Sentidos de masculinidades dissidentes através do uso do emoji de berinjela no Grindr

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-1384.2021.e73385

Palavras-chave:

Sexualidade, (Cis)heteronormatividade, Grindr, Emoji

Resumo

Recorte de pesquisa de mestrado em andamento, este trabalho investiga os sentidos de masculinidades dissidentes produzidos por sujeitos gays que utilizam o Grindr, aplicativo de namoro/“pegação” voltado para homens que buscam se envolver sexualmente e/ou afetivamente com outros homens. O foco deste texto é discutir como o emoji de berinjela presente nos perfis do Grindr atuam na constituição das masculinidades dissidentes. Para isso, a pesquisa dialoga principalmente com os conceitos de masculinidade, gênero e sexualidade a partir de uma perspectiva pós-estruturalista. O estudo vem sendo desenvolvido com base na análise de perfis e interações com homens no Grindr, bem como por meio de conversas online realizadas no WhatsApp. A conversa online como procedimento metodológico em diálogo com os estudos com os cotidianos reconhece os sujeitos participantes da pesquisa como coautores das reflexões tecidas durante o trabalho de campo. Dito isso, argumentamos que a conversa online favorece a constituição de uma relação eu-outro dentro de uma dimensão dialógica e de alteridade com os sujeitos. Embora os participantes da pesquisa vivenciem experiências sexuais dissidentes, o estudo vem apontando que esses usuários do Grindr também colocam em funcionamento e manutenção normas regulatórias de gênero/sexo para (des)valorizar determinadas masculinidades.

Biografia do Autor

Ruann Moutinho Ruani, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, RJ

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF). Membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).

Dilton Ribeiro Couto Junior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense, Rio de Janeiro, RJ

Doutor pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Pós-doutorando (bolsista PNPD/CAPES) no Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Baixada Fluminense (UERJ/FEBF) e membro do Núcleo de Estudos Diferenças, Educação, Gênero e Sexualidades (NUDES).

Leandro Teofilo de Brito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

Doutor pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Pós-doutorando no ProPEd/UERJ e membro do Grupo de Estudos Diferença e Desigualdade na Educação Escolar da Juventude (DDEEJ).

Referências

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, 2011. Disponível em: https://bit.ly/1VWhF9m. Acesso em: 29 out. 2018.

BENTO, Berenice. Homem não tece a dor: queixas e perplexidades masculinas. Natal: EDUFRN, 2015.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Tradução de Maria Helena Kuhner. 3. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2016.

BRITO, Leandro Teofilo de; COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro. Performatizações dissidentes na escola: masculinidades precárias em discussão. Periódicus, Salvador, v. 1, n. 11, p. 284-302, maio/out. 2019. Disponível em: https://bit.ly/2O8Pdn6. Acesso em: 29 jan. 2020.

BRITO, Leandro Teofilo de, LEITE, Miriam Soares. Sobre masculinidades na Educação Física escolar: questões teóricas, horizontes políticos. Revista Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 12, n. 2, p. 481-500, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3b5Eraw. Acesso em: 11 abr. 2020.

BRITO, Leandro Teofilo de; PONTES, Vanessa Silva. Sentidos da masculinidade em Praia do Futuro: performatizações em cena. Textura, Canoas, v. 22, p. 22-40, 2020. Disponível em: https://bit.ly/2y3eFFn. Acesso em: 11 abr. 2020.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 18. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução de R. Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

COPPETTI, Ligia. Formação de identidades como resultado da interação virtual. In: Semana de Letras PUCRS - Edipucrs: 9., 2009, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: PUCRS, 2009. p. 145-156. Disponível em: https://bit.ly/2XAESWL. Acesso em: 9 abr. 2020.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; FERREIRA, Helenice Mirabelli Cassino; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. Compartilhando experiências sobre o “armário”: as conversas online como procedimento metodológico da pesquisa histórico-cultural na cibercultura. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju, v. 6, n. 1, p. 23-34, out. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2zRX7KV. Acesso em: 26 out. 2017.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; POCAHY, Fernando; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. Crianças e infâncias (im)possíveis na escola: dissidências em debate. Periódicus, Salvador, v. 1, n. 9, p. 55-74, maio/out. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2P5JGw6. Acesso em: 2 out. 2018.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; OSWALD, Maria Luiza Magalhães Bastos. “Fico sem nada de interessante pra postar qnd estou recatada!”: a relação entre o espaço eletrônico e o espaço físico em conversas mantidas entre jovens no Facebook. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa (Orgs.). Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar. Paraíba: EDUEPB, 2014, p. 167-184. Disponível em: https://bit.ly/2wcJuWP. Acesso em: 6 abr. 2019.

FERRAÇO, Carlos Eduardo; ALVES, Nilda. Conversas em redes e pesquisas com os cotidianos: a força das multiplicidades, acasos, encontros, experiências e amizades. In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 41-64.

