Performances discursivas de uma “Bixa Travesty”: sobre corpo, gênero e identidade em Linn da Quebrada

Autores

  • Danillo da Conceição Pereira Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas https://orcid.org/0000-0002-5879-5999
  • Emilly Silva dos Santos Universidade Federal de Sergipe (UFS)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2019v16n2p3627

Palavras-chave:

Corpo, Gênero, Identidade, Performances discursivas queer, Linn da Quebrada

Resumo

Neste artigo, temos como objetivo oferecer uma reflexão teórico-analítica acerca das conexões entre corpo, gênero e identidade, a partir de uma visada performativa e queer de linguagem, conforme perspectivas da Linguística Aplicada Indisciplinar. Para tanto, além das discussões teóricas realizadas, analisamos três performances discursivas da artista e ativista social Linn da Quebrada, em entrevista concedida à revista brasileira Cult, em agosto de 2017. Em consequência do percurso empreendido, argumentamos que a desessencialização das referidas concepções se torna fundamental para desestabilizar efeitos de verdade excludentes construídos, tensionados e contestados na/pela linguagem, além de fomentar sua potencialidade na aliança com ativismos sociais e acadêmicos engajados em favor das diferenças identitárias na modernidade recente.

Biografia do Autor

Danillo da Conceição Pereira Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas

Doutorando e Mestre em Letras, com ênfase em Linguística Aplicada, pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL). Desenvolve pesquisas que problematizam as relações entre linguagens, identidades e marcadores sociais da diferença, com ênfase nas questões de gênero, sexualidade, violências e direitos humanos. E-mail: danillosh@gmail.com.

Emilly Silva dos Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Mestranda em Letras, Estudos Linguísticos, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (PPGL/UFS). Possui interesse em pesquisas que investiguem as relações entre linguagem e gênero nas mídias digitais e nas práticas de ensino-aprendizagem. E-mail: emillys@live.com.

Referências

AUSTIN, J. L. How to do things with words. 2.ed. Oxford: Oxford University Press, 1976.

BENTO, B. O que pode uma teoria? Estudos transviados e a despatologização das identidades trans. Florestan, ano 1, n. 2, p. 46-66, nov. 2014.

BORBA, R. A linguagem importa? Sobre performance, performatividade e peregrinações conceituais. Cadernos Pagu, n. 43, p. 441-474, jul./dez. 2014.

______. LOPES, A. Escrituras de gênero e políticas da différrance: imundície verbal e letramentos de intervenção no cotidiano escolar. In: SENALE, 7., 2016, Pelotas. Anais... Pelotas: Linguagem & Ensino, 2018. p.241-285.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______. Excitable speech: a politics of the performative. London: Routledge, 1997.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault – um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Tradução Ingrid Muller Xavier. 2. ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2016.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DEMETRI, F. Judith Butler: a filósofa da vulnerabilidade. Salvador: Devires, 2018.

DERRIDA, J. A farmácia de Platão. 2.ed. Trad. de Rogério Costa. São Paulo: Iluminuras, 1997.

_______. Limited Inc. Campinas: Papirus, 1991.

FOUCAULT, M. Two lectures. In: GORDON, C. (org.). Power/knowledge: selected writings, interviews & other writings – 1972-1977. New York: Pantheon Books, 1980. p. 81-82.

______. A arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009 [1969].

______. A governamentalidade. Ditos e escritos IV – estratégias de poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006 [1994]. p. 281-306.

_______. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: ______. Ditos & escritos V - ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004 [1984]. p. 9-116.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

KRISTEVA, J. Powers of horror: an essay on abjection. New York: Columbia University Press, 1982.

LAGARES, X. C. Qual política linguística? Desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola, 2018.

LINN DA QUEBRADA. Sítio oficial da cantora na internet. Disponível em http://www.linndaquebrada.com/release. Acesso em: 22 set. 2018.

LOURO, G. L. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 7-34.

MISKOLCI, R. Teoria Queer: um aprendizado pela diferença. 3.ed. Belo Horizonte. Autêntica Editora. Universidade Federal de Ouro Preto, 2016.

MOITA LOPES, L. P. da. Gênero, sexualidade e raça em contextos de letramentos escolares. In: MOITA LOPES, L. P. (org). Linguística Aplicada na modernidade recente. São Paulo. Parábola Editorial, 2013. p. 227-247.

______. Pesquisa interpretativista em Linguística Aplicada: a linguagem como condição e solução. Delta, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.

NAVARRO, P. P. Del texto al sexo: Judith Butler y la perfotmatividad. Barcelona: Egales, 2008.

PENNYCOOK, A. Global Englishes and transcultural flows. London: Routledge, 2007.

PRECIADO, P. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 11-20, jan./abr. 2011.

RAMPTON, B. Continuidade e mudança nas visões de sociedade em Linguística Aplicada. In: (org.) MOITA LOPES, L. P da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 108-128.

RESENDE, V. M. Direitos humanos para quem? Políticas públicas e gestão espacial da pobreza urbana em O Globo. Dossiê. Trab. Ling. Aplic., v. 57, n. 2, p. 616-644, maio/ago. 2018.

SALIH, S. Judith Butler e a teoria queer. Tradução e notas: Guacira Lopes Louro. Belo horizonte: Autêntica Editora, 2017.

SANTOS, K. C. Implicações da noção de sujeito na discussão da responsabilidade da fala. In: SILVA, D. N.; FERREIRA, D. M. N.; ALENCAR, C. N. Nova pragmática: modos de fazer. Campinas: Cortez, 2014. p. 287-307.

SILVA, D. C. P. Atos de fala transfóbicos no ciberespaço: uma análise pragmática da violência linguística. 2017. 200f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.

TRÓI, M. de. Linn da Quebrada: Ficou insustentável fingir que nós não existimos. Revista Cult [Entrevista], 8 ago. 2017. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/entrevista-linn-da-quebrada. Acesso em: 26 set. 2018.

TRUJILLO, G. Pensar desde otro lugar, pensar lo impensable: hacia una pedagogía queer. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1527-1540, dez., 2015.

UOL. Revista Cult. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home Acesso em 22 set. 2018.

Downloads

Publicado

2019-08-01

Edição

Seção

Artigo