Propaganda digital: algoritmos a regra da mais-valia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2024.e96375

Palavras-chave:

propaganda digital, algoritmo, regra da mais-valia

Resumo

Objetivo: analisar a interação entre algoritmos e propaganda digital, explorando os benefícios e as implicações nas escolhas e comportamentos dos usuários no ambiente online.

Resultado: os veículos de comunicação tradicionais, como jornais e revistas, estão cada vez mais migrando para o ambiente online, aproveitando os recursos oferecidos pela internet. Nesse contexto, a propaganda nos veículos digitais de informação desempenha um papel fundamental na disseminação de ideias, produtos e serviços. No entanto, é importante refletir sobre como essa prática está associada ao discurso da mais-valia. Assim, apresentam-se nesse ensaio propostas e reflexões sobre soluções para lidar com os problemas identificados, incluindo a implementação de regulamentações mais abrangentes e a promoção da transparência algorítmica.

Conclusões: a proteção da privacidade e dos direitos dos usuários deve ser uma prioridade, juntamente com a promoção da transparência, da equidade e da não discriminação. Somente através de esforços coletivos de governos, empresas, pesquisadores e sociedade civil podemos enfrentar os desafios e alcançar um equilíbrio saudável entre os algoritmos, a propaganda digital e os direitos individuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ocante António Ié, Universidade Federal de Sergipe

Mestrando em Ciência da Informação (Gestão da Informação e Conhecimento) pelo Programa de Pós-Graduação em CI na Universidade Federal de Sergipe (UFS). Graduando em Engenharia de Computação na Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador. Possuo especialização em Gestão dos Recursos Hídricos, Ambientais e Energéticos pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (UNILAB) e graduação em Logística pela Universidade Estácio de Sá, Campus Gilberto Gil, Salvador, e em Interdisciplinares em Ciências Humanas (Bacharelado em Humanidades) pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (UNILAB).Tenho experiência profissional como Bolsista na Aton Engenharia e Comércio, com ênfase em desenvolvimento de trabalhos utilizando ferramentas como GLPI (ServiceDesk), sistemas de CFVT e produtos de diversos fabricantes, além de configuração de equipamentos de redes e suporte técnico. Trabalhei na Stefanini Consultoria e Assessoria em Informática, atuando como Suporte Técnico. Tenho proficiência em linguagens como Java, SQL e Python, no domínio tecnológico, manutenção de sistemas, correções e adaptações para atender às necessidades dos usuários. Também realizo suporte técnico, implantação de sistemas e treinamento de usuários, participando de projetos como a implantação do sistema AGHUse em unidades hospitalares. 

Alessandra dos Santos Araújo, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília, UnB 
Professor na Universidade Federal de Sergipe – UFS
Programa de Pós-Graduação em Ciência de Informação

Martha Suzana Cabral Nunes, Universidade Federal de Sergipe

A Profa Dra Martha Suzana Cabral Nunes é formada em Administração com ênfase em Análise de Sistemas pela Universidade Tiradentes (1993), possui mestrado em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (2008) e doutorado em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Bahia (2015), com período de doutorado sanduíche realizado na Université Paul Sabatier, Toulouse 3, França (2014). Concluiu em 2022 Pós-doutorado em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília, no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. É professora Associada do Departamento de Ciência da Informação e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Sergipe. É a atual Diretora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), gestão 2021-2025. É pesquisadora PQ2 do CNPQ, desenvolvendo a pesquisa intitulada ?A mediação da informação científica como categoria empírica na promoção da popularização da ciência: caracterização e estratégias de ação?. É presidenta da Associação Brasileira de Educação em Ciência da Informação (ABECIN), Gestão 2022-2025. Atuou como coordenadora do GT3 - Mediação, Circulação e Apropriação da Informação da ANCIB (2018-2021). É membro associado da ANCIB e da ABECIN. Coordena o grupo de pesquisa intitulado Núcleo de Estudos em Mediação, Apropriação, Gestão da Informação e do Conhecimento (NEMAGI). Também coordena o Laboratório de Referência, Editoração e Mediação (REM) e é editora da revista Convergências em Ciência da Informação (E-ISSN 2595-4768), da Revista Brasileira de Educação em Ciência da Informação - REBECIN (E-ISSN 2358-3193) e administradora do Portal de Periódicos da UFS. É membro da Rede de Pesquisadores franco-brasileira MUSSI (Mediações e Usos Sociais dos Saberes e da Informação) desde 2014. Ministra disciplinas voltadas à metodologia científica, elaboração de projetos de pesquisa, normalização de documentos, editoração científica e mediação da informação. Tem experiência na área de Ciência da Informação e Gestão Pública, atuando principalmente nas seguintes áreas: mediação da informação, mediação editorial, gestão da informação e do conhecimento, gestão pública.

Referências

ANDREJEVIC, M. Automated media. Milton Park-Oxfordshire: Routledge, 2019.

BAROCAS, S.; SELBST, A. D. Big data's disparate impact. California Law Review, v. 104, n. 3, p. 671-732, 2016. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/24758720 Acesso em: 10 out. 2023.

BAUDRILLARD, J. A Sociedade de Consumo. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2008.

BRIDLE, J. New Dark Age: Technology and the end of the future. Nova York: Verso Books, 2018.

