A realização de sujeitos e objetos pronominais no português uruguaio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2019v16n1p3601

Palavras-chave:

Português uruguaio, Sujeito pronominal, Objeto pronominal

Resumo

O objetivo do trabalho é descrever a realização de sujeitos e objetos pronominais no português uruguaio (PU) a partir de um corpus de dados orais. Enquanto o português brasileiro (PB) apresenta em torno de 80% de sujeitos pronominais preenchidos, no PU há 50% de sujeitos referenciais nulos, com preferência de preenchimento para a 1ª pessoa do singular e predominância de nulos especialmente na 1ª pessoa do plural. Os objetos podem ser realizados como clíticos (incluindo a 3ª pessoa) ou como pronomes retos. A colocação dos clíticos apresenta próclise categórica aos verbos flexionados e gerúndio e ênclise com infinitivos e imperativos, além de subidas de clítico e redobro de clíticos. Objetos anafóricos podem ser retomados por nulos, clíticos ou pronomes retos, estando a retomada condicionada a traços semânticos do antecedente. Tanto na posição de sujeito quanto na posição de objeto, pronomes retos de 3ª pessoa ocorrem somente com referentes humanos. Os dados confirmam a existência de diferenças sintáticas significativas entre PU e PB.

Biografia do Autor

Leonor Simioni, Universidade Federal do Pampa

Mestre em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina e doutora em Linguística pela Universidade de São Paulo. Professora adjunta da Universidade Federal do Pampa, campus Jaguarão.

Referências

BEHARES, L. Portugués del Uruguay y educación fronteriza. In: BROVETTO, C.; GEYMONAT, J.; BRIAN, N. (org.) Portugués del Uruguay y educación bilingüe. Montevideo: ANEP, 2007. p. 99-171.

BERLINCK, R.; DUARTE, M. E.; OLIVEIRA, M. Predicação. In: KATO, M.; NASCIMENTO, M. (org.). A construção da sentença. São Paulo: Contexto, 2015. p. 81-149.

BOTTARO, S. O sujeito pronominal no português uruguaio da região fronteiriça Brasil-Uruguai. 2009. 217 f. Tese (Doutorado em Letras) – Departamento de Línguas Modernas, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CARVALHO, A. M. Rumo a uma definição do português uruguaio. RILI, v. 1, n. 2, p. 125- 149, 2003.

CARVALHO, A.; BESSETT, R. Subject pronoun expression in Spanish in contact with Portuguese. In: CARVALHO, A.; OROZCO, R.; SHIN, N. (org.). Subject pronoun expression in Spanish. Washington, D.C.: Georgetown University Press, 2015. p. 143-166.

COSTA, J.; FIGUEIREDO SILVA, M. C. Nominal and verbal agreement in Portuguese: an argument for Distributed Morphology. In: ______. (org.). Studies on agreement. Amsterdam: John Benjamins, 2006. p. 25-46.

CYRINO, S. The null object in Romania Nova. In: KATO, M.; ORDOÑEZ, F. (org.). The morphosyntax of Portuguese and Spanish in Latin America. New York: Oxford University Press, 2016. p. 177-203.

CYRINO, S.; NUNES, J.; PAGOTTO, E. Complementação. In: KATO, M.; NASCIMENTO, M. (org.). A construção da sentença. São Paulo: Contexto, 2015. p. 37-80.

DUARTE, M. E.; SILVA, H. S. Microparametric variation in Spanish and Portuguese. In: KATO, M.; ORDOÑEZ, F. (org.). The morphosyntax of Portuguese and Spanish in Latin America. New York: Oxford University Press, 2016. p. 1-26.

ELIZAINCÍN, A. Algunas precisiones sobre los dialectos portugueses en el Uruguay. Montevideo: UdelaR, 1979.

ELIZAINCÍN, A. Análisis de la variabilidade de los DPU. In: ______. Dialectos en contacto. Montevideo: Arca, 1992. p. 95-156.

ELIZAINCÍN, A.; BEHARES, L.; BARRIOS, G. Nos falemo brasilero: Dialectos portugueses en Uruguay. Montevideo: Amesur, 1987.

FANJUL, A. P. Conhecendo assimetrias: a ocorrência de pronomes pessoais. In: FANJUL, A. P.; GONZÁLEZ, N. M. (org.). Espanhol e português brasileiro: estudos comparados. São Paulo: Parábola, 2014. p. 29-50.

GASQUE DE SOUZA, K.; CHAVES, L.; SIMIONI, L. Sujeitos nulos no português uruguaio. PAPIA, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 7-24, 2018.

KATO, M. Strong pronouns, weak pronominals and the null subject parameter. PROBUS, v. 11, n. 1, p. 1-37, 1999.

KATO, M.; DUARTE, M. E. O sujeito no português brasileiro e sua tipologia. In: PILATI, E.; SALLES, H.; NAVES, R. (org.). Novos olhares para a gramática do português brasileiro. Campinas: Pontes, 2017. p. 13-42.

MUNIZ, S. “Nas casa sempre em brasilero”: o preenchimento de sujeitos e objetos no PU de Poblado Uruguay. 2017. 77 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Letras – Português, Espanhol e suas respectivas Literaturas) – Universidade Federal do Pampa, Jaguarão, 2017.

NUNES, J. M. Direção de cliticização, objeto nulo e pronome tônico na posição de objeto em português brasileiro. In: ROBERTS, I.; KATO, M. (org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996. p. 207-222.

PACHECO, C. Primeiras reflexões sobre o português fronteiriço de Aceguá. In: CARDOSO, C. R. et al. (org.). Variação linguística: contato de línguas e educação. Campinas: Pontes, 2013. p.187-207.

PAGOTTO, E. G. Clíticos, mudança e seleção natural. In: ROBERTS, I.; KATO, M. (org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996. p. 223-261.

PETROLINI JUNIOR, C. D. Colocação dos pronomes clíticos. In: FANJUL, A. P.; GONZÁLEZ, N. M. (org.). Espanhol e português brasileiro: estudos comparados. São Paulo: Parábola, 2014. p. 51-71.

RAE. Nueva gramática de la lengua española. Manual. 4. ed. Buenos Aires: Espasa, 2014.

RAPOSO, E. P. Gramática do português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.

URUGUAY. Instituto Nacional de Estadística. Censo Demográfico. 2011. Disponível em: <http://www.ine.gub.uy/censos-2011>. Acesso em: 24 mar. 2018.

ZAGONA, K. The syntax of Spanish. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

Downloads

Publicado

2019-04-22