O tradutor (e o ) dicionarista

Maria Celeste Consolin Dezotti

Resumo


A tradução faz interagir dois universos linguísticos, a língua de partida e a língua de chegada. Na tradução de línguas mortas, como o latim e o grego antigo, o uso de dicionários é imprescindível. Por outro lado, essa interação muitas vezes beneficia a língua de chegada, que incorpora novas palavras. Nesta abordagem, que se restringe à tradução de textos gregos para a língua portuguesa, considera-se o dicionário sob dois aspectos: (I) sendo ele um guia de uso — e de recepção, sobretudo para as línguas mortas —, dicionários de grego se enriquecem de termos e significados à medida que novos textos são encontrados; (II) a riqueza de sentidos de certas palavras gregas estimula o tradutor a transliterá-las e, quando se tornam familiares, elas são dicionarizadas. Tudo isso é possível porque o acervo lexical das línguas é aberto, afirmação válida mesmo para línguas mortas.

Palavras-chave


Tradução; Dicionário; Grego antigo

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, J. N. The Latim sexual vocabulary. London: Duckworth, 1982.

BORBA, Francisco da Silva. Organização de dicionários. Uma introdução à lexicografia. São Paulo: EdUnesp, 2003.

CONTI, Mário Sérgio. Peripécias da hegemonia. Folha de São Paulo, 29 de julho de 2017, C10.

DALY, Lloyd. Aesop without morals. New York, London: Thomas Yoseloff, 1961.

DEZOTTI, Maria Celeste Consolin. Hino homérico a Hermes. In: RIBEIRO JR., W. A. (Org.) Hinos Homéricos. São Paulo: EdUnesp, 2010. p. 406-453.

DUARTE, Adriane da Silva. Romance de Esopo. In: MALTA, André. Esopo. Fábulas, seguidas do Romance de Esopo. São Paulo: Editora 34, 2017. p. 183-274.

DUBNER, F. Scholia graeca in Aristophanem. Paris: Didot, 1843.

ESOPO. Fábulas completas. Tradução de Maria Celeste Consolin Dezotti. São Paulo: Cosac & Naify, 2014.

EURÍPIDES. Bacas. Tradução de JAA Torrano. São Paulo: Hucitec, 1995.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 1a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

GRAJEW, Oded. Neymar, a desmedida. Folha de São Paulo, 17 de agosto de 2017, A3.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Haroldo de Campos. 2 vol. (bilíngue). 4a ed. São Paulo: Arx, 2003.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1a. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JOUANNO, Corinne. Vie d'Ésope. Paris: Les Belles Lettres, 2006.

LIDDELL, H.G.; SCOTT, R.; JONES, H.S. Greek-English Lexicon. With a Supplement. Oxford: At the Clarendon Press, 1973.

LONGMAN. Dictionary of Contemporary English. 4th ed. Harlow: Longman, 2005.

LUCIANO. Diálogo dos mortos. Tradução de Maria Celeste Consolin Dezotti. São Paulo: Hucitec, 1966.

________. Caron. In: Luciani. Opera, II. by M.D.MacLeod. Oxford: Oxford Classical Texts, 1974.

PERRY, Ben Edwin. Aesopica. Urbana: The Univ. of Illinois, 1952.

RIBEIRO JR., Wilson Alves (Org.) Hinos Homéricos. Tradução, notas e estudo. São Paulo: Edunesp, 2010.

RUFATO, Luiz. Contra os belos, os robustos e os filósofos. Jornal da Tarde. 26 de outubro de 1996. Caderno de Sábado, p.6.

SCHÄDLICH, Hans Joachim. Donne-lui la parole. Vie et mort du poéte Esope. Tradução do alemão por Bernard Kreiss. Nîmes: Jacqueline Chambon, 2002.

SOUSA E SILVA, Maria de Fátima. Aristófanes. As aves. Tradução e notas. Lisboa: Edições 70, 1989.

STEVENSON, Robert Louis. A ilha do tesouro. Tradução de Alsácia Fontes Machado. São Paulo: Círculo do Livro, [1973].

____________________. A ilha do tesouro. Tradução de Duda Machado. 2a ed. São Paulo: Ática, 1997.

TORRANO, JAA. Hesíodo, Teogonia. Tradução e estudo. São Paulo: Roswitha Kempf, 1984.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n3p279



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.