científica PIBIC/CNPq/UFAL/FAPEAL no projeto 'O retrato da criminalidade na imprensa alagoana: descrição dos fatos nos Jornais Gazeta de Alagoas e Tribuna Independente (2006-2012)'; no período de janeiro a março de 2015, participei do programa Bolsa de Desenvolvimento Acadêmico e Institucional ? BDAI, na condição de Bolsista do Projeto 'Gestão Documental: organização do acervo acadêmico do Arquivo Central/UFAL; no período de 2016 à 2017, participei como bolsista do projeto educacional 'A escola vai à Pinacoteca', desenvolvendo atividades de mediação e educacionais entre visitantes e o acervo museológico e artístico da Pinacoteca Universitária da UFAL; entre 2015 e 2017 atuei como estagiário no Arquivo Central do Departamento Financeiro da Gerência de Contabilidade da Secretaria de Segurança Pública de Alagoas - SSP/AL, desenvolvendo atividades de processamento técnico e recuperação da informação. Durante a graduação desenvolvi a pesquisa 'Travestis e Mulheres Trans na mídia alagoana: uma análise da informação em portais online', com o objetivo de analisar o discurso da informação jornalística nos portais online por um recorte geográfico, defendida em 2018. Em 2018 ingressei como discente na Pós-Graduação Latu Sensu em Gestão e Tecnologia em Ciência da Informação, pelo Centro Universitário CESMAC-AL, onde desenvolvo a pesquisa 'Diálogos entre o Transhow, Artivismo e uma Competência em Informação LGBTQ+', analisando as práticas de mediação informacional por um recorte de gênero e sexualidade através da linguagem artística. Em 2021 ingressou o Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco, onde desenvolve a pesquisa 'Informação política como prática de cuidados para pessoas trans e travestis: mediação da informação na web social', contemplada pelo edital FACEPE 14/2020 de concessão de bolsas de pós-graduação Strictu Sensu. É membro efetivo da Associação Cultural de Travestis e Transexuais de Alagoas (ACTTRANS), onde desenvolve trabalho de pesquisa, ação social e assessoria de comunicação.

Paulo Ricardo Silva Lima , Universidade Federal de Pernambuco

Doutorando em Ciência da Informação - Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Alagoas- UFAL. Bacharel em Administração Pública pela Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL. Especialista em Gestão da Qualidade na Administração Pública - UNEAL. Especialista em Direito Administrativo na Faculdade Campos Elíseos - FCE. Especialista em Gestão de Pessoas- FCE. Especialista em Direito Público - LEGALE. Especialista em Direito Aplicado à Educação - FCE. Graduando em Direito pelo Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL. Assessor administrativo na Defensoria Pública do Estado de Alagoas - DPEAL. Membro da comissão permanente de licitação - DPEAL. Membro da comissão de Planejamento Estratégico - Conselho Regional de Administração de Alagoas- CRA/AL. Membro dos grupos de pesquisa: a) Garantismo Processual - UNIT/AL; b) pesquisa Inovação e Competitividade - UFAL; c) Observatório de Estudos Interdisciplinares da Informação - Observinter - UFAL; d) Ciência, Tecnologia e Sociedade - UNEAL.

Referências

AGÊNCIA BRASÍLIA. Regulamentado registro on-line de violência doméstica. 2020. Disponível em: https://bityli.com/gsO8f. Acesso em: 02 set. 2021.

AMARAL, C. C. G.. Dores Visíveis: violência em delegacias da mulher no Nordeste. Redor, 2001.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. SP: Edições 70, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Disponível em: https://bityli.com/HLhX1. Acesso em: 25 jun. 2021.

CANOTILHO, J.J.G; MOREIRA, V. Constituição da república portuguesa anotada. 3 ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1993.

CÔRTES, G. R.; LUCIANO, M. C. F.; DIAS, K. C. O. A informação no enfrentamento à violência contra mulheres: Centro de Referência da Mulher “Ednalva Bezerra”: relato de experiência. Biblionline, João Pessoa, v.8, p.134-151, 2012. Edição especial.Disponível em: https://bityli.com/qYUl7. Acesso em 02 set. 2021.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Visível e Invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. 3ª ed. Brasil, 2021. Disponível em: https://bityli.com/3f9Ct. Acesso em: 02 set. 2021.

GUERRA, M. D. G. G. V.; CARVALHO, K. A. G. Transparência pública e acesso à informação: a utopia virando realidade na uepb. Comunicação & Informação, v. 22, 2019. Disponível em: https://bityli.com/8Kuq3. Acesso em: 27 jun. 2021.

GOVERNO FEDERAL. Ministério participa de debate sobre enfrentamento à violência contra a mulher em tempos de pandemia. gov.br, 2020. Disponível em: https://bityli.com/GUc77. Acesso em: 15 jul. 2021.

JARDIM, J. M. A lei de acesso à informação pública. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 5, n. 1, 2012. Disponível em: https://bityli.com/4a79m. Acesso em: 01 jul. 2021.

