Escrevendo a partir de outras margens. Diferença, exceção e tradução no mundo de língua portuguesa: contrapontos entre representações literárias e paradigmas críticos

Elena Brugioni

Resumo


Enquanto enquadramento conceptual para estudar as chamadas literaturas pós-coloniais, a tradução constitui um paradigma crítico complexo que abre inúmeros caminhos teóricos a partir de onde ler e situar as representações literárias sob uma perspetiva global. No que concerne ao que pode ser definido como literaturas africanas eurófonas (Zabus, 2007), o conceito de tradução oferece a possibilidade de problematizar diversas questões críticas, em particular as que dizem respeito à “diferença cultural” (Bhabha, 1994) e, por isso, à “materialização [textual] do outro” (Ahmed, 2000). Neste sentido, a tradução torna-se um conceito operativo não apenas para uma hermenêutica textual, mas também para uma reflexão epistemológica mais ampla, permitindo discutir os paradigmas que caracterizam a receção crítica do romance africano e, portanto, o próprio campo da crítica literária africana. Através da análise de autores e textos provenientes das chamadas literaturas africanas lusófonas, o presente artigo visa traçar um percurso crítico que destaque as possibilidades teóricas que o conceito de tradução oferece, de modo a que as representações literárias possam ser abordadas como “experiências epistemológicas” cruciais (García Canclini, 2012, 50), a partir das quais se pode ler e compreender as alterações, os desafios e as transformações do nosso tempo.


Palavras-chave


Mundo de língua portuguesa; Literaturas Africanas; Teoria pós-colonial; Tradução

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Afropolitan Magazine: http://www.afropolitan.co.za. Johannesburg, South Africa.

Agamben, Giorgio. Quel che resta di Auschwitz. L’archivio e il testimone. Milano: Bollati Boringhieri, 1998.

——. Homo Sacer. Il potere sovrano e la nuda vita. Torino: Einaudi, 1995.

——. Il linguaggio e la morte. Un seminario sul luogo della negatività. Torino: Einaudi, 1982.

Ahmad, Aijaz. In Theory: Classes, Nations, Literatures. London & New York: Versus, 1992.

——. “The Politics of Literary Postcoloniality.” Race & Class, 36.3 (1995): 1-20.

Ahmed, Sara. Strange Encounters: Embodied Others in Post-coloniality. New York: Routledge, 2000.

Apter, Emily. The Translation Zone. A New Comparative Literature. Princeton: Princeton University Press, 2006.

Appiah, Kwame Anthony. “Thick Translation.” Callaloo, 16.4 (1993): 808-819.

Balandier, George. “La situation coloniale: Approche théorique.” Cahiers internationaux de sociologie, 11.51 (1951): 44 -79.

––––. Préface em Smouts, M-C. (Org.) La Situation postcoloniale. Paris: Presses de Sciences Po., 2007.

Bandia, Paul. Translation as Reparation. Writing and Translation in Postcolonial Africa. New York: Routledge, 2008.

Bassnett, Susan; Trivedi, Harish. Post-Colonial Translation: Theory and Practice. London: Routledge, 1999.

Basto, Maria-Benedita. A Guerra das Escritas. Literatura e Nação em Moçambique. Viseu: Vendaval, 2006.

Bhabha, Homi K. The Location of Culture. London: Routledge, 1994.

Blanchard, Pascal; Bancel, Nicolas; Lemarie, Sandrine. La Fracture coloniale. La Société française au prisme de l’heritage colonial. Paris: La Découverte, 2005.

Borges Coelho, João Paulo. As Duas Sombras do Rio. Lisboa: Editorial Caminho, 2003.

——. Índicos Indícios – Meridião e Setentrião. (2 vols). Lisboa: Editorial Caminho, 2005.

——. “Entrevista com João Paulo Borges Coelho, por Rita Chaves.” VIA ATLÂNTICA, 16 (2009): 151-166.

——. “A Literatura e o léxico da pós-colonialidade. Uma Conversa com João Paulo Borges Coelho por Elena Brugioni,” Diacrítica, 24.3 (2010): 427-444.

Bourdieu, Pierre. The Field of Cultural Production: Essays in Art and Literature. New York: Columbia University Press, 1993.

Brugioni, Elena. “Old empires, new cartographies: problematizing ‘lusophone categorizations’.” In Ribeiro Sanches, Manuela; Ferreira Duarte, João; Clara, Fernando; Martins, Leonor (eds.) Europe in Black and White. Imigration, Race, and identity in the ‘Old Continet’. Bristol, UK / Chicago, USA: Intellect Book, 2011. 199-208

——. Mia Couto. Representação, História(s) e Pós-colonialidade. Vila Nova de Famalicão: Húmus Edições-CEHUM, 2012.

——. “Narrando O(s) Índico(s). Reflexões em torno das ‘geografias transnacionais do imaginário’.” In Brugioni, Elena, Passos, Joana (eds.) Dossier Narrando o Índico in Diacrítica – Literatura, 27.3 (2013): 121-137.

Can, Nazir Ahmed. Discurso e Poder nos romances de João Paulo Borges Coelho. Maputo: Alcance Editores, 2015.

Carvalho, Ruy Duarte de. Vou lá Visitar Pastores. Lisboa: Cotovia, 1999.

——. Os Papéis do Inglês. Lisboa: Cotovia, 2000.

——. Lavra. Poesia Reunida 1970/2000. Lisboa: Cotovia, 2005.

——. “Falas & vozes, fronteiras & paisagens ... escritas, literaturas e entendimentos.” Setepalcos, 5 (2006), Coimbra: Cena Lusófona.

——. A Câmara, a escrita e a coisa dita…fitas, textos e palestras. Lisboa: Cotovia, 2008.

