“Trezentas mil implicações”: possibilidades familiares em uma pesquisa sobre conjugalidade

Rafael Reis Luz

Resumo


Este artigo consiste em um recorte de minha pesquisa de Mestrado, na qual investiguei a experiência da conjugalidade homossexual a partir de entrevistas com quatro casais, tendo como referenciais teóricos os estudos queer. No presente texto, parto de recentes contribuições sobre parentesco de Marilyn Strathern (2005/2015), especialmente suas discussões sobre parentalidade e demais relações familiares, para apresentar as narrativas de um dos casais de mulheres entrevistadas e pensar os (des)encontros entre certa ordem familiar instituída e novos arranjos familiares. Dentre as muitas expectativas, planos e dilemas, observamos que, no tocante à geração de filhos, são temidos os questionamentos da família de origem quanto à identificação e inclusão do genitor na rede familiar, à orientação sexual das mães etc. O discurso do casal aponta para uma complexa trama que envolve variadas possibilidades de arranjos parentais e familiares, sexualidades e afetos. Não obstante, o casal de mulheres entrevistadas parece operar sob uma reiteração subversiva: as possibilidades são discutidas e negociadas tendo a família de origem como referência legitimadora, como instituição que se autoriza a indagar seus vínculos, afetos e desejos. Nesse sentido, o casal analisado apropria-se de determinadas referências familiares porque estas dizem respeito às histórias individuais, ao mesmo tempo em que as negociam, reformulam-nas, submetem-nas às reavaliações que fazem em seu projeto de uma vida a dois ‘alternativa’.


Palavras-chave


Conjugalidade; Parentalidade; Reprodução Assistida; Família; Homossexualidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981;

BAUMAN, Z. O mal estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998;

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015;

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Provimento nº 52, de 14 de março de 2016. Dispõe sobre o registro de nascimento e emissão da respectiva certidão dos filhos havidos por reprodução assistida;

CORRÊA, M. C. D. V. As novas tecnologias reprodutivas: uma revolução a ser assimilada. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 7, n. 1, pp. 69-98, 1997;

COSTA, J. F. Ordem médica e norma familiar. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989;

DONZELOT, J. A polícia das famílias. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986;

GIDDENS, A. A transformação da intimidade: sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993;

FERNANDES, C. A. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Claraluz, 2008;

FONSECA, C. Quando cada caso NÃO é um caso: Pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 10, pp. 58-78, 1999;

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999. Coleção Tópicos;

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: A vontade de saber. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 1994;

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987;

HEILBORN, M. L. Dois é par: Gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro: Garamond, 2004;

LOPES, M. “Homens como outros quaisquer”: Subjetividade e homoconjugalidade masculina no Brasil e na Argentina. 2010. 339 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade de Brasília (UnB), Brasília, 2010;

MELLO, L. Novas famílias: Conjugalidade homossexual no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Garamond, 2005;

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 6. ed. Campinas: Pontes Editores, 2012;

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009;

RAMÍREZ-GÁLVEZ, M. Razões técnicas e efeitos simbólicos da incorporação do “progresso tecnocientífico”: reprodução assistida e reprodução de crianças. Revista Sociedade e Estado, v. 26, n. 3, pp. 565-585, 2011;

RAMÍREZ-GÁLVEZ, M. Corpos fragmentados e domesticados na reprodução assistida. Cadernos Pagu, n. 33, pp. 83-115, 2009;

SARTI, C. A. Contribuições da antropologia para o estudo da família. Psicologia USP, v. 3, n. 1/2, pp. 69-76, 1992;

STRATHERN, M. Parentesco, direito e o inesperado: parentes são sempre uma surpresa. 1. ed. São Paulo: Editora Unifesp, 2015;

WARNER, M. Introduction: Fear of a Queer Planet. Social Text, n. 29, pp. 3-17, 1991.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-1384.2017v14n1p152

Direitos autorais 2017 Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis



R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, eISSN 1807-1384

 

Licença Creative CommonsConteúdos do periódico licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.