Primeiros passos em busca de um corpus paralelo bilíngue voltado para o tratamento da ambiguidade

Autores

  • Jorge Bidarra Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) - campus de Cascavel/PR

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35n1p225

Palavras-chave:

Ambiguidade lexical, Corpus paralelo, Dicionário Eletrônico bilíngue,  Português-Língua Brasileira de Sinais

Resumo

O processo de tradução de uma língua para outra, seja executada por humanos ou por máquinas, tem sido um desafio constante para pesquisadores em todo o mundo. Partindo do princípio de que a tradução não é simplesmente a substituição de uma palavra na língua de origem para outra língua, supostamente semelhante ao original, especialistas reconhecem que, além do conhecimento linguístico, o tradutor deve considerar o cenário de realização numa e noutra línguas. Apresentamos aqui alguns resultados preliminares obtidos a partir da investigação que vimos desenvolvendo em relação a esse assunto. Mais especificamente, com o foco no fenômeno de ambiguidade lexical, trazemos para debate uma breve discussão a respeito do problema. Tais resultados nos têm servido de base importante para a construção de um corpus paralelo bilíngue que se encontra em desenvolvimento por nossa equipe de trabalho, com vista à implementação futura de um dicionário bilíngue eletrônico, já em fase de análise e estudo de viabilidade para a especificação e modelagem.

Biografia do Autor

Jorge Bidarra, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) - campus de Cascavel/PR

Bacharelado em Informática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1980), Mestrado em Engenharia de Sistemas e Computação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988), Doutorado em Linguística Computacional pela Universidade Estadual de Campinas (2001) e Pós-Doutorado em Processamento da Liinguagem Natural pela Universidade Federal de Santa Catarina/Universidade de Sheffield (Professor Visititante)/Bolsista CAPES-Fund. Araucária. Professor Associado C da Universidade Estadual do Oeste do Paraná nos cursos de Ciência da Computação, Mestrado e Doutorado de Linguística/Letras (linha de pesquisa: mecanismos da linguagem, com ênfase em lexicologia/lexicografia, extração de informação em bases de dados não estruturada). Membro dos Grupos de Inteligência Aplicada - UNIOESTE/CNPq e de Pesquisa Linguagem e Sociedade - UNIOESTE/CNPq. Experiência profissional em em empresas e docência. Áreas de Interesse/Pesquisa: Desenvolvimento de Tecnologias Assistivas, Agentes Computacionais Inteligentes, Interface Humano-Computador e Processamento da Linguagem Natural/Linguística Computacional. Pesquisa em Andamento: Fundamentos para a Implementação de Ferramentas Computacionais para suporte ao desenvolvimento de um sistema bilíngue de tradução automática Português-LIBRAS (Sistema PORLIBRAS).

 

Referências

Aitchinson, J. (1994). Words in the Mind: an introduction to the mental lexicon. Blackwell.

Alonge, A., Calzolari, N., Vossen, P., Bloksma, L., Castellon, I., Antonia, M., Marti, M. A., & Peters, W. (1998). The linguistic design of the EuroWorNet database. In Computers and the Humanities, 32:91-115. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

Aristotle. (1984). Rethoric and Poetics of Aristotle (Modern Library College). McGraw-Hill.

Baker, M. (1999). Linguistic and Cultural Studies. Complementary or Competing Paradigms in Translation Studies? A. Lauer et al. (eds.), Ubersetzungswissenschaft im Umbruch, Tubingen: Gunter Narr.

Baker, M. & Malmkjaer, K. (2001). Routledge Encyclopedia of Translation Studies. London, New York: Routledge.

Barbosa, H.G. (2004). Procedimentos técnicos da tradução – uma nova proposta. Campinas, SP: Pontes.

Bentivogli, L; Pianta, E. Pianesi, F. 2000. Coping with lexical gaps when building aligned multilingual wordnets. In: International Conference on Language Resources and Evaluation - LREC, 2, 2000, Athens. Proceedings. (http://multiwordnet.itc.it/english/pubb.php).

Bidarra, J. (2004). O léxico no processamento da Linguagem Natural. Cascavel: Edunioeste.

Campos, G. 1986. O que é tradução. Coleção Primeiros Passos – 166 Leituras Afins. SP: Editora Brasiliense.

Catford, J.C. (1965). A Linguistic Theory of Translation: An essay in Applied Linguistics. London: Oxford Press.

Cruse, D.A. (2004). Meaning in language: an introduction to semantics and pragmatics. Oxford: Oxford University Press.

_____. (1986). Lexical Semantics. NY: Cambridge University Press.

Di Felippo, A. e Dias-da-Silva, B.C. (2009). A interlíngua da base lexical bilíngue REBECA. Veredas On-Line: Linguística de Corpus e Computacional, 2: 50-67, PPG Lingüística/UFJF.

Frazier, L. 1990. Exploring the Architecture of the Language-Processing System. G.T.M. Altman (Ed.). Cognitive Models of Speech Processing, 409-433. Cambridge: The MIT Press.

Gibbs, R.W., Beitel, D., Harrington, M., & Sanders, P. (1994). The Poetics of Mind. Figurative Thought, Language, and Understanding. Cambridge: Cambridge University Press.

Jakobson, R. (1975). Linguistica e Comunicação. São Paulo: Cultrix.

Lakoff, G. (1987). Women, Fire, and Dangerous Things: What Categories Reveal about the Mind. Chicago: The University of Chicago Press.

Kilgarriff, (1997). A. I don´t believe in word senses. Computers and the Humanities, 31 (2): 91-113.

Lehrer, A. (1974). Semantic Fields and Lexical Structure. North-Holland Linguistic Series (11). American Elsevier.

Nida, E. (1964). Toward a Science of Translation. Leiden: Brill.

Newmark, P. (1981). Approaches to Translation (Language Teaching Methodology). Elsevier Science & Technology.

Perini, M.A. 2003. Sofrendo a gramática. 3ª ed., São Paulo: Ática.

Pustejovsky, J. (1995). The Generative Lexicon. Cambridge: The MIT Press.

Quadros, R.M., Souza, S.X. (2008). Aspectos da tradução/encenação na Língua de Sinais Brasileira para um ambiente virtual de ensino: práticas tradutórias do curso de Letras Libras. In: R.M. Quadros (ed.). Estudos Surdos III. Petrópolis: Arara Azul.

Rosch, E. (1973). Natural categories. Cognitive Psychology, 4: 328-350.

Silva, A.S. (2006). O Mundo dos Sentidos em Português: Polissemia, Semântica e Cognição. Coimbra: Edições Almedina.

Sinclair, J. 1991. Corpus, Concordance, Collocation. Oxford University Press.

Taylor, J.R. (1985). Linguistic Categorization: prototypes in linguistic theory. Oxford: Clarendon Press.

Ullmann, S. (1979). Semantics: An Introduction to the Science of Meaning. Rowman&Littlefield.

_____. (1951). The Principles of Semantics. Oxford: Blackwell.

Vinay, J.P., & Darbelnet, J. (1977). Stylistique Comparée du Français et de l'Anglais. Paris: Didier.

Vygotsky, L.S. (1986). Thought and Language. Newly revised by Alex Lozulin. The Massachusetts Institute Technology.

Vossen, P., Marinai, E., Peters, C., Castellon, I., Marti, A., & Rigau, G. (1998). Compatibility in interpretation of relations in EuroWordNet. Computers and the Humanities, 32:153-184. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

Publicado

2015-06-18