Didática da língua e linguística aplicada: Duas perspectivas de construção de objetos de ensino

Marcos Bispo Santos

Resumo


Neste texto, apresenta-se uma análise da forma como se dá a construção de objetos de ensino pela linguística aplicada, tendo o ensino de gramática como recorte temático. O objetivo é  identificar se seu modo de proceder se coaduna com os princípios teórico-metodológicos das didáticas geral e da língua. Distinguem-se duas concepções da linguística como ciência aplicada: uma linguística aplicada lato sensu, voltada para a aplicação das teorias linguísticas ao ensino de língua, e outra, stricto sensu, que se volta para o estudo de problemas que envolvem o uso da linguagem em contextos reais. Inicialmente, apresentam-se os fundamentos da didática geral,  aos quais a didática da língua, como disciplina específica, deve estar conectada. Em seguida, analisam-se propostas da linguística aplicada lato sensu para uma abordagem descritivista da gramática na educação básica, destacando-se os paradoxos que as atravessam. Concluiu-se que a linguística aplicada lato sensu ignora a didática como ciência da prática de ensinar, em favor do aplicacionismo, ou seja, a transferência dos saberes científicos ao contexto escolar e à formação de professores.


Palavras-chave


Didática do português; Linguística aplicada; Ensino de gramática

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


ALTET, M. Análise das práticas dos professores e das situações pedagógicas. Trad. Júlia Ferreira; José Cláudio. Porto, Portugal: Editora do Porto, 2000.

ALTET, M. As competências do professor profissional: entre conhecimentos, esquemas de ação e adaptação, saber analisar. In: PAQUAY, L.; PERRENOUD, P.; ALTET, M. CHARLIER, E. (Org.). Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? 2. ed. Trad. Fátima Murad; Eunice Gruman. Porto Alegre: Artmed, 2001, p. 23-35.

ANTUNES, I. Muito além da gramática: por um ensino de língua sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ANTUNES, I. Gramática contextualizada: limpando o pó das ideias simples. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BAGNO, M. Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo: Parábola Editorial, 2001.

BAGNO, M. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BAGNO, M. Gramática pra que te quero? Os conhecimentos linguísticos nos livros didáticos de português. Curitiba: Aymará, 2010.

BAGNO, M. Por que estudar uma gramática brasileira? In: CASSEB-GALVÃO, V.; NEVES, M. H. M. O todo da língua: teoria e prática do ensino de português. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.

BASTIDE, R. Antropologia Aplicada. E. Ed. Trad. Maria Lúcia Pereira e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BORTONI-RICARDO, S. M. et al. Porque a escola não ensina gramática assim? São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

BOUDON, R. A sociologia como ciência. Trad. Francisco Morás. Petrópolis: Vozes, 2015.

BRONCKART, J-P.; DOLZ, J. A noção de competência: qual é sua pertinência para o estudo da aprendizagem das ações de linguagem. In: DOLZ, J.; OLLAGNIER, E. (Org.). O enigma da competência em educação. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 29-46.

BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (Org.). Múltiplas linguagens para o ensino médio. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

BUNZEN, C.; MENDONÇA, M. (Org.). Português no ensino médio e formação do professor. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. 6. Ed. Trad. Maria Thereza R. de C. Barrocas. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

CASTILHO, A.; ELIAS, V. M. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CAVALCANTI, M. C.; SIGNORINI, I. (Org.). Linguística aplicada e transdisciplinaridade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

CHEVALLARD, Y. La transposition didactique. La Penseé Sauvage Editions, 1985.

CHOMSKY, N. Regras e representações: a inteligência humana e seu produto. Trad. Marilda Winkler Avergbug et al. São Paulo: Zahar, 1981.

COHEN, E. G.; LOTAN, R. A. Planejando o trabalho em grupo: estratégias para salas de aula heterogêneas. Trad. Luís Fernando Marques Dorvillé et al. 3. Ed. Porto Alegre: Penso, 2017.

COLL, C.; POZO, J. I.; SARABIA, B.; VALLS, E. Os conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de conceitos, procedimentos e atitudes. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 2000.

COMENIUS. Didática magna. Trad. Ivone Castilho Benedetti. 3. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CORACINI, M. J.; BERTOLDO, E. S. (Org.). O desejo da teoria e a contingência da prática: discursos sobre e na sala de aula. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2003.

DOLZ, J.; OLLAGNIER, E. O enigma da competência em educação. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2004.

DOLZ, J. As atividades e os exercícios de língua: uma reflexão sobre a engenharia didática. D.E.L.T.A, v. 32, n. 1, p. 237-260, 2016.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

GARCÍA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Trad. Isabel Narciso. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999.

