A perspectiva educativa nos laboratórios de pesquisa: um diálogo entre a escola básica e a universidade

Autores

  • Francisca Vânia Pereira Rodrigues Mestranda em Ensino de Física, Universidade de Brasília
  • Roseline Beatriz Strieder Universidade de Brasília https://orcid.org/0000-0001-8965-8906
  • Rafael Cabreira Gomes Departamento de Física, Universidade Federal de Santa Catarina
  • Jerome Depeyrot Instituto de Física, Universidade de Brasília
  • Graciella Watanabe Centro de Ciências Naturais e Humanas, Universidade Federal do ABC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e72370

Palavras-chave:

Ciência-Tecnologia-Sociedade, Cientistas, Divulgação Científica

Resumo

As pesquisas em ensino de ciências têm apontado a necessidade de incorporar, na formação dos alunos da educação básica, experiências educacionais que ultrapassem atividades formais, destinadas aos contextos das salas de aula. Partindo desse pressuposto, neste artigo, discutimos desafios e potencialidades associados às visitas aos laboratórios de pesquisa. Em especial, investigamos como atividades propostas por docentes da escola básica e ações de divulgar de cientistas, quando complementares, podem promover reflexões sobre o saber e o fazer científico. Para tanto, são trabalhados aspectos quantitativos e qualitativos associados às respostas e produções de alunos participantes de atividades de divulgação científica realizadas em um laboratório de nanotecnologia, articuladas a ações que ocorreram no contexto formal de educação. Dentre os resultados, destacamos desafios associados à superação da suposta neutralidade da ciência por parte dos alunos, em especial, da visão salvacionista enfatizada neste artigo. Defendemos que é preciso aumentar a frequência de atividades que promovam discussões sobre a produção e apropriação do conhecimento científico e tecnológico, sempre na perspectiva de articular escola básica e universidade, reconhecendo que ambas são responsáveis pela formação de cidadãos.

Biografia do Autor

Francisca Vânia Pereira Rodrigues, Mestranda em Ensino de Física, Universidade de Brasília

Licenciada em Física pela Universidade Católica de Brasília e Mestra em Ensino de Física pela Universidade de Brasília. Desde 2012, é professora de Física da Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio). Atuou em escolas públicas do Distrito Federal até 2019, quando assumiu o cargo de professora na Secretaria Municipal de Educação de Viçosa/CE, onde leciona desde então.

Roseline Beatriz Strieder, Universidade de Brasília

Licenciada em Física pela Universidade Federal de Santa Maria/RS, Mestra e Doutora em Ensino de Física pela Universidade de São Paulo. Desde 2012, é professora do Instituto de Física da Universidade de Brasília (UnB), onde desenvolve pesquisas relacionadas ao Ensino de Física e de Ciências da Natureza em múltiplos níveis, envolvendo discussões sobre os fins da educação científica e o papel assumido pelo conhecimento científico curricular, com ênfase nos pressupostos da Educação Ciência-Tecnologia-Sociedade e do educador Paulo Freire.

Rafael Cabreira Gomes, Departamento de Física, Universidade Federal de Santa Catarina

Obteve os títulos de Bacharel e Mestre em Física pela Universidade Federal de Santa Maria, RS e Doutorado em Física pela Universidade de Brasília (UnB) e pela Sorbonne Université (Univeritè Pierre et Marie Curie – Paris VI), Paris, FR. Realizou estágios de pós doutorado na UnB, FUP-UnB, Universidade de Campinas (Unicamp) e no Instituto de Nanociência de Aragón, Universidad de Zaragoza, Espanha. Tem experiência na área de Física Experimental, com ênfase na Dinâmica da Magnetização, Magneto-óptica, efeitos termodifusivos em coloides magnéticos e Hipertermia magnética, além da utilização de nanoestruturas visando aplicações em sistemas biológicos e remediação ambiental. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Física da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Jerome Depeyrot, Instituto de Física, Universidade de Brasília

Bacharel e Mestre pela Universitè de Toulouse III (Paul Sabatier) e Doutor em Física pela Univeritè Denis Diderot, Paris VII. É Professor da Universidade de Brasília (UnB) desde 1997, onde coordena o Laboratório de Fluidos Complexos. Tem experiência na área de magnetismo e materiais magnéticos, atuando principalmente no design, na produção e aplicações de nanopartículas do tipo core-shell dispersas em meio líquido (ferrofluido), na investigação da estrutura local dos nanocristais magnéticos, de suas propriedades eletro-químicas, assim como das propriedades magnéticas e magneto-ópticas.

Graciella Watanabe, Centro de Ciências Naturais e Humanas, Universidade Federal do ABC

Licenciada em Física, doutora e mestra em Ensino de Ciências na Modalidade Física pela Universidade de São Paulo e mestra em Educação pela Universidade de Lisboa. É professora do Centro de Ciências Naturais e Humanas da Universidade Federal do ABC. Tem se interessado pelos estudos em desigualdade educacional e, atualmente, é coordenadora do grupo de pesquisa DECiDe – Desigualdade Educacional, Ciência e Democracia.

Referências

ARAÚJO, C. C. et. al. Ações de divulgação e popularização das Ciências Exatas via ambien-tes virtuais e espaços não formais de educação. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 34, n. 2, p. 649-668, ago. 2017.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 122134, dez. 2001.

AULER, D. Interações entre Ciência-Tecnologia-Sociedade no Contexto da Formação de Professores de Ciências. 2002. Tese (Doutorado) - UFSC, Florianópolis.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Edições 70: Portugal, 2008.

