Mulheres de preto: trajetórias na arbitragem do futebol profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e72680

Palavras-chave:

Árbitra de futebol, Gênero, Futebol, Arbitragem

Resumo

O presente estudo  diz sobre o baixo número de árbitras que atuam no futebol brasileiro e as barreiras que estas enfrentam para se manterem apitando nos motivam a analisar as trajetórias de árbitras no futebol brasileiro, a fim de desvendar possíveis questões de gênero implicadas nesse campo. Utilizamos a história oral temática como metodologia e a entrevista com dez árbitras como instrumento de coleta dos dados. Os resultados apontam que elas tiveram diferentes vivências esportivas e iniciaram a carreira contando com o apoio da família e de outras mulheres referência. Atuando em competições nacionais e internacionais, as árbitras que iniciaram na arbitragem nas décadas de 1980 e 1990 foram pioneiras, rompendo barreiras e deixando como legado o campo de atuação mais acessível às suas sucessoras.  

Biografia do Autor

Igor Chagas Monteiro, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutorando em Educação Física
Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação Física e Desportos, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil

Mariana Cristina Borges Novais, Universidade Federal de Juiz de Fora

Mestra em Educação Física
Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação Física e Desportos, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil

João Paulo Fernandes Soares, Universidade Federal de Juiz de Fora- Campus Governador Valadares

Doutor em Educação Física
Universidade Federal de Juiz de Fora, Departamento de Educação Física, Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil

Ludmila Mourão, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Educação Física
Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Educação Física e Desportos, Juiz de Fora, Minas Gerais, Brasil

Referências

ANDRES, Suélen de Souza; GOELLNER, Silvana Vilodre. Trajetórias esportivas de jogadoras de handebol e suas narrativas sobre ser profissional da modalidade. Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 527-538, 2018.

BATISTA, Renata Silva; DEVIDE, Fabiano Pries. Mulheres, futebol e gênero: reflexões sobre a participação feminina numa área de reserva masculina. Revista EF Deportes, Buenos Aires, v. 14, n. 137, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

COSTA, Marco Antônio Ferreira da; COSTA, Maria de Fátima Barrozo da. Projeto de pesquisa: entenda e faça. Petrópolis: Vozes, 2012.

DAMO, Arlei Sander. As dramatizações do gênero numa configuração futebolística. Seminário Fazendo Gênero: Práticas corporais e esportivas. ST21. Anais [...] Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2006, p. 1-7.

FERNANDES, Vera. Mulheres de ouro: trajetória e representações de atletas de lutas. 2014. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014.

FERREIRA, Heidi Jancer. et al. A baixa representatividade de mulheres como técnicas esportivas no Brasil. Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 103-124, mar. 2013.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulher e Esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem história. Pensar a Prática, Goiânia, v. 8, n. 1, p. 85-100, 2006.

GOELLNER, Silvana Vilodre; SILVA, Paula; BOTELHO-GOMES, Paula. A sub-representação do futebol praticado por mulheres no jornalismo esportivo de Portugal: um estudo sobre a Algarve Women’s Football Cup. Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 171-189, jul./set. 2013.

KILTY, Katie. Women in coaching. The Sport Psychologist, Champaign, v. 20, n. 2, p. 222-234, 2006.

LIMA, Rita Matos Teixeira de. Iniciação desportiva de raparigas nos clubes de futebol: estudo da perspectiva de jovens jogadoras, da família e de treinadores. 2013. 197 f. Dissertação (Mestrado em Desporto para crianças e jovens) – Faculdade de Desporto, Universidade do Porto, Porto, 2013.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 2005.

MONTEIRO, Igor Chagas; SOARES, João Paulo Fernandes; MOURÃO, Ludmila. Saindo da “posição de impedimento”: as árbitras brasileiras no futebol profissional. XIX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte. Anais [...] Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo, 2015, p. 1-15.

NASCIMENTO, Aline Santos; NUNES, Mário Luiz Ferrari. A mulher árbitra de futsal: entre a norma e a resistência. Interseções, Rio de Janeiro, v. 16 n. 1, p. 197-216, jun. 2014.

NOVAIS, Mariana Cristina Borges. “À beira do gramado ou fora do jogo?”: as treinadoras do futebol de mulheres no Brasil. 2018. 194 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018.

REIS, Fábio Pinto Gonçalves dos; ARRUDA, Ivan Eduardo de Abreu. Mulher, futebol e arbitragem: um espaço de conquista, tensão e resistência. Revista EF Deportes, Buenos Aires, v. 16, n. 162, nov. 2011.

ROMERO, Luis Eduardo Medina. The rules can be broken. Nova Iorque: Astro Graphics Design, 1999.

SANTOS, Ineildes Calheiro dos. Escanteio: mulheres que trocam o rosa cultural pelo preto da tradição no campo da arbitragem em futebol. Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Anais [...] Salvador: Universidade do Estado da Bahia, 2013, p. 1-15.

SANTOS, Ineildes Calheiro dos; MESSEDER, Suely Aldir. A diferença do desempenho físico e esportivo entre homens e mulheres: um estudo sobre a inserção das mulheres no mundo da arbitragem do futebol brasileiro. In: SEFFNER, F.; CAETANO, M. (org.). Discurso, discursos e contra-discursos latino-americanos sobre a diversidade sexual. Campina Grande: Universidade Federal do Rio Grande, 2016, p. 501-515.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SILVA, Alberto Inácio da; RODRIGUEZ-AÑEZ, Ciro Romelio; FRÓMETA, Edgardo Romero. O árbitro de futebol: uma abordagem histórico-crítica. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 13, n. 1, p. 39-45, 1. sem. 2002.

SOUZA, Gabriela Conceição de; MOURÃO, Ludmila. Mulheres no tatame: o judô feminino no Brasil. Rio de Janeiro: MAUAD X: FAPERJ, 2011.

STAHLBERG, Lara Tejada. Mulheres em campo: novas reflexões acerca do feminino no futebol. 2011. 125 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2011.

TAVARES, Marcelo Luís Ribeiro Silva. Mulheres em Manchete: a potência da geração de voleibol dos anos 1980. 2015. 311 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física e Desportos, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015.

Downloads

Publicado

2020-08-23

Edição

Seção

Artigos Originais