A vinculação afetiva do sujeito diaspórico:

do rádio de antena ao expandido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2020v17n2p77

Palavras-chave:

rádio, afeto, imigrante.

Resumo

O rádio, que tem se transformado com novos dispositivos tecnológicos, é analisado como um lugar de afeto para o imigrante que busca na escuta uma forma de (re)construir o seu cotidiano. Este artigo, de caráter teórico, mostra como o radiojornalismo é fundamental nesse processo de reforço e ressignificação de códigos culturais expressos por meio do afeto, servindo até mesmo como um modo de acolher o sujeito diaspórico. Entre os operadores utilizados para a fundamentação teórica, destacamos algumas pesquisas do grupo de Rádio e Mídia Sonora da Intercom, princípios dos estudos culturais relacionados ao sujeito diaspórico e os conceitos da sociologia sobre pertencimento e afetos. Compreendemos que o rádio, inclusive o radiojornalismo, pode oferecer diferentes modos de ouvir e opções interativas para o ouvinte que deseja sentir-se parte do mundo. 

Biografia do Autor

Claudia Irene de Quadros, Universidade Federal do Paraná- Programa de Pós-graduação em Comunicação e Linguagens

Professora do PPGCOM-UFPR. Pós-doutora em Jornalismo pela UPF - Universidade Pompeu Fabra (Barcelona, Espanha) e doutorado em Comunicação (La Laguna, Espanha). É jornalista  e relações públicas formada pela UFPR. Integra o Grupo de Pesquisa COM XXI e o Grupo de Rádio e Mídia Sonora do Intercom. Orcid: http://orcid. org/0000-0003-1322-8971. E-mail: clauquadros@gmail.com.

Barbara Maia, Doutoranda em comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Doutoranda em comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em comunicação pela Universidade Federal do Paraná. Bolsista Faperj. Orcid: https://orcid.org/0000-0002-2461-5072. 

 

Manoella Fortes Fiebig, Doutoranda em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná.

Doutoranda em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná. Mestre em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná. Integra o Grupo de Pesquisa COM XXI. Bolsista Capes. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-0073-8622. 

Referências

BERTOLD, B. Teoria do Rádio (1927-1932). In: MEDITSCH, Eduardo. Teorias do Rádio: textos e contextos, v.1, Florianópolis, 2005, p. 35-45.

BESPALHOK, F. L. B. As interações do rádio expandido: as experiências das emissoras curitibanas Massa FM, Caiobá FM e 98 FM. Tese (Doutorado em Comunicação e Linguagens) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2015.

BRAH, A. Cartografías de la diáspora: Identidades en cuestión. Madrid: Traficantes de Sueños, 2011.

CERTEAU, M, de; GIARD, L.; MAYOL, P. A invenção do cotidiano: 2. morar, cozinhar. Petrópolis/RJ, Vozes, 1996.

ELHAJJI, M.; MALERBA, J. Dos usos comunitários da webradiofonia no contexto migratório transnacional. REMHU - Rev. Interdiscip. Mobil. Hum., Brasília, Ano XXIV, n. 46, p. 109-127, jan./abr. 2016.

Folha de S. Paulo. Versão original de diário de Anne Frank ganha publicação inédita. São Paulo, FSP, 12 de maio de 2019. Disponível em https://bit.ly/2PougG0. Acesso em: 23 out. 2019.

FRANK, A. Diario Ana Frank. Tradução de Diego J. Puls. Barcelona: P&J, 1996.

GADRET, D. L. A emoção na reportagem de televisão: as qualidades estéticas e a organização do enquadramento. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

GIULIANI, M. V. O lugar do apego nas relações pessoas-ambiente. In: TASSARA, E. T.; RABINOVICH, E. P.; GUEDES, M. C. (Ed.). Psicologia e ambiente. São Paulo: Educ, 2004. p. 89-106.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro, 2006.

HALL, S. Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2018.

HENDRICKS, J.; MIMS, B. The Radio Station: Broadcasting, Podcasting, and Streaming. New York. Tenth Edition: by Routledge, 2018.

KASEKER, M. P. O que escutar quer dizer: a constituição do ouvinte de rádio no cotidiano familiar. Tese (Doutorado em Sociologia) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

KISCHINHEVSKY, M. Rádio Social: mapeando novas práticas interacionais sonoras. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 410-437, maio/ago. 2012.

