Tradução literária e discussão estética: Criando e recriando felicidade

Leila Cristina Mello Darin

Resumo


Este artigo procura mostrar que o exame crítico do processo de tradução literária pode contribuir de forma significativa para a compreensão do processo que conduz à criação de obras poéticas. O material literário que inspira essa discussão é a tradução para o português do conto “Bliss” (1918), da escritora neozelandesa Katherine Mansfield, realizada pela poeta brasileira Ana Cristina Cesar. São também consideradas para análise as 80 notas que a tradutora elaborou a respeito de sua versão do conto, intitulada Êxtase, as quais elucidam e ilustram os critérios que norteiam suas soluções tradutórias. A discussão corrobora a tese de que criar e recriar são atividades afins, guiadas por princípios estéticos que revelam uma grande paixão pelas palavras.


Palavras-chave


Tradução Literária; Katherine Mansfield; Ana Cristina Cesar; “Bliss”; “Êxtase”

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALAN, Patrícia Peter dos Santos Zachia. A Tradução da prosa poética de Katherine Mansfield em português: um estudo comparado. Tese de Doutorado. UFRGS, 2011.

CESAR, Ana Cristina. Escritos da Inglaterra. Tradução de Maria Luiza Cesar. São Paulo: Brasiliense, 1988, 176 pgs.

BORGES, Jorge Luis. As Versões Homéricas. In: Discussão. Tradução de Claudio Fornari. São Paulo: Difel, 1986, p. 71-78.

CAMPOS, Haroldo. “Da tradução como criação e como crítica”. In: Metalinguagem. São Paulo: Cultrix, [1976] 1992, p. 31-48.

GOMES, Adriana de Freitas. Ana Cristina Cesar - a tradução como exercício de recriação. In: Revista Gatilho, Juiz de Fora: Ed. UFJF. Ano II, Volume 4, set. 2006. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistagatilho/files/2009/12/Adriana-

FreitasGomes.pdf. Acesso em 08 jan. 2015.

______,______. OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de. Ana Cristina Cesar, tradutora de Katherine Mansfield. In: Ipotesi, Juiz de Fora, v. 13, n. 1, jan./jul. 2009, p. 41 - 56.

MANSFIELD, Katherine. Bliss and Other Stories. UK: Penguin Books Ltd, 2001, 229 pgs.

______,______. Diário & Cartas. Tradução de Julieta Cupertino. Rio de Janeiro: Revan, 1996, 285pgs.

PAES, José Paulo. Bandeira tradutor ou o esquizofrênico incompleto. In: Tradução. A ponte necessária. São Paulo: Ed. Ática, 1990, p. 55-66.

PAZ, Octavio. Tradução: literatura e literalidade. Edição bilíngue. Ensaio traduzido por Doralice Alves de Queiroz. Belo Horizonte. FALE/UFMG, 2009. Disponível

em: http://www.letras.ufmg.br/vivavoz/data1/arquivos/traducao2ed-site. pdf. Acesso em 20 jan.2015.

PERRONE-MOISÉS Leyla. “A Criação do Texto Literário”. In: Flores da escrivaninha. São Paulo, Companhia das Letras, 1990, p. 100-110.

PRADO, Célia Luiza Andrade - Tradução, Paródia e paráfrase: as reescrituras poéticas de Manuel Bandeira. In: TradTerm 18, 2011.1, p. 155-178. Disponível em: www.usp.br/tradterm. Acesso em 21 jan. 2015.

SOUZA, Carlos Eduardo Siqueira Ferreira de. A lírica fragmentária de Ana Cristina Cesar. São Paulo: EDUC, 2010, 198 pgs.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35n1p36



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.