“Confúcio e o menino sem nome”: intertextualidade e adaptação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2016v36n1p114

Palavras-chave:

Tradução chinês e português, Literatura infanto-juvenil, Cultura chinesa, Filosofia chinesa

Resumo

Em 2005, Sérgio Capparelli encontrou Márcia Schmaltz no metrô de Pequim e propôs traduzirem juntos narrativas chinesas para crianças e jovens. Deste encontro, resultou numa coleção de mais de duas centenas de contos, que foram parcialmente publicados em 50 fábulas da China fabulosa (CAPPARELLI; SCHMALTZ, 2007) e em Contos sobrenaturais chineses (SCHMALTZ; CAPPARELLI, 2010). Neste artigo são apresentadas algumas reflexões a partir da pesquisa bibliográfica para a preparação desses textos de partida. A primeira refere-se à influência das doutrinas filosóficas da cultura tradicional para a produção literária chinesa, que tem na função educativa uma de suas características proeminentes. A segunda, inter-relaciona conceitos literários como prosa ficcional, literatura infantil e intertextualidade nos diferentes sistemas culturais envolvidos, que devem ser levados em conta pelo tradutor. A terceira é relativa ao processo de reconstituição da narrativa “Confúcio e o menino sem nome” e aos textos alusivos a esse encontro. Finalmente, a quarta reflexão focaliza-se na tradução. Nela são discutidas as decisões tomadas, tendo em conta os aspectos intrínsecos do texto de partida no sistema cultural chinês para sua transposição ao sistema da cultura-alvo. 

Biografia do Autor

Márcia Schmaltz, Universidade de Macau

Possui graduação em Língua e Literaturas de Língua Portuguesa pela Faculdade Porto-alegrense de Educação, Ciências e Letras (2001) e mestrado em Estudos da Linguagem, com ênfase em Aquisição da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005). Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Aquisição da Linguagem e Tradução, atuando principalmente nos seguintes temas: chinês, linguística cognitiva, aquisição da linguagem, tradução chinês-português e ensino. Taipa, Macar, China. E-mail: marcias@umac.mo

Referências

BAN, Gu. Han Shu [Anais de Han]. Disponível em: http://ctext.org/han-shu/ens.

BASSNET-MCGUIRE, Susan. Estudos de Tradução. Tradução de Sônia T. Gehring, Letícia V. Abreu e Paula A. R. Antinolfi. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.

BRESNER, Lisa. Contes Chinois, Le Bouvier et la Tisserande. Paris: L’école des Loisirs, 2000.

CAPPARELLI, Sérgio; SCHMALTZ, Márcia. 50 Fábulas da China Fabulosa. Porto Alegre: LP&M, 2007.

Cihai. Xangai: Shanghai Cishu, 1999.

Dongyuan Zazi [Enciclopédia Dongyuan]. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/btv1b9006527j/f8.image.langEN

FAIRBANK, John; GOLDMAN, Merle. China: uma nova história. Tradução de Marisa Motta. Porto Alegre: LP&M, 2006.

GONG, Pengcheng. Zhongguo Chuantong Wenhua Shiwu Jiang [Quinze tópicos sobre a cultura tradicional chinesa]. Pequim: Peking University Press, 2006.

GRANET, Marcel. O pensamento chinês. Tradução de César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

JIANG, Feng; HAN, Jin. Zhongguo Wenxue Shi [História da Literatura Infantil da China]. Hefei: Anhui Jiaoyu Chubanshe, 1998.

LIE, Yukou. Liezi. Disponível em: http://ctext.org/liezi/tang-wen/zhs.

LIMA, Ronaldo; ORGADO, Gisele T.M.R. “Interpretar e traduzir a língua dos Smurfs”, in Cadernos de literatura em tradução, 12, p. 113-124, 2011.

LIU, An. Huainan zi [O príncipe de Huainan]. Disponível em: http://ctext.org/huainanzi/xiu-wu-xun/zhs

LIU, Xiang. Zhan Guo Ce [Estratégias dos Estados Combatentes]. Disponível em: http://ctext.org/zhan-guo-ce/zhs.

LV, Kai. Huainan zi: shenxian daojia [Huainan zi: o daoísta imortal]. Taipei: Shibao wenhua, 1995.

Lunyu [Analectos]. Disponível em: http://ctext.org/analects.

MILTON, John. Translation Studies and Adaptation Studies. In: PYM, Anthony; PEREKRESTENKO, Alexander (eds.) Translation Research Projects 2. Tarragona: Intercultural Studies Group, p. 51-58, 2009.

SCHMALTZ, Márcia. “‘Os três reis’: reflexões a partir de um conto não publicado”. In: Cadernos de literatura em tradução 12, p.173-186, 2011.

______. “A literatura infantil chinesa da poesia à prosa: Uma história sem espaço à criança”. Tigre Albino 2(1), 2008. Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=1eb7c72bdf826fe4700f977b9658e5ef&&idvolume=8019c0e24c8199c19b45b5b7170ec4e9

______. “Metáfora conceptual de tempo em fábula chinesa”. Organon 21, p. 35-52, 2007.

SCHMALTZ, Márcia; CAPPARELLI, Sérgio. Contos sobrenaturais chineses. Porto Alegre: L&PM, 2010.

SIMA, Qian. Shiji [Anais da história]. Disponível em: http://ctext.org/shiji/kong-zi-shi-jia/zhs

TIAN, Guixiang; GUO, Bensi. “Zhang Tianyi de jiaohua qingjie” [O enredo moralizante das histórias infantis de Zhang Tianyi]. In: Qilu Xuebao, n.5, p. 103-105, 2007.

WALTY, Ivete. “Intertextualidade”, E-Dicionário de Termos Literários, coord. de Carlos Ceia. Disponível em: http://www.edtl.com.pt.

WANG, Yinglin. Sanzijing [Ode de três caracteres]. Disponível em: http://ctext.org/three-character-classic/zhs

WANG, Zijing. “Handai Qi Lu shentong” [Meninos prodígios de Qi e Lu da dinastia Han]. In Qi Lu Wenhua Yanjiu, disponível em: http://www.qlwh.com/jidi/xinshu.asp?id=612.

XU Zhigang. Lunyu Tongyi [Interpretação de Analectos]. Pequim: Renmin Wenxue Chubanshe, 2003.

ZHANG, Lei (ed.) Zhongguo Gudai Zhexue Dadian [Clássicos da filosofia antiga chinesa]. Wuhan: Editora da Universidade Politécnica de Wuhan, 1989.

ZHOU, Shuren. “Zhongguo xiaoshuo shilue” [História concisa da literatura em prosa da China]. In: Lu Xun Quanji [Obra Completa de Lu Xun]. Pequim: Renmin Chubanshe, v.9, p.147-450, 1973.

Downloads

Publicado

2015-08-05