Medo e apoio ao autoritarismo na contemporaneidade

Ana Carolina Morais Colombaroli

Resumo


O presente trabalho busca empreender uma reflexão acerca do medo, enquanto afeto político central, que constrói os laços sociais, tanto do ponto de vista das relações interpessoais quanto do ponto de vista mais amplo das relações políticas, discutindo as facetas da insegurança na contemporaneidade, a apropriação do discurso e das práticas de medo e insegurança pelo Estado neoliberal e pelo Capital, e a relação estabelecida entre o medo e a adesão a posições e proposições políticas conservadoras e autoritárias. Para tanto, parte-se de uma perspectiva da Teoria Crítica, considerando a maneira como a vida social e a experiência política mobilizam os afetos, com atenção especial voltada ao medo na contemporaneidade, conjugada com a utilização de pesquisas empíricas já realizadas que corroboram, direta ou indiretamente, a relação entre o medo e o apoio ao autoritarismo.


Palavras-chave


Medo; Teoria crítica; Afeto político; Autoritarismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADORNO, Theodor W. De la relación entre sociología y psicología. In: ADORNO, Theodor W. Actualidad de la filosofía. Barcelona, Paidós, 1991, pp. 135-204.

ADORNO, Theodor W. Freudian theory and the pattern of fascist propaganda. In:

ADORNO, Theodor W. Gesammelte Schriften, 8.II. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1972. p. 408-

ADORNO, Theodor W. Studies in the Authoritarian Personality. In: ADORNO, Theodor W. Gesammelte Schriften, 9 .II. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1975. p. 144-508.

AGUIAR, Cristiane Lamin Souza. Medo e descrença nas instituições de lei e ordem: uma análise da imprensa escrita e das sondagens de opinião. (Dissertação – Mestrado em Sociologia) Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. 2005.

ARANTES, Paulo E. Extinção. São Paulo: Boitempo, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BERNAL, Anastasio Ovejero. El autoritarismo: enfoque psicológico. El Basilisco: Revista de materialismo filosófico, n. 13, p. 40-44, 1981.

BOKANY, Vilma (coord.). Pesquisa de opinião pública: segurança pública. Janeiro de 2015. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Fundação Rosa Luxemburgo, 2015. Disponível em: http://novo.fpabramo.org.br/media/18748

CASTEL, Robert. A insegurança social: o que é ser protegido? Tradução de Lucia M. Endlich Orth. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

CORPORACIÓN Latinobarómetro. Informe 2017. Buenos Aires: Latinobarômetro, 2017. Disponível em: http://www.latinobarometro.org/LATDocs/F00006433-InfLatinobarometro2017.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.

CROCHIK, José Leon. T.W. Adorno e a psicologia social. Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 297-305, ago. 2008.

FÓRUM Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2015. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2015. Disponível em: http://www.forumseguranca.org.br/produtos/anuario-brasileiro-de-seguranca-publica/9o-anuario-brasileiro-de-seguranca-publica. Acesso em: 1 out. 2015.

HOBBES, Thomas. Leviatã. Trad. João Paulo Monteiro, Maria Beatriz Nizza da Silva, Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LIMA, Renato Sérgio de et. al. Medo da violência e o apoio ao autoritarismo no Brasil: índice de propensão ao apoio a posições autoritárias. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2017.

PEW Research Center: Globally, Broad Support for Representative and Direct Democracy. out. 2017. Disponível em: http://www.pewglobal.org/2017/10/16/globally-broad-support-for-representative-and-direct-democracy/. Acesso em: 10 jul. 2018.

RANCIÈRE, Jacques. O princípio de insegurança. Folha de São Paulo, 21 de setembro de 2003, caderno Mais!, p. 3. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2109200303.htm. Acesso em: 05 jul. 2018.

RODRIGUES, Silvia Viana. Rituais de sofrimento. São Paulo: [s.n], 2011. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

ROCCATO, Michele; CONVERSO, Daniela. Cómo y porqué es necesario volver a estudiar el autoritarismo. Psicología Política, v. 13, p. 63-79, 1996.

SAFATLE, Vladimir. Entrevista: O medo se transformou em elemento da gestão social. Gaúcha ZH. Publicada em: 14 nov. 2015. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/porto-alegre/noticia/2015/11/vladimir-safatle-o-medo-se-transformou-em-elemento-da-gestao-social-4902621.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

SAFATLE, Vladimir. O círculo dos afetos: corpos políticos, desamparo e fim do indivíduo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SILVA, Pedro Fernando. Psicologia Social de Adorno: resistência à violência do mundo administrado. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 27, n. 1, p. 35-46, Abr. 2015 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822015000100035&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 06 jul. 2018.

THE ECONOMIST Intelligence Unit. Democracy Index 2017: Free speech under attack. Londres: The Economist, 2018. Disponível em: http://pages.eiu.com/rs/753-RIQ-438/images/Democracy_Index_2017.pdf. Acesso em: 10 jul. 2018.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2020.e61236

Direitos autorais 2020 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.