KISCHINHEVSKY, M. Rádio e mídias sociais: mediações e interações radiofônicas em plataformas digitais de comunicação. 1. ed. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

KISCHINHEVSKY, M.; LOPEZ, D. C. A emergência dos smart speakers e os desafios ao rádio no contexto do big data. In: 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2018, Joinville. Anais... 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo: Intercom, 2018. v. 1. p. 1-15.

LOPEZ, D. Radiojornalismo hipermidiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all news brasileiro em um contexto de convergência tecnológica. Tese (Doutorado em Comunicação e Culturas Contemporâneas) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009).

LOPEZ, D. Marcos tecnológicos do radiojornalismo no Brasil: uma revisão histórica. In: Luciano Klöckner; Nair Prata. (Org.). História da mídia sonora: experiências, memórias e afetos de norte a sul do Brasil. 1. ed.Porto Alegre: EDIPUCRS, 2009, v.1, p. 466-482.

LÓPEZ, J. P.; CUENCA, C. Radio Insurgente. Màster en Gestió Cultural, Facultat d'Humanitats, Universitat Internacional de Catalunya. 2019. Disponível em: https://bit.ly/2Ni86Tr. Acesso em: 26 out. 2019.

MEDITSCH, E. Sobre o tempo no rádio, no jornalismo e na academia. Revista Rádio-Leituras, Mariana-MG, v. 06, n. 01, pp. 217-231, jan./jun. 2015.

MENEZES, J. E. Cultura do ouvir: os vínculos sonoros na contemporaneidade. Líbero, São Paulo, ano XI, nº 21, p. 111-118, 2008.

MENEZES, J. E. Rádio e Cidade: vínculos sonoros. São Paulo: Annablume, 2007.

MJSP. Brasil registra mais de 700 mil migrantes entre 2010 e 2018. Notícias do MJSP, Brasília, 22 de agosto de 2018. Disponível em: https://bit.ly/39Xm0o7. Acesso em: 15 set. 2019.

NUSSBAUM, Martha. Upheavals of thought: the intelligence of emotions. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

ONU News: Número de migrantes internacionais no mundo chega a 272 milhões. Rio de Janeiro, 27 de novembro de 2019. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2019/11/1696031. Acesso em: 29 nov. 2019.

PRATA, N. Webradio: Novos gêneros, novas formas de interação. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

QUADROS, C. I; BESPALHOK, F. B.; BIANCHI, KASEKER, M. P. Perfis de ouvintes: perspectivas e desafios no panorama radiofônico. São Paulo, Matrizes, v. 11, n. 1, jan./abr., 2017, 189-2009.

QUADROS, C.; KASEKER, M. P. Rádio no Paraná: histórias para contar de um passado silencioso. V Congresso Nacional de História da Mídia, São Paulo, 31 maio a 02 de junho, 2007.

QUADROS, M.; LOPEZ, D. O rádio interativo e o ouvinte: um olhar sobre a evolução das tecnologias de participação e o desenvolvimento do meio no Brasil. Media & Jornalismo, Lisboa, ano 24, v. 13, n. 1, p. 39-50, 2014.

REZENDE, Claudia Barcellos e COELHO, Maria Cláudia. Antropologia das Emoções. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas. Série Sociedade e Cultura, 2010.

SALOMÃO, M. Jornalismo radiofônico e vinculação social. São Paulo: Annablume, 2003.

SAFATLE, V. O circuito dos afetos: corpos políticos, desemparo e o fim do indivíduo. São Paulo: Autêntica, 2016.

SILVA, G.F. A memória coletiva. Aedos, Porto Alegre, v. 8, n. 18, 2016, p. 247-253.

UOL. Há 272 milhões de imigrantes no mundo, aponta relatório da ONU. São Paulo, 17/09/2019. Disponível em: https://bit.ly/34anZC7. Acesso em: 21 out. de 2019.

TRAQUINA, N. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. Insular: Florianópolis, 2012.

ZANLORENSSI, G.; ALMEIDA. Em que países vivem os brasileiros no exterior, segundo o Itamaraty. Nexo. São Paulo, 16/02/2018. Disponível em: goo.gl/T2nPcz>. Acesso em: 15 set. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-18