Literatura e Arte no ensino de Ciências: a formação de professores para alunos com deficiências visuais no Ensino Fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2020v37n2p718

Palavras-chave:

Literatura e Arte no Ensino de Ciências, Histórias Infantis, Formação de Professores, Alunos com Deficiência Visual

Resumo

Trata o presente trabalho de uma proposta de formação de professores inclusivistas, ou seja, aqueles que acreditam que alunos sem quaisquer problemas detectados e alunos com quaisquer deficiências, possam estudar em escolas regulares. Fazemos uma conjugação entre Arte, especialmente a Literatura, no formato de histórias infantis para o ensino de tópicos elementares de Física nos anos iniciais de escolarização. Consideramos essencial o ensino equânime dos alunos considerados sem problemas aparentes e aqueles com deficiência visual. Apresentamos nossas atuações anteriores no campo de estudo da conjugação entre Literatura e Física e Arte Plástica e Física, como exercícios para chegarmos ao ponto em que hoje nos encontramos. Estamos certos de que os professores necessitam exercitar sua imaginação e criatividade, tanto para elaborar as histórias, quanto para avaliar sua compreensão, no que diz respeito ao tópico em pauta.  Relatamos o que esperamos da formação de licenciandos de nossa Universidade e os tópicos do Manifesto CiênciArte, que seguimos em nossa prática, tanto na formação, quanto em nossa atuação profissional.

 

Biografia do Autor

Maria da Conceição de Almeida Barbosa-Lima, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto Oswaldo Cruz

Professora associado do Instituto de Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e membro permanente do programa de pós-gradução em Ensino de Biociências e Saúde no Instituto Oswaldo Cruz.

Referências

ARAÚJO-JORGE, T. et al. Ciênciarte no instituto Oswaldo Cruz: 30 anos de experiência na construção de um conceito interdisciplinar Ciência e Cultura, v. 70, n. 2, São Paulo, abr./jun 2018.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BARBOSA-LIMA, M. C. Explique o que tem nessa história. 2001. Tese. (Doutorado) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BARBOSA-LIMA, M. C.; BARROS, H. L. de; TERRAZZAN, E. A. Quando o sujeito se torna pessoa: uma articulação possível entre poesia e ensino de física Ciência & Educação, v. 10, n. 2, p. 291-305, 2004.

BARBOSA-LIMA, M. C.; QUEIROZ, G.; SANTIAGO, R. B. Ciência e Arte: Veermeer, Huygens e Leeuwenhoek. Física na Escola, v. 8, n. 2, 2007.

BARBOSA-LIMA, M. C. Um quadro para ser lido... Ciência em Tela, v. 1, n. 1, 2008.

BARBOSA-LIMA, M. C.; CATARINO, G. F. C. É importante estudar física se você é deficiente visual? As respostas de estudantes recém-ingressos na universidade. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXIII, 2019, Salvador, Bahia. Atas... Disponível em:

<http://www.sbfisica.org.br/~snef/xxiii/>.

CAMARGO, E. P. Saberes docentes para a inclusão do aluno com deficiência visual em aulas de física. 1. ed. São Paulo: UNESP Editora, 2012.

FIOLHAIS, C. Imaginação, Ciência e Arte. Disponível em:

<https://www.researchgate.net/publication/268263035_Imaginacao_ciencia_e_arte/reference>Acesso em: 01 jul. 2018.

LEMKE, J. L. Investigar para el futuro de la educación científica: nuevas formas de aprender, nuevas formas de vivir. Enseñanza de las Ciencias, v. 24, n. 1, p. 5-12, 2006.

MONTEIRO, A. B. F.; HALLAIS, S. de C.; BARBOSA-LIMA, M. C. A física da gangorra: ensino de física e história para crianças. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXIII, 2019, Salvador, Bahia. Atas... Disponível em: <http://www.sbfisica.org.br/~snef/xxiii/>.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Tradução: Claudia Schilling. São Paulo: Artmed, 2007.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução: Roberto Cataldo Costa. São Paulo: Artmed, 2000.

SILVA, M. C. Infância e literatura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

SOLER, M. A. Didáctica multisensorial de las ciencias: Un nuevo método para alumnos ciegos, deficientes visuales, y también sin problemas de visión. Barcelona: Paidós, 1999.

SNOW, C. P. As duas culturas. Rio de Janeiro: Gradiva do Brasil, 2004.

TATO, A. L. Atividades Multissensoriais para o Ensino de Física. 2016. 171f. Tese. (Doutorado em Ensino de Ciências) – Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências, Universidade de São Paulo.

TATO, A. L. Material de Equacionamento Tátil para usuários do Sistema Braille. 2009. 100 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – CEFET/RJ, Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Rio de Janeiro.

TORRES S. M.; TETTAMANZY, A. L. L. Contação de histórias: resgate da memória e estímulo à imaginação. Nau Literária, Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 1-7, 2008.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância. Tradução: Prestes, Z. R. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. El niño ciego. In: Obras escogidas - Tomo V. Fundamentos de defectologia. Madrid: Machado, 2012.

ZANETIC, J. Ensino de Física através de sua história e filosofia para quem gosta de literatura. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, VI, 1998, Florianópolis. Atas... Florianópolis: Sociedade Brasileira de Física, 1998.

Downloads

Publicado

2020-08-12

Edição

Seção

Relatos e propostas de experiências didáticas