Sobre o método ontológico-genético em Filosofia

Autores

  • Nicolas Tertulian

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-795X.2009v27n2p375

Palavras-chave:

Ontologia, G. Lukács, Método, Ontologie, Méthode, Ontology, Method

Resumo

O ponto de partida do autor é a constatação de que a posição de Lukács no cenário filosófico contemporâneo está longe de ser elucidada. Um pesado silêncio envolve desde há muito tempo suas duas obras de síntese: A Estética e A ontologia do ser social. Em contrapartida, trata-se agora de mostrar que Lukács foi o primeiro a empreender uma genealogia das múltiplas atividades da consciência e de suas objetivações (a economia, o direito, a política e suas instituições, a arte ou a filosofia)     a partir da tensão dialética entre subjetividade e objetividade. Ou seja, no pensamento final do filósofo húngaro há um método “ontológico-genético”, visto que ele se dedica a mostrar a estratificação progressiva das atividades do sujeito (por     exemplo, atividade utilitária, atividade hedonista e atividade estética), indicando as transições e as mediações, até circunscrever a especificidade de cada uma em função do papel que desempenha na fenomenologia da vida social.

Biografia do Autor

Nicolas Tertulian

P

Downloads

Publicado

2010-10-26