Alemanha perdida? Escolarização de crianças em colônias de imigrantes alemães no sul do Brasil

Ademir Valdir dos Santos

Resumo


Durante os séculos XIX e XX, a região sul do Brasil recebeu milhares de famílias de imigrantes alemães. Eles fundaram escolas comunitárias dentro das colônias que se tornaram uma marca de identidade étnica. Porém, nas primeiras décadas do século passado essas escolas foram alvo de campanhas nacionalistas que solicitaram seu fechamento ou uma transformação completa. Este estudo tem como objetivo resgatar e analisar memórias sobre a escola com base em entrevistas realizadas com representantes de três gerações de descendentes de imigrantes alemães. Quanto à metodologia mobilizada, os aspectos que descrevem sobre suas trajetórias de escolarização são analisados sob uma perspectiva etnológica embasada pelo teor dos depoimentos colhidos, por fontes documentais e na interlocução com outras pesquisas sobre as relações entre a educação e a imigração em terras brasileiras. Mostra-se que as crianças foram forçadas a aprender português e mudar seu comportamento, o que causou evasão e repetência. Resultou que a perpetuação de memórias positivas ou traumáticas da escolarização é usada para reforçar e reafi rmar afeição, consanguinidade e o pertencimento a uma herança cultural comum. Deste modo, as representações mentais dos habitantes perpetuam a ideia de fazer parte de uma Europa brasileira, ao lado da preservação social da “germanidade”.


Palavras-chave


Imigração; Criança; Escola primária

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2013v31n3p841



Direitos autorais 2014 Ademir Valdir dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.