A cobertura produzida pelo caderno de esporte da Folha de São Paulo acerca da participação da seleção brasileira de futebol feminino na copa do mundo em 2015

Autores

  • Bruno José Gabriel Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Miguel Archanjo de Freitas Júnior Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2018v30n54p177

Palavras-chave:

Futebol feminino, Jornalismo, Folha de são paulo, Gênero

Resumo

O objetivo deste artigo foi verificar e analisar a cobertura do caderno esportivo da Folha de São Paulo acerca da participação da seleção brasileira de futebol feminino na Copa do Mundo, sediada pelo Canadá, em 2015. Para tanto, optou-se pela utilização dos instrumentos metodológicos da Análise de Conteúdo, pois direcionam os pesquisadores na verificação analítica dos diversos tipos de discursos, dentre estes o jornalístico. Diante do tratamento dos resultados, concluiu-se que a cobertura do jornal foi caracterizada pela construção de realidades ausentes de disposições preconceituosas. Ao contrário, as suas abordagens preponderaram nas interfaces performativas da coletividade e da individualidade brasileiras.

Biografia do Autor

Bruno José Gabriel, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Doutorando em Ciências Sociais Aplicadas pela UEPG.

Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

 

Miguel Archanjo de Freitas Júnior, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Ponta Grossa, Paraná, Brasil

Referências

ALSINA, M. R. La construcción de la noticia. Buenos Aires: Paidós, 1989.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BORELLI, V. Cobertura midiática de acontecimentos esportivos: uma breve revisão de estudos. In: INTERCOM, 24., 2001, Campo Grande. Anais... Campo Grande: [s. n.], 2001. p. 1-15.

BOURDIEU, P. Algumas propriedades dos campos. In. ______. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983, p. 89-94.

______. A economia das trocas lingüísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Edusp, 1996.

BRASIL vence e segue sem tomar gol em estreias. Folha de S.Paulo, São Paulo, 10 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. B8.

COSENZO, L. Formiga, 37, lidera seleção contra a Espanha na Copa do Mundo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 13 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. B15.

COSTA, L. M. A trajetória da queda: as narrativas da derrota e os principais vilões da seleção brasileira em Copas do Mundo. 2008, 159 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

DAOLIO, J. A superstição no futebol brasileiro. In: ______. Futebol, cultura esociedade. Campinas: Autores Associados, 2005. p. 3-19.

FOLHA DE S.PAULO. Manual de Redação. São Paulo, Publifolha, 2013.

FREITAS JR., M. A. de.No meio do caminho: tensões presentes nas representações sobre ofutebol e o ideal de modernidade brasileira na década de 1950. 2009, 320 f. Tese(Doutorado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009.

______. Copa do Mundo de 1950: a cultura da desculpa como justificativa de umfracasso. In: ______.; CAPRARO, André Mendes. (Orgs.). Passe de letra: crônicaesportiva e sociedade brasileira. Ponta Grossa: Vila Velha, 2012. p. 118-147.

______.; GABRIEL, B. J. Quando o herói se torna humano: a visão do caderno de esportes da Folha de S.Paulo sobre o jogador Ronaldo na Copa do Mundo de 1998. Tempos Gerais, São João del-Rei, v. 3, n. 6, p. 47-66, jul./dez. 2014.

GABRIEL, B. J. A cobertura acerca da seleção brasileira de futebol feminino realizada pelocaderno de esporte da Folha de S.Paulo (1991-2011). 2015, 252 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais Aplicadas) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2015.

GASTALDO, É. L. “Os campeões do século”: nota sobre a definição da realidade no futebol espetáculo. Rev. Bras. Cien. Esporte, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 105-124, set. 2000.

______. Futebol, mídia e sociedade no Brasil: reflexões a partir de um jogo. Caderno IHU Idéias, São Leopoldo.v. 1, n. 10, p. 1-28. 2003.

______.; LEISTNER, R. “A mais gaúcha de todas as Copas”: identidades brasileiras e imprensa esportiva na Copa do Mundo. Interin, Curitiba, v. 2, n. 2, p. 1-16, jan./jul. 2006.

GIGLIO, Sérgio Settani. FUTEBOL: Mitos, ídolos e heróis. 2007, 160 f. Dissertação

(Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas,

GOLEIRA falha, e Brasil está fora da Copa. Folha de S.Paulo, São Paulo, 22 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. B2.

GUEDES, S. L. Subúrbio: celeiro de craque. In: DAMATTA, R. (Org.). Universo do futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. cap. 3. 59-74.

HELAL, R. Mídia, construção da derrota e o mito do herói. Motus Corporis, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 141-155, 1998.

______. “A construção de narrativas de idolatría no futebol brasileiro”. Revista Alceu, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, 2003.

KFOURI, J. Vexame afastado. Folha de S.Paulo, São Paulo, 17 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. B9.

MARTA pode igualar Klose na artilharia das Copas. Folha de S.Paulo, São Paulo, 17 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. B9.

MESMO com crise da Fifa, Copa do Mundo começa no Canadá. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. D11.

MORATO, M. P.; GIGLIO, S. S.; GOMES, M. S. P. A construção do ídolo no fenômeno futebol. Motriz, Rio Claro, v. 10, n. 1, p. 1-10, jan./mar. 2011.

MOURA, E. As relações entre lazer, futebol e gênero. 2003, 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

MOURÃO, L.; MOREL, M. As narrativas sobre o futebol feminino: o discurso da mídia impressa em campo. Rev. Bras. Ciên. Esporte, Campinas, v. 26, n. 2, p. 73-86, jan. 2005.

PONTES, F. S.; SILVA, G. Mídia noticiosa como material de pesquisa: recursos para o estudo de produtos jornalísticos. In: BOURGUGNON, J. A.; OLIVEIRA JUNIOR, C. R. de. (Orgs.). Pesquisa emciências sociais: interface, debates e metodologias. Ponta Grossa: Todapalavra, 2012. p. 29-77.

SANTOS, D. S. dos.; MEDEIROS, A. G. A. O Futebol feminino nodiscurso televisivo. Rev. Bras. Ciên. Esporte, Florianópolis, v. 34, n. 1, p. 185-196, jan./mar. 2012.

SELEÇÃO feminina vai às oitavas do Mundial. Folha de S.Paulo, São Paulo, 14 jun. 2015. Caderno de Esporte. p. B3.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação& Realidade, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo, porque as notícias são como são. 2 ed. Florianópolis: Insular, 2005.

Downloads

Publicado

2018-07-27