... Se inclina, gira, mas não vira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2019v36n3p841

Palavras-chave:

Ensino de Física, Design, Equilíbrio, Ciência e Arte

Resumo

Apresentamos uma interação entre a Ciência e a Arte a partir do estudo do movimento de um modelo de caneca chamada “equilibrista” para melhor entendermos os conceitos físicos de equilíbrio de corpo rígido e suas aplicações no Design da caneca. Chamamos a atenção para uma relação entre diferentes condições de equilíbrio de duas canecas produzidas com materiais diferentes, cerâmica e cristal, mas com configurações bem semelhantes. Produzimos as cronofotografias de diversas posições iniciais das canecas a fim de estudar as condições de equilíbrio a partir de possíveis inclinações, com e sem líquido. Entendemos que estudos de Física a partir de objetos artísticos podem mostrar que ao nosso redor há Ciência e Arte se integrando e despertando interesse de alunos para o ensino e aprendizagem de Física.

Biografia do Autor

Deise Miranda Vianna, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz

Graduada em Física pela UFRJ, mestre em Física pela mesma Universidade e doutora em Educação pela USP, pós-doutorado na Universidade Santiago de Compostela. Atualmente é professora associada na UFRJ, professora e orientadora do programa de Pós-Graduação em Ensino de Física do Instituto de Física da UFRJ e do programa de Pós-Graduação em Ensino de Biociências e Saúde da Fundação Oswaldo Cruz.

 

Maria da Conceição de Almeida Barbosa-Lima, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto Oswaldo Cruz/Fiocruz

Graduada em Física pela UERJ, mestre em Educação pela PUC-Rio e doutora em Educação pela USP, pós-doutorado na Universidade do Porto. Atualmente é professora associada na UERJ, professora e orientadora do programa de Pós-Graduação em Ensino de Biociências e Saúde da Fundação Oswaldo Cruz.

 

Marco Adriano Dias, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Ensino de Ciências pelo Instituto Oswaldo Cruz (conceito 6 Capes), Mestre em Ensino de Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Licenciado em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

BONSIEPE, G. Design, cultura e sociedade São Paulo: Blucher, 2011.

BRONOWSKI, J. O olho visionário. Brasília: Ed. UnB, 1998.

CACHAPUZ, A. F. Arte e ciência: que papel na educação em ciência? Revista Eureka sobre Enseñanza y Divulgación de las Ciencias, v. 4, n. 2, p. 287-294, 2007.

MILLER, W. R. A definição de design. Tradução: LEITE, J. de S. Disponível em: feiramoderna.net/ufes/projeto1/MILLER-A-definicao-de-design.pdf. Acesso em: 04 ago. 2017.

REBOH, S. Mensagens eletrônicas trocadas entre os autores e a designer, 2017.

SASSERON, L.; MACHADO, V. F. Alfabetização científica na prática: inovando a forma de ensinar Física. São Paulo: livraria da Física, 2017. 100p. v. 1.

SCRUTON, R. Arte e imaginação: um estudo em filosofia da mente. São Paulo: É Realizações Editora, 2017.

SMOLKA, A. L. Comentários. In: Imaginação e criação na infância. 3. ed. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, L. S. Imaginação e criação na infância. 3. ed. São Paulo: Ática, 2009.

ZAMBONI, S. A pesquisa em arte. Campinas: Autores Associados, 2001.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Edição

Seção

Relatos e propostas de experiências didáticas