Comitê paralímpico brasileiro: análise do ambiente, estratégia e estrutura organizacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8042.2020e73677

Palavras-chave:

Esportes para pessoas com deficiência, Organização e administração, Profissionalização

Resumo

O desenvolvimento do esporte paralímpico brasileiro, esportivo e administrativo, está concatenado com a evolução do Comitê Paralímpico Brasileiro. As transformações ocorridas na estrutura, ambiente e estratégia organizacionais ao longo da trajetória da entidade possibilitou à organização construir um ciclo virtuoso de estabilidade. Isto posto, este estudo tem o objetivo de caracterizar esse processo de estruturação organizacional do CPB. Para tanto, investigará como o mesmo está inserido no desporto paralímpico brasileiro, por meio da análise de três dimensões organizacionais do órgão:ambiente, estratégia, estrutura. Este trabalho consiste em um estudo de caso de natureza qualitativa de caráter exploratório e descritivo. De modo a triangular os dados obtidos por meio de entrevistas semi estruturadas, fez-se necessária uma revisão bibliográfica e documental. Por fim, os resultados obtidos apresentam que a estrutura organizacional atual do CPB é caracterizada com uma lógica de funcionamento profissional.

Biografia do Autor

Gustavo Moreira Pasini, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp Departamento de Atividade Física Adaptada

Mestrando no Departamento de Atividade Física Adaptada da Universidade Estadual de Campinas. Pós Graduado em Administração e Marketing pela Universidade Estácio de Sá (2013 a 2014). Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2006 a 2012). Experiência na área de Educação Física, com ênfase em Atividade Física Adaptada, atuando principalmente nos seguintes temas: esporte paralímpico, mídia e gestão esportiva.

Gustavo Luis Gutierrez, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp Departamento de Atividade Física Adaptada

Pós-Doutorado. 
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP, Brasil. 

Graduado em administração de empresas, mestre em ciências sociais (política) pela PUC de São Paulo, doutor em administração (Organizações e Recursos Humanos) pela FGV de São Paulo, livre docente em sociologia (UNESP) e professor titular do departamento de Atividade Física Adaptada da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Tem produzido principalmente nas áreas de gestão, metodologia de pesquisa, qualidade de vida e inclusão de grupos com necessidades especiais.

Edison Duarte, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp Departamento de Atividade Física Adaptada

Doutorado em Anatomia Humana.

Universidade de São Paulo, USP, Brasil.

Possui graduação em Fisioterapia pela P U C Campinas (1976), mestrado pela Universidade Estadual de Campinas (1984) e doutorado em Anatomia Humana pela Universidade de São Paulo (1988). Atualmente é professor titular no Departamento de Estudos de Atividade Física Adaptada na Fac. Ed. Física (FEF) da Universidade Estadual de Campinas. Na FEF- UNICAMP ocupou os cargos de: Coordenador de Graduação(1990-1994), Diretor da Faculdade (1994-1998), Chefe de Departamento (2003-2004) Coordenador do Programa de Pós -Graduação (2005-2006). É membro do Conselho Gestor da Academia Paralímpica Brasileira; Classificador funcional da modalidade Esgrima em Cadeira de Rodas pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e classificador senior pela International Wheelchair& Amputee Sports Federation. Foi Presidente do Conselho Estadual de Assistência Social do Estado de São Paulo(1995-1996). Sócio fundador e primeiro presidente da Sociedade Brasileira de Atividade Motora Adaptada - SOBAMA- 1994-1995.

Referências

ARAUJO, Paulo, Ferreira. Desporto adaptado no Brasil: Origem, Institucionalização e atualidade. 1998. 152 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação Física, Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

BARDIN, Laurance. Análise de conteúdo. 3ª. Lisboa: Edições, v. 70, 2004.

CARDOSO, Univaldo. Coelho. OSCIP: organização da sociedade civil de interesse público. Brasília: SEBRAE, 2014.

BRASIL. LEI 9.615/1998 (LEI ORDINÁRIA) 24/03/1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9615consol.htm. Acesso em: 15 Nov 2019.

BRASIL. LEI 10.264/2001 (LEI ORDINÁRIA) 16/07/2001. Disponível em: http://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/Viw_Identificacao/lei%2010.264-2001?OpenDocument. Acesso em: 15 Nov 2019.

BRASIL. LEI Nº 10.891, DE 09/06/2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.891.htm. Acesso em: 15 Nov 2019.

Comitê olímpico internacional 2019. Jogos olímpicos. Disponível em: https://www.olympic.org/rio-2016 acesso em: 06 Nov 2018.

Comitê paralímpico brasileiro 2019. Gestão Recursos: Estatuto social do CPB. Disponível em: http://gestaorecursos.cpb.org.br/outras.php acesso em: 07 Nov 2018.

Comitê paralímpico brasileiro 2019. Gestão Recursos: Planejamento estratégico 2017-2024. Disponível em: http://gestaorecursos.cpb.org.br/outras.php acesso em: 07 Nov 2018.

Comitê paralímpico brasileiro 2019. Gestão Recursos: Planejamento estratégico 2010-2016. Disponível em: http://gestaorecursos.cpb.org.br/outras.php acesso em: 07 Nov 2018.

Comitê paralímpico brasileiro 2019. Gestão Recursos: Plano de cargos e salários. Disponível em: http://gestaorecursos.cpb.org.br/outras.php acesso em: 07 Nov 2018.

Comitê paralímpico brasileiro 2019. Novo estatuto CPB 2017. Disponível em http://gestaorecursos.cpb.org.br/normativos.php acesso em: 14 Nov 2018.