GIMENO SACRISTÁN, J.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Trad.: Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

GIMENO SACRISTÁN, J. et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011.

GIMENO SACRISTÁN, J. Dez teses sobre a aparente utilidade das competências em educação. In: GIMENO SACRISTÁN, J. et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 13-63.

HADJI. Ch. Avaliação desmistificada. Trad. Patrícia C. Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HARTMAN, H. J. Como ser um professor em todas as áreas do conhecimento. Trad. Alexandre Salvaterra, Porto Alegre: AMGH Editora, 2015.

KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI. M. C. (Org.) Linguística aplicada: suas faces e interfaces. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Trad. Marcos Bagno et al. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem: componente do ato pedagógico. São Paulo: Cortez, 2011.

MARTINS, M. A.; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M.A. (Org.). Ensino de português e sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

MATTOS E SILVA, R. V. Que gramática ensinar, quando e por quê? In: ______. O português são dois. Parábola Editorial, 2004, p. 79.

MATTOS E SILVA, R. V. Contradições no ensino de português: a língua que se fala x a língua que se ensina. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2005.

MÉNDEZ, J. M. A. Avaliar a aprendizagem em um ensino centrado nas competências. In: GIMENO SACRISTÁN, J. et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 233-264.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de linguística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino-aprendizagem de línguas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

PAQUAY, L.; PERRENOUD, P.; ALTET, M. CHARLIER, E. (Org.) Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? 2. ed. Trad. Fátima Murad; Eunice Gruman. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PAQUAY, L.; VAN NIEUWENHOVEN, C.; WOUTERS, P. (Org.) A avaliação como ferramenta de desenvolvimento profissional de educadores. Trad. Fátima Murad. Porto Alegre: Penso, 2012.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. Os processos de ensino-aprendizagem: análise didática das principais teorias da aprendizagem. In: GIMENO SACRISTÁN, J.; GÓMEZ, A. I. P. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Trad.: Ernani F. da Fonseca Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998, p. 27-52.

PÉREZ GÓMEZ, A. I. Competências ou pensamento prático? A construção dos significados de representação e de ação. In: GIMENO SACRISTÁN, J. et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 64-114.

PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

PERRAUDEAU, M. Estratégias de aprendizagem: como acompanhar os alunos na aquisição dos saberes. Porto Alegre: Artmed: 2009.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PERRENOUD, P. Pedagogia diferenciada: das intenções à ação. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

PERRENOUD, P. A pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. 2. ed. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PERRENOUD, P. Desenvolver competências ou ensinar saberes? A escola que prepara para a vida. Trad. Laura Solange Pereira. Porto Alegre: Penso, 2013.

PETITJEAN, A. Importância e limites da noção de transposição didática. Fórum Linguistico. v. 5, n. 2, p. 83-116, Florianópolis, 2008.

POZO, J. I. Aprendizes e mestres: a nova cultura da aprendizagem. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RODRÍGUEZ, J. B. M. A cidadania se torna competências: avanços e retrocessos. In: GIMENO SACRISTÁN, J. et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 115-160.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ROJO, R.; MOURA, E. (Org.) Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SANTOS, M. B. A interdisciplinaridade na formação do professor de língua portuguesa. In: SOARES, S. R.; LIEGE, S. F.; MACHADO, A. L. Desenvolvendo competências na universidade: perspectivas e práticas inovadoras na formação de profissionais. Salvador: EDUNEB, 2017.

SANTOMÉ, J. T. Evitando o debate sobre a cultura no sistema educacional: como ser competente sem conhecimento. In: GIMENO SACRISTÁN, J. et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 161-197.

SAUSSURE, F. Curso de linguística geral. 26. Ed. Trad. Antônio Chellini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 2004.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9. Ed. Trad. João Batista Kreuch. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 13. Ed. São Paulo: Cortez, 2009.

VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (Org.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.

VIANIN, P. Estratégias de ajuda a alunos com dificuldades de aprendizagem. Trad. Fátima Murad. Porto Alegre: Penso, 2013.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

WEINSTEIN, C. S.; NOVODVORSKY, I. Gestão da sala de aula: lições da pesquisa e da prática para trabalhar com adolescentes. 4. Ed. Trad. Luís Fernando Marques Dorvillé. Porto Alegre: AMGH, 2015.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Trad. Ernani F da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZABALA, A. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Trad. Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2002.

ZABALA, A.; ARNAU, L. Como aprender e ensinar competências. Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ZABALA, A.; ARNAU, L. O objetivo da educação por competências é o pleno desenvolvimento da pessoa. In: ZABALA, A. et al. Didática geral. Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Penso, 2016, p. 1-24.

ZILLES, A. M. S.; FARACO, C. A. (Org.). Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2019v16n4p4229

Direitos autorais 2020 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil