A Base Nacional Comum Curricular e sexualidade: crítica e resistência

Mateus Testoni Carvalho

Resumo


O currículo da Educação Básica brasileira vem sendo (re)construído a partir da BNCC, uma tentativa de criação de um caminho comum para os conteúdos escolares que possui um caráter normativo e homogeneizador. Com a Base, a educação sexual, a orientação sexual e gênero foram retirados do currículo tendo em vista a onda conservadora que vem tomando conta do debate público brasileiro nos últimos anos, fazendo com que falar de sexualidade continuasse sendo polêmico. Com isso, exerce-se um poder coercitivo da vida, enquadrando um modelo tido como único e normalizado. Assim, fazemos uma contraposição da educação maior, essa do Estado, e a educação menor, que é a que ocorre no cotidiano de cada profissional da educação, como uma forma de resistência. É neste contexto que se aposta na Geografia, ciência capaz de promover um emponderamento das pessoas ao possibilitar compreender melhor o mundo para transformá-lo e, mais eficazmente, nele lutar.

Palavras-chave


Currículo; Temas Transversais; Sexualidade; Educação Menor.

Texto completo:

PDF/A

Referências


BRAGA, Andréa Vieira. Identidade sexual e cultura escolar: uma crítica à versão de sexualidade contida nos PCN. Revista Iberoamericana de Educación, Araraquara, n. 40/2, p. 1-9, 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/28121333_Identidade_sexual_e_cultura_escolar_uma_critica_a_versao_de_sexualidade_contida_nos_PCN. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. 126 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 25 jun. 2019.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF. 1998. 175 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/introducao.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular para o Ensino Infantil e Ensino Fundamental: versão final. 2018. 595p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 25 jun. 2019.

BRASIL. Perguntas frequentes sobre a Base Nacional Comum Curricular. 2019. 15p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/implementacao/perguntas_frequentes_bncc.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL de Fato. Editorial. Ano após ano, Brasil segue na lista dos países que mais mata LGBT's. 2019. Disponível: https://www.brasildefato.com.br/2019/06/28/editorial-or-ano-apos-ano-brasil-segue-na-lista-dos-paises-que-mais-mata-lgbts/. Acesso em: 10 jul. 2019.

CAVALCANTI, Lana de Souza. A geografia e a realidade escolar contemporânea: avanços, caminhos, alternativas. In: SEMINÁRIO NACIONAL: CURRÍCULO EM MOVIMENTO – PERSPECTIVAS ATUAIS, 1, 2010, Belo Horizonte, Anais [...]. Belo Horizonte: Secretaria de Educação Básica (SEB), 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7167-3-3-geografia-realidade-escolar-lana-souza/file. Acesso em: 12 jul. 2019.

FERNANDES, Florestan. Educação e sociedade no Brasil. São Paulo: Dominus, 1966.

GALLO, Sílvio. Em torno de uma educação menor. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p. 169-178, 2002. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/25926/15194. Acesso em: 11 ago. 2019.

LACOSTE, Yves. A geografia – isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. 19. ed. Campinas: Papirus, 2012.

MACEDO, Elizabeth. Como a diferença passa do centro à margem nos currículos: o exemplo dos PCN. Educação e Sociedade, Campinas, v. 30, n. 106, p. 87-109, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v30n106/v30n106a05.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

MORAES, Carmen Sylvia Vidigal. O ensino médio e as comparações internacionais: Brasil, Inglaterra e Finlândia. Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 405-429, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00405.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

MOREIRA, Herivelto; CALEFFE, Luiz Gonzaga. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

NASCIMENTO, Maria Lívia; CHIARADIA, Cristiana de França. A Retirada da Orientação Sexual do Currículo Escolar: Regulações da Vida. Sisyphus, Lisboa, v. 5, n. 1, p. 101-116, 2017. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/sisyphus/article/view/10453. Acesso em: 10 jul. 2019.

RIBEIRO, Willian de Goes; CRAVEIRO, Clarissa Bastos. Precisamos de uma Base Nacional Comum Curricular? Linhas Críticas, Brasília, v. 23, n. 50, p. 51–69, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/1935/193552559004.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

SAVIANI, Demerval. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da Base Nacional Comum Curricular. Movimento – Revista de Educação, Niterói, ano 3, n. 4, p. 54–84, 2016. Disponível em: http://www.revistamovimento.uff.br/index.php/revistamovimento/article/view/296/301. Acesso em: 10 jul. 2019.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 PESQUISAR – Revista de Estudos e Pesquisas em Ensino de Geografia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Pesquisar, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, ISSNe 2359-1870.