Texto bíblico e “tradução”: a “voz divina” no plano humano da coenunciação

Autores

  • Maria Helena de Moura Neves Universidade Presbiteriana Mackenzie Universidade Estadual Paulista/ CNPq
  • Mariú Moreira Madureira Lopes Universidade Presbiteriana Mackenzie

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2016v36n2p205

Palavras-chave:

Coenunciação, Textos Sensíveis, Tradução Bíblica

Resumo

Tendo em vista a especificidade do discurso bíblico e a multiplicidade de traduções bíblicas veiculadas na atualidade, que vão de extremos de literalidade a extremos de liberdade, o artigo fixa-se no processo de coenunciação para avaliar o modo como a organização discursivo-textual se configura nesses diferentes tipos de versões, com vista ao estabelecimento da relação com o público leitor pretendido. A análise comparativa entre versões representativas de cada um dos polos, conduzida por mais de um viés investigativo, mostra que tais relações vão desde efeitos de grande distanciamento entre produtor e receptor (versões literais, cujo discurso se reveste de força injuntiva que exige do fiel o cumprimento de requisitos), até efeitos de marcada aproximação (versões livres, cujo discurso busca estabelecer um pacto com o leitor, numa evidente relação de cooptação).

Biografia do Autor

Maria Helena de Moura Neves, Universidade Presbiteriana Mackenzie Universidade Estadual Paulista/ CNPq

Professora Emérita da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp); livre-docente (1984) em Língua Portuguesa pela Unesp; doutora em Letras Clássicas-Grego (1978) pela Universidade de São Paulo (USP). Pesquisadora nível 1A do CNPq. Coordenadora do Grupo de Pesquisa-CNPq “Gramática de usos do português”. Atua na Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie e na Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Unesp/Araraquara. São Paulo, São Paulo, Brasil. E-mail: mhmneves@uol.com.br

Mariú Moreira Madureira Lopes, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Doutora (2011); mestre (2008) em Letras; formada em Letras –Tradutor (2004) e licenciada (2005) em Letras – Português/Inglês pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, São Paulo, Brasil. E-mail: mariummlopes@gmail.com

Referências

BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral I. São Paulo: Pontes, 2005.

BÍBLIA SAGRADA. Almeida revista e atualizada. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.

______. Nova tradução na linguagem de hoje. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2000.

______. Nova versão internacional. São Paulo: Vida, 2001.

______. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: São Paulo: Paulus, 2002.

______. A mensagem. São Paulo: Vida, 2011.

CAMPOS, H. Metalinguagem e outras metas: ensaios de teoria e crítica literária. São Paulo: Perspectiva, 2010a.

______. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 2010b.

COENEN, L.; BROWN, C. Dicionário internacional de Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2000.

CRYSTAL, D; DAVY, D. Investigating English style. London: Longman, 1992.

ECO, U. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 1988.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 1999.

______. Introdução à linguística. São Paulo: Contexto, 2002.

FRAME, J. M. A doutrina da palavra de Deus. São Paulo: Cultura Cristã, 2013.

HENDRIKSEN, W. Mateus. São Paulo: Cultura Cristã, 2010.

HILGERT, J. G. Variações interacionais na construção da compreensão na fala. In: PRETI, D. F. (Org.). Variação na fala e na escrita. São Paulo: Humanitas, 2011, v. 11, p. 219-247.

JUBRAN, C. C. A. S. Funções textuais-interativas dos parênteses. In: NEVES, M. H. M. (org.). Gramática do Português Falado. Campinas: UNICAMP, v. 7, 1999, p. 131- 158.

______. Parentetização. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. Gramática do português culto falado no Brasil. V. 1. Campinas: UNICAMP, 2006.

KONINGS, J. Tradução e traduções da Bíblia no Brasil. In: GOHN, C.; NASCIMENTO, L. A Bíblia e suas traduções. São Paulo: Humanitas, 2009.

MAINGUENEAU, D. Pragmática para o discurso literário. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MILLER, S. M; HUBER, R. V. A Bíblia e sua história: o surgimento e o impacto da Bíblia. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.

NEVES, M. H. M. As estratégias discursivas e suas implicações na relação entre oralidade e escrita: um estudo do parêntese na crônica. Linguística [online]. Madri, ALFAL, vol. 27, n.1, p. 77-97, 2012.

______. Referenciação: identificação e descrição de referentes. Inédito.

NIDA, E. A. Toward a science of translating: with special reference to principles and procedures involved in Bible translating. Leiden: E. J. Brill, 1964.

______; TABER, C. R. The theory and practice of translation. Leiden: Brill, 1982.

SANTAELLA, L. Transcriar, transluzir, transluciferar: a teoria da tradução de Haroldo de Campos. In: MOTTA, L. T. Céu acima: para um tombeau de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2005.

SCHOLZ, V. 40 anos de Bíblia na Linguagem de Hoje. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014.

SIMMS, K. (Org.). Translating sensitive texts: linguistic aspects. Amsterdam, Atlanta: GA, 1997.

ZEILINGER, F. Entre o céu e a terra: comentário ao sermão da montanha (Mt 5-7). São Paulo: Paulinas, 2008.

Downloads

Publicado

2016-05-09