BRUNO, F. Máquinas de ver, modos de ser: Vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013. v. 123.

CALDEVILLA-DOMÍNGUEZ, D.; EGIDO-PIQUERAS, M.; BARRIENTOS-BÁEZ, A. Neurocomunicacação e Redes Sociais. Encontros Bibli, Universidade Federal de Santa Catarina, v. 28, p. e94208, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/94208/53959 Acesso em: 10 out. 2023.

CARDOSO, B. Propaganda Algorítmica: O uso de dados e algoritmos na publicidade digital. Barueri-SP: Estação das Letras e Cores, 2019.

CHOMSKY, N.; HERMAN, E. S. Manufacturing Consent: The Political Economy of the Mass Media. New York: Pantheon Books, 1988.

CRAWFORD, K. Can an algorithm be agonistic? Ten scenes from life in calculated publics. Science, Technology, & Human Values, v. 41, n. 1, p. 77-92, 2016. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/43671283 Acesso em: 10 out. 2023.

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo. 1. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DÖRING, N. Social media and gamification: Engaging young users in higher education. Milton Park-Oxfordshire: Routledge, 2020.

ELLUL, J. A Manipulação do Público. 3. ed. São Paulo: Editora Cultrix, 1990.

EUBANKS, V. Automating inequality: How high-tech tools profile, police, and punish the poor. Nova Iorque: St. Martin's Press, 2018.

GARCIA, D.; MAVRODIEV, P.; CASATI, D.; SCHWEITZEr, F. Understanding popularity, reputation, and social influence in the Twitter society. EPJ Data Science, v. 7, n. 1, p. 1-25, 2018. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/poi3.151 Acesso em: 10 out. 2023.

GRINBERG, N.; JOSEPH, K.; FRIEDLAND, L.; SWIRE-THOMPSON, B.; LAZER, D. Fake news on Twitter during the 2016 - US - presidential election. Science, v. 363, n. 6425, p. 374-378, 2019. Disponível em: https://www.science.org/doi/10.1126/science.aau2706 Acesso em: 10 out. 2023.

GROHMANN, R. Comunicação e Algoritmos: Tramas, Redes e Poderes. Porto Alegre: Editora Sulina, 2017.

HALL, S. A Cultura dos Meios de Comunicação. Tradução de Susana de Castro. Rio de Janeiro: Edições 70, 2003.

HINDMAN, M. The Internet trap: How the digital economy builds monopolies and undermines democracy. Princeton: Princeton University Press, 2018.

LEWANDOWSKY, S.; ECKER, U. K.; COOK, J. Misinformation and its correction: Continued influence and successful debiasing. Psychological Science in the Public Interest, v. 13, n. 3, p. 106-131, 2012. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/23484653 Acesso em: 10 out. 2023.

MARTENS, B.; KOOLEN, R.; MARX, M. Explaining algorithms to the public: Transparency in online media and advertising. Ethics and Information Technology, v. 21, n. 2, p. 89-99, 2019.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Boitempo, 1867.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro I: O processo de produção do capital. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

MCLUHAN, M. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. São Paulo: Cultrix, 2012.

MCLUHAN, M. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. Tradução de Décio Pignatari. São Paulo: Cultrix, 2004.

MENDONÇA, A. A lei geral de proteção de dados: compreendendo seus principais desafios. Revista Direito GV, v. 17, n. 1, p. 175-202, 2021.

NAPOLI, P. M. Social media and the public interest: Media regulation in the disinformation age. Columbia: Columbia University Press, 2020.

NOBLE, S. U. Algorithms of oppression: How search engines reinforce racism. NYU New York: Press, 2018.

O'NEIL, C. Weapons of math destruction: How big data increases inequality and threatens democracy. New York: Crown Publishing Group, 2016.

PARISER, E. The filter bubble: How the new personalized web is changing what we read and how we think. New York: Penguin, 2011.

PASQUALE, F. The black box society: The secret algorithms that control money and information. Cambridge: Harvard University Press, 2015.

SILVEIRA; S. A. da; BRAGA, S.; PENTEADO, C. (orgs.) Cultura, política e ativismo nas redes digitais. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2014. 342p

SILVERSTONE, R. Por Que Estudar a Mídia? 2. ed. São Paulo: Editora Loyola, 2002.

SRNICEK, N. Platform Capitalism. Cambridge: Polity Press, 2016.

SUNSTEIN, C. R. #Republic: Divided Democracy in the Age of Social Media. Princeton: Princeton University Press, 2017.

TUFEKCI, Z. Engineering the public: Big data, surveillance and computational politics. First Monday, v. 19, 2014.

TUROW, J. The aisles have eyes: How retailers track your shopping, strip your privacy, and define your power. London: Yale University Press. 2018.

ZUBOFF, S. The age of surveillance capitalism: The fight for a human future at the new frontier of power. New York: PublicAffairs, 2019.

Publicado

2024-06-07

Como Citar

ANTÓNIO IÉ, Ocante; ARAÚJO, Alessandra dos Santos; SUZANA CABRAL NUNES, Martha. Propaganda digital: algoritmos a regra da mais-valia. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 29, p. 1–29, 2024. DOI: 10.5007/1518-2924.2024.e96375. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/96375. Acesso em: 23 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.