Chaundhury, Kirti N. Asia before Europe: Economy and Civilization of the Indian Ocean from the rise of Islam to 1750. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

Chaves, Rita; Macêdo, Tania. Literaturas de língua portuguesa. Marcas e Marcos. Angola. São Paulo: Arte & Ciência, 2007.

Chaves, Rita. “Desmedida: O Brasil, para além da paisagem, em Ruy Duarte de Carvalho.” Remate de Males, 26.2 (jul./dez. 2006): 279-291.

——. “A Ilha de Moçambique: Entre as Palavras e o Silêncio.” Available at: http://www.macua.org/coloquio/A_ILHA_DE_MOCAMBIQUE.htm, 2002.

Couto, Mia. Se Obama fosse africano? E Outras interinvenções. Lisboa: Caminho, 2009.

Falconi, Jessica “Literaturas Africanas, língua portuguesa e pós-colonialismos.” In Brugioni, Elena et al. (Orgs.) Itinerâncias. Percursos e Representações da Pós-colonialidade | Journeys. Postcolonial Trajectories and Representations. Vila Nova de Famalicão: Húmus Edições-CEHUM, 2012. 203-218

———. “‘Para Fazer um Mar’. Literatura Moçambicana e Oceano Índico.” In Brugioni, Elena; Passos, Joana (eds.) Dossier “Narrando o Índico, Diacrítica – Literatura, 27.3 (2013): 77-92.

Ferreira, Ana Paula. “Specificity without Exceptionalism: Towards a Critical Lusophone Postcoloniality.” In De Medeiros, Paulo (ed.) Postcolonial Theory and Lusophone literatures, Utrecht, Portuguese Studies Centre, 2007. 21-40

Firmino, Gregório. A questão linguística na África pós-colonial: o caso do português e das línguas autóctones em Moçambique. Maputo: Promédia, 2002.

Freyre, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regimen de economia patriarchal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt, 1933.

García Canclini, Néstor. A Sociedade sem Relato. Antropologia e Estética da Iminência. São Paulo: EDUSP, 2012.

Garuba, Harry. “The Critical Reception of the African Novel.” In F. Abiola Irele (ed.) The Cambridge Companion to the African Novel. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. 243-262

Gonçalves, Perpétua. A Génese do Português de Moçambique. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2010.

Hallward, Peter. Absolutely Postcolonial. Writing between the Singular and the Specific. Manchester: Manchester University Press, 2001.

Hitchcock, Peter The Long Space. Transnationalism and Postcolonial Form. Stanford: S.U. Press, 2010.

Hofmeyr, Isabel. “The Black Atlantic Meets the Indian Ocean: Forging New Paradigms of Transnationalism for the Global South – Literary and Cultural Perspective. Social Dynamics, 33.2 (2007): 3-32.

Huggan, Graham. The Postcolonial Exotic. Marketing the Margins. London & New York: Routledge, 2001.

Leite, Ana Mafalda. Literaturas Africanas e Formulações Pós-Coloniais. Lisboa: Edições Colibri, 2003.

Lionnet, Françoise; Shih, Shu-mei (eds.) Minor Transnationalism. Durham and London: Duke University Press, 2005.

Mbembe, Achille. “Afropolitanism.” In Njami, Simon & Lucy Durán (eds) Africa Remix: Contemporary Art of a Continent. Johannesburg: Johannesburg Art Gallery, 2007. 26-30

Mendonça, Fátima. Literatura Moçambicana, as dobras da escrita. Maputo: Ndjira, 2011.

Noa, Francisco. “O Oceano Índico e as rotas da transnacionalidade na poesia moçambicana.” Working paper available at: http://cesab.edu.mz/, 2012.

——. “L’océan Indien et les routes de la transnationalité dans la poésie mozambicaine.” Études Littéraires Africaines – Dossier Littératures de l’Angola, du Mozambique et du Cap-vert (Ed. Maria-Benedita Basto), 37 (2014): 73-88.

Parry, Benita. “The Institutionalisation of Postcolonial Studies.” In Lazarus, Neil (ed.) The Cambridge Companion to Postcolonial Literary Studies. Cambridge: Cambridge University Press, 2004. 66-82

Pratt, Mary Louise. Imperial Eyes: Travel Writing and Transculturation. London: Routledge, 1992.

Quintais, Luís. “O olhar do rinoceronte – ou o Ruy como eu o vejo.” Setepalcos n. 5. Coimbra: Cena Lusófona, 2006. 18

Rama, Angel. “Dez problemas para o romancista latino-americano.” In Aguiar, Flávio; Vasconcelos, Sandra (eds). Angel Rama. Literatura e cultura na América Latina. São Paulo: EDUSP, 2001.

Robinson, Douglas. Translation and Empire. Postcolonial Theories Explained. New York: Routledge. 2014 [1997].

Sassen, Saskia. “Spatialities and Temporalities of the Global: Elements for a Theorization”. Public Culture 12.1 (2000): 215-232.

Sousa Ribeiro, António. “Vítima do próprio sucesso? Lugares Comuns do Pós-colonial.” In Brugioni, Elena et al. (eds.) Itinerâncias. Percursos e Representações da Pós-colonialidade | Journeys. Postcolonial Trajectories and Representations. Vila Nova de Famalicão: Edições Húmus, 2012. 39-47

Wainaina, Binyavanga. I am a Pan-Africanist, not an Afropolitan. Plenary Lecture at ASAUK Conference, Leeds University, 6-8th September 2012 (unpublished text).

Zabus, Chantal. The African Palimpsest. Indigenization of Language in West African Europhone Novel. Amsterdam & New York: Rodopi, 2007.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2017v37n1p65



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.