FORTH, Christopher E. Masculinidades e virilidades no mundo anglófono. In: CORBIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges. História da Virilidade 3. A virilidade em crise? Séculos XX-XXI. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 154-186.

FOUCAULT, Michael. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 21. ed. São Paulo: Loyola, 2011.

GADELHA, Kaciano Barbosa. Para além da “pegação”: performatividade e espacialidade na produção de materialidades sexuais online. Áskesis, São Carlos, v. 4, n. 1, p. 56-73, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3eaNSaK. Acesso em: 11 abr. 2020.

GARCIA, Rafael Marques; BRITO, Leandro Teofilo de. Performatizações queer na Educação Física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 24, p. 1.321-1.334, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2RvFd9j. Acesso em: 11 abr. 2020.

GIFFIN, Karen. A inserção dos homens nos estudos de gênero: contribuições de um sujeito histórico. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n.1, p. 47-57, 2005. Disponível em: https://bit.ly/2JWsloj. Acesso em: 11 abr. 2020.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LIMA, Aline Soares. Da cultura da mídia à cibercultura: as representações do eu nas tramas do ciberespaço. In: III Encontro de pesquisa em comunicação e cidadania, 2009. Anais… Goiânia: Mestrado em Comunicação da UFG; Núcleo de Pesquisa em Comunicação e Cidadania – PUC/GO, 2009, p. 1-12.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 809-840, 2008. Disponível em: https://bit.ly/2xZNRpE. Acesso em: 9 abr. 2020.

MEYER, Dagmar Estermann. Abordagens pós-estruturalistas de pesquisa na interface educação, saúde e gênero: perspectiva metodológica. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. 2. ed. Belo Horizonte: Mazza, 2014, p. 49-63.

MISKOLCI, Richard. San Francisco e a nova economia do desejo. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 91, p. 269-295, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2VmiFZs. Acesso em: 8 abr. 2020.

NOLASCO-SILVA, Leonardo. “Os olhos tristes da fita rodando no gravador”: as tecnologias educacionais como artesanias docentesdiscentes. 2018. 205 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

PARKER, Richard. Cultura, economia política e construção social da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 89-109.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 Edições, 2014.

PRECIADO, Paul Beatriz. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011. Disponível em: https://bit.ly/2HVDQNy. Acesso em: 12 abr. 2019.

PRETTO, Nelson De Luca. Professores universitários em rede: um jeito hacker de ser. Motrivivência, Florianópolis, ano XXII, n. 34, p. 156-169, jun. 2010. Disponível em: https://bit.ly/2G7uf31. Acesso em: 12 abr. 2019.

RÜDIGER, Francisco. Elementos para a crítica da cibercultura: sujeito, objeto e interação na era das novas tecnologias de comunicação. São Paulo: Hacker, 2002.

SAMPAIO, Carmen Sanches; RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de. Conversa como metodologia de pesquisa: uma metodologia menor? In: RIBEIRO, Tiago; SOUZA, Rafael de; SAMPAIO, Carmen Sanches (Orgs.). Conversa como metodologia de pesquisa: por que não? Rio de Janeiro: Ayvu, 2018, p. 21-40.

SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS, Edméa. Educação online para além da EAD: um fenômeno da cibercultura. In: SILVA, Marco; PESCE, Lucila; ZUIN, Antonio (Orgs.). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak, 2010, p. 29-48.

SEFFNER, Fernando. Derivas da masculinidade: representação, identidade e diferença no âmbito da masculinidade bissexual. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SILVA JUNIOR, Paulo Melgaço; BRITO Leandro Teofilo de. Entre nudes, acontecimentos e performatizações: normatizações/deslocamentos de gênero e sexualidade no cotidiano escolar. Interfaces Científicas – Educação, Aracaju , v. 8, n. 2, p. 175-188, mar. 2020. Disponível em: https://bit.ly/2XkeHTT. Acesso em: 8 abr. 2020.

SILVA, Weslei Lopes da. Representações e vivências do corpo feminino em interações sexuais pagas no ciberespaço. In: Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais - Anpocs: 36., 2012, Águas de Lindoia. Anais... São Paulo: Anpocs, 2012. p. 01-30. Disponível em: https://bit.ly/2yHKPqa. Acesso em: 9 abr. 2020.

SPARGO, Tamsin. Foucault e a teoria queer, seguido de Ágape e êxtase: orientações pós-seculares. Tradução de Heci Regina Candiani. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

ZAGO, Luiz Felipe. “Armários de vidro” e “corpos-sem-cabeça” na biossociabilidade gay online. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 17, n. 45, p. 419-431, jun. 2013. Disponível em: https://bit.ly/39WgdOH. Acesso em: 9 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-24

Edição

Seção

Artigo Eixo Temático: (Re)discutindo sexualidade: corpo, prazer e desejo em tempos conservadores