Comitê paralímpico brasileiro. Modalidades CPB. Disponível em http://www.cpb.org.br/modalidades-visualizacao acesso em: 14 Nov 2018.

DUNCAN, Robert. Characteristics of organizational environments and perceived environmental uncertainty. Administrative science quarterly. 1972. Vol. 17, No. 3. p. 313-327. Sep, 1972.

FERRAREZI, Elisabete. Roseli. A Reforma do marco legal do Terceiro Setor no Brasil: a criação da Lei das Oscip ( Lei 9 . 790 / 99 ). Universidade de Brasília- UNB, 2007.

FIGUEIREDO, Diego. A profissionalização das organizações do futebol: um estudo de casos múltiplos sobre a estratégia, estrutura e ambiente dos clubes brasileiros. 2011. Dissertação de Mestrado. Faculdade Ciências Econômicas. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2011.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FRISHAMMAR, Johan. Organizational environment revisited: a conceptual review and integration. International studies of management & organization. 2006. vol. 36, n. 3, p. 22-49, 2006.

FURTADO, Sabrina. As ações, os projetos e o financiamento do comitê paralímpico brasileiro no período de 2010 e 2015. 2016. Dissertação de Mestrado. Setor de ciências biológicas. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2016.

MEZZANOTTI, Gabriela. A disciplina da empresa: reflexos da autonomia privada e da solidariedade social. Novo Hamburgo: FEVALLE, 2003.

GIL, Antonio, Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HOULIHAN, B.; ZHENG, J. The Olympics and Elite Sport Policy: Where WillIt All End? The International Journal of the History of Sport, v. 30, n. 4, p. 338–355, 2013.

MARQUES, David, Ruy; FLEURY, Andrade, Fernando. A estratégia de gestão do comitê paralímpico brasileiro: impacto nos resultados das missões brasileiras nos jogos paralímpicos de 1996 a 2012. XVI SEMEAD seminários em administração. [periódico na internet]. 2013. Disponível em http://sistema.semead.com.br/16semead/resultado/default.asp Acesso em: 28 Nov 2018.

MARQUES, Rodrigues, Francisco, Renato. O esporte paraolímpico no Brasil: abordagem da sociologia do esporte de Pierre Bourdieu. (2010). Tese de doutorado. Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

MARQUES, Rodrigues, Francisco, Renato et al. Esporte olímpico e paraolímpico: coincidências, divergências e especificidades numa perspectiva contemporânea. Revista brasileira educação física do esporte, Saulo Paulo, volume 23, número 4,p 365-377, Outubro/Dezembro, 2009.

MARQUES, Rodrigues, Francisco, Renato et al. Abordagem midiática sobre o esporte paralímpico: perspectivas de atletas brasileiros. Movimento, Porto Alegre, v. 20, p. 989-1015, 2014.

MARQUES, Rodrigues, Francisco, Renato et al.; GUTIERREZ, Gustavo. Luis. O Esporte Paralímpico no Brasil: profissionalismo, administração e classificação de atletas. 1 ed ed. São Paulo: Phorte, 2014.

MARQUES, Rodrigues, Francisco, Renato et al. Mídia e o movimento paralímpico no Brasil: relação sob o ponto de vista de dirigentes do Comitê Paralímpico Brasileiro. Revista brasileira de educação física e esporte. São Paulo. Vol. 27, número 4, p. 583 – 596. 2013.

MARQUES, Rodrigues, Francisco, Renato; MONTAGNER, Paulo, Cesar; GUTIERREZ, Luis, Gustavo. Novas configurações socioeconômicas do esporte contemporâneo. Revista da Educação Física, Maringá, Vol. 20, nº 4, p. 637-648, 2009.

MELLO, Marco, Túlio; WINCKLER, Ciro. Esporte paralímpico. Atheneu, 2012.

MINTZBERG, Henry. Patterns in strategy formation. Management science, 1978. vol. 24, n. 9 p. 934-948, 1978.

MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, Bruce; LAMPEL, Joseph. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MINTZBERG, Henry; WATERS, A, James. Of strategies, deliberate and emergent. Strategic management journal, 1985. vol. 6. p. 257-272. 1985.

MINTZBERG, Henry. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações.São Paulo: Atlas, 1995.

MIRANDA, Jacusiel, Tatiane. Comitê paralímpico brasileiro: 15 anos de história. 2011. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

PASINI, Moreira, Gustavo. O processo de desenvolvimento na trajetória do desporto paraolímpico brasileiro. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas. 2010.

REIS, Estevam, Rafael. Políticas públicas para o esporte paralímpico brasileiro. 2014. Dissertação de Mestrado. Setor Ciências Biológicas. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2014.

TRIVIÑOS, Augusto. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

TUNG, L, Rosalie. Dimensions of organizational environments: An exploratory study of their impact on organization structure. Academy of management journal, vol. 22, n.4, p. 672-693, 1979.

VERGARA, Constant, Sylvia. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VIOLIN, Tarso, Cabral. Terceiro setor e as parcerias com a Administração Pública: uma análise crítica. 2 ed. Belo Horizonte: Fórum, 2010.

WAGNER III, A, Jhon. Comportamento organizacional. São Paulo: Saraiva, 1999.

ZANELLI, Carlos, Jose; BORGES-ANDRADE, Eduardo, Jairo; BASTOS, Bittencourt, Virgílio, Antonio. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Downloads

Publicado

2020-10-01

Edição

Seção

Artigos Originais