BEAUNE, J. C. La vulgarisation scientifique. L´Ombre des techniques. In: JACOBI, D. SCHIELE, B. (Orgs.) Vulgariser la science. Le procès de l´ignorance. Seyssel: Champ Va-llon, 1988.

CAMPOS, A. F. C. MICHELS-BRITO, P. H.; SILVA, F. G.; CABREIRA GOMES, R.; GOMIDE, G.; DEPEYROT, J. Removal of direct yellow 12 from water using CTAB-coated core-shell bimagnetic nanoadsorbents. Journal of Environmental Chemical Engineering, v. 7, n. 2, p. 103031, 2019.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? Brasília: Brasiliense, 1993.

DAGNINO, R.; THOMAS, H.; DAVYT, A. El Pensamiento em Ciencia, Tecnología y So-ciedad em Latinoamérica: uma interpretación política de su trayectoria. In: DAGNINO, R.; THOMAS, H. (Orgs.) Ciência, Tecnologia e Sociedade: uma reflexão latino-americana. Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária, 2003.

DAGNINO, R. Entrevista com o professor titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica da Unicamp, Renato Dagnino. [Entrevista concedida à] Agência Gestão CT&I de Notícias. ABIPTI. Disponível em: <http://portal.abipti.org.br>. Acesso em: 29 out. 2012.

ENTRADAS, M; MARCELINO, J.; BAUER, M. W.; LEWESTEIN, B. Public communica-tion by climate scientists: what, whith, whom and why? Climate Change, v. 254, n. 1, p. 69-85, 2019. DOI: 10.1007/s10584-019-02414-9

FREIRE, P. Extensão ou Comunicação? 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GARCÍA, M. I.; CEREZO, J. L.; LUJÀN, J. L. Ciência, tecnologia y sociedad. Uma intro-ducción al estúdio social de la ciência y la tecnología. Madrid: Tecnos, 1996.

HU, S. Q.; LI, Z.F. Li; ZHANG, J.; ZHU, J. M. Engaging scientists in science communica-tion: the effect of social proof and meaning. Journal of Cleaner Production, v. 170, p. 1044-1051, 2018.

JACOBI, D. La communication scientifique. Discours, figures, modèles. Grenoble: Pug, 1999.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. São Paulo: Dumará, 1997.

LIMA, G. S.; GIORDAN, M. O movimento docente para o suo de divulgação científica em sala de aula: um modelo a partir da teoria da atividade. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciência, v. 18, n. 2, 2018.

MERINO, N. S.; NAVARRO, D. H. T. Attitudes and perceptions of Conacyt researchers towards public communication of science and technology. Public Understanding of Science, v. 28, p. 85-100, 2019. DOI: 10.1177/0963662518781466

MORA, A. M. S. A divulgação da ciência como literatura. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

NOGUEIRA, M. A.; NOGUEIRA, C. M. Bourdieu e a Educação. São Paulo: Autêntica, 2007.

OLIVEIRA, M. B. Considerações sobre a neutralidade da ciência. Trans/form/ação, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 161-172, 2003.

OROZCO, L. A.; CHAVARRO, D. A. Robert K. Merton: la ciencia como institución. Revis-ta de Estudos Sociais, n. 37, p. 143-162, 2010.

PIASSI, L. P.; PIETROCOLA, M. Ficção científica e ensino de ciência: para além do método de 'encontrar erros em filmes'. Educação & Pesquisa, v. 35, n. 3, p. 525-540, 2009.

PILATI, V.; CABREIRA GOMES, R.; GOMIDE, G.; COPPOLA, G.; SILVA, F. G.; PAU-LA, F. L. O.; PERZYNSKY, R.; GOYA, G. F.; AQUINO, R.; DEPEYROT, J. Core/Shell Nanoparticles of Non-Stoichiometric Zn–Mn and Zn–Co Ferrites as Thermosensitive Heat Sources for Magnetic Fluid Hyperthermia. The Journal of Physical Chemistry C, v. 122, n. 5, p. 3028-3038, 2018.

ROSA, S. E.; STRIEDER, R. B. Não Neutralidade da Ciência-Tecnologia: verbalizações ne-cessárias para potencializar a constituição de uma cultura de participação. Linhas Críticas, v. 25, 11 fev. 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.26512/lc.v24i0.19701>.

SALÉM, S.; KAWAMURA, M. R. O texto de divulgação e o texto didático: conhecimento diferentes? In: ENCONTRO DE PESQUISADORES EM ENSINO DE FÍSICA, 1996, Belo Horizonte. Anais...

SPARTA, M; GOMES, W. Importância atribuída ao ingresso na educação superior por alunos do ensino médio. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 6, n. 2, p. 45-53, 2005.

STRIEDER, R. B. Abordagem CTS na Educação Científica no Brasil: Sentidos e Perspecti-vas. 2012. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências) - Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo.

STRIEDER, R. B.; KAWAMURA, M. R. Educação CTS: parâmetros e propósitos brasilei-ros. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 27-56, maio 2017. doi:https://doi.org/10.5007/1982-5153.2017v10n1p27.

WAGENSBERG, J. The “total” museum, a tool for social change. História, Ciência e Saúde, Manguinhos, v. 12, suplemento, p. 309-321, 2005.

WATANABE, G. Construíndo subsídios para a promoção da educação científica em visitas a laboratórios de pesquisa. 2017. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências) – Instituto de Física, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

Ensino e aprendizagem de Ciências/Física