MARTINS JÚNIOR, W. P. Transparência Administrativa: publicidade, motivação e participação popular. 2. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

MINAYO, M. C. S. & SANCHES, O. Quantitative and Qualitative Methods: Opposition or Complementarity? Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 9 (3): 239-262, jul/sep, 1993.

MIRAGEM, B. A nova administração pública e o direito administrativo. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2011.

MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS. "Por isso, durante a quarentena, estamos reforçando os mecanismos que ajudam essas mulheres a denunciar", completou a titular do @DHumanosBrasil, @DamaresAlves. Brasil, 27 mar. 2020a. Twitter: @mdhbrasil. Disponível em: https://bityli.com/2oF37. Acesso em: 02 set. 2021.

MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS. Esse instrumento veio para mudar a história da violência contra a mulher no Brasil”. A afirmação foi feita pela titular do @DHumanosBrasil, ministra @DamaresAlves, durante o lançamento oficial do Protocolo Nacional de Investigação e Perícias nos Crimes de Feminicídio. Brasil, 24 jun. 2020b. Twitter: @mdhbrasil. Disponível em: https://bityli.com/TaonG. Acesso em: 02 set. 2021.

MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS. #Capacitação — Em parceria com a @pcdf_oficial e o Banco Mundial, o @DHumanosBrasil promove curso sobre violência contra a mulher para agentes de polícia e gestoras de políticas para as mulheres. Brasil, 01 jun 2020c. Twitter: @mdhbrasil. Disponível em: https://bityli.com/DXDHD. Acesso em: 02 set. 2021.

MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS. #Cursos — Em parceria com o @TJDFToficial e a plataforma Educação Livre (EduLivre), o @DHumanosBrasil lança o curso gratuito “Violência doméstica e familiar contra a mulher durante o isolamento social”. Brasil, 08 jun. 2020d. Twitter: @mdhbrasil. Disponível em: https://bityli.com/tLvDR. Acesso em: 02 set. 2021.

MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS. #GovernoFederal — Foi dado mais um passo no esforço para combater a violência contra a mulher na região norte do país. Em visita à capital amazonense, a titular do @DHumanosBrasil, ministra @DamaresAlves, anunciou a implementação da Casa da Mulher Brasileira em Manaus (AM). Brasil, 17 jun. 2020e. Twitter: @mdhbrasil. Disponível em: https://bityli.com/igQjs. Acesso em: 02 set. 2021.

OLIVEIRA, S.; RECAMAN, M.; VENTURI, G. (Ed.). A mulher brasileira: nos espaços público e privado. Fundação Perseu Abramo, 2004.

OLIVEIRA, E. M.et al. Atendimento às mulheres vítimas de violência sexual: um estudo qualitativo. Revista de Saúde Pública, v. 39, p. 376-382, 2005. Disponível em: https://bityli.com/nDAS9. Acesso em: 02 set. 2021.

PORTAL BRASILEIRO DE DADOS ABERTOS. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos - MMFDH. dados.gov.br, 2021. Disponível em: https://bityli.com/QFvIr. Acesso em: 02 set. 2021.

RECUERO, R. et al. Análise de redes para mídia social. Editora Sulina; 2015.

ROSA, T. C.; URBANETTO, R. P. A busca da transparência na gestão pública: lei de acesso à informação brasileira. Páginas A&B, Arquivos e Bibliotecas (Portugal), n. 1, p. 138-145, 2014.

SCOTT, J.. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade, v. 20, n. 2, 1995.

SILVA, H. S.; VALLS, V. M. Retenção de conhecimento na internet: o papel do twitter. CRB8 Digital, v. 5, n. 1, 2012. Disponível em: https://bityli.com/SLnkW. Acesso em: 13 jul. 2021.

SILVA, J. A. Curso de direito constitucional positivo. 37.ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2014.

SOUSA, R. P. M.; OLIVEIRA, B. M. J. F.; SOUSA, M. R. F. Reflexões sobre a regulamentação da lei de acesso a informação no âmbito do poder executivo federal. Revista Analisando em Ciência da Informação, v. 4, n. 2, 2016. Disponível em: https://bityli.com/UFpQn. Acesso em: 03 jul. 2021.

VIEIRA, P. R.; GARCIA, L. P.; MACIEL, E. L. N.. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, p. e200033, 2020.

VIEIRA JUNIOR, L. A. M.; PELÚCIO, L.. Memes, fake news e pós-verdade ou como a teoria de gênero vira uma “ideologia perigosa”. Estudos de Sociologia, v. 25, n. 48. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.52780/res.13447.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília, DF: Flacso Brasil, 2015. Disponível em: https://bityli.com/Lt8tU. Acesso em: 02 set. 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-03

Como Citar

Viana, A. R. de L., Presser, N. H. ., Arruda, A. M. A., & Lima , P. R. S. . (2022). Transparência ativa em tempos de Covid-19: a atuação do ministério da mulher, da família e dos direitos humanos no combate à violência de gênero. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 27(1), 1-21. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e83200