O tradutor (e o ) dicionarista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38n3p279

Palavras-chave:

Tradução, Dicionário, Grego antigo

Resumo

A tradução faz interagir dois universos linguísticos, a língua de partida e a língua de chegada. Na tradução de línguas mortas, como o latim e o grego antigo, o uso de dicionários é imprescindível. Por outro lado, essa interação muitas vezes beneficia a língua de chegada, que incorpora novas palavras. Nesta abordagem, que se restringe à tradução de textos gregos para a língua portuguesa, considera-se o dicionário sob dois aspectos: (I) sendo ele um guia de uso — e de recepção, sobretudo para as línguas mortas —, dicionários de grego se enriquecem de termos e significados à medida que novos textos são encontrados; (II) a riqueza de sentidos de certas palavras gregas estimula o tradutor a transliterá-las e, quando se tornam familiares, elas são dicionarizadas. Tudo isso é possível porque o acervo lexical das línguas é aberto, afirmação válida mesmo para línguas mortas.

Biografia do Autor

Maria Celeste Consolin Dezotti, Universidade do Estado de São Paulo, Araraquara, São Paulo

Possui graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara(1974), especialização em Literatura e civilização grega pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara(1975), mestrado em Lingüística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho(1988) e doutorado em Letras (Letras Clássicas) pela Universidade de São Paulo(1997). Atualmente é Professor Assistente Doutor II da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

ADAMS, J. N. The Latim sexual vocabulary. London: Duckworth, 1982.

BORBA, Francisco da Silva. Organização de dicionários. Uma introdução à lexicografia. São Paulo: EdUnesp, 2003.

CONTI, Mário Sérgio. Peripécias da hegemonia. Folha de São Paulo, 29 de julho de 2017, C10.

DALY, Lloyd. Aesop without morals. New York, London: Thomas Yoseloff, 1961.

DEZOTTI, Maria Celeste Consolin. Hino homérico a Hermes. In: RIBEIRO JR., W. A. (Org.) Hinos Homéricos. São Paulo: EdUnesp, 2010. p. 406-453.

DUARTE, Adriane da Silva. Romance de Esopo. In: MALTA, André. Esopo. Fábulas, seguidas do Romance de Esopo. São Paulo: Editora 34, 2017. p. 183-274.

DUBNER, F. Scholia graeca in Aristophanem. Paris: Didot, 1843.

ESOPO. Fábulas completas. Tradução de Maria Celeste Consolin Dezotti. São Paulo: Cosac & Naify, 2014.

EURÍPIDES. Bacas. Tradução de JAA Torrano. São Paulo: Hucitec, 1995.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 1a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

GRAJEW, Oded. Neymar, a desmedida. Folha de São Paulo, 17 de agosto de 2017, A3.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Haroldo de Campos. 2 vol. (bilíngue). 4a ed. São Paulo: Arx, 2003.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1a. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

JOUANNO, Corinne. Vie d'Ésope. Paris: Les Belles Lettres, 2006.

LIDDELL, H.G.; SCOTT, R.; JONES, H.S. Greek-English Lexicon. With a Supplement. Oxford: At the Clarendon Press, 1973.

LONGMAN. Dictionary of Contemporary English. 4th ed. Harlow: Longman, 2005.

LUCIANO. Diálogo dos mortos. Tradução de Maria Celeste Consolin Dezotti. São Paulo: Hucitec, 1966.

________. Caron. In: Luciani. Opera, II. by M.D.MacLeod. Oxford: Oxford Classical Texts, 1974.

PERRY, Ben Edwin. Aesopica. Urbana: The Univ. of Illinois, 1952.

RIBEIRO JR., Wilson Alves (Org.) Hinos Homéricos. Tradução, notas e estudo. São Paulo: Edunesp, 2010.

RUFATO, Luiz. Contra os belos, os robustos e os filósofos. Jornal da Tarde. 26 de outubro de 1996. Caderno de Sábado, p.6.

SCHÄDLICH, Hans Joachim. Donne-lui la parole. Vie et mort du poéte Esope. Tradução do alemão por Bernard Kreiss. Nîmes: Jacqueline Chambon, 2002.

SOUSA E SILVA, Maria de Fátima. Aristófanes. As aves. Tradução e notas. Lisboa: Edições 70, 1989.

STEVENSON, Robert Louis. A ilha do tesouro. Tradução de Alsácia Fontes Machado. São Paulo: Círculo do Livro, [1973].

____________________. A ilha do tesouro. Tradução de Duda Machado. 2a ed. São Paulo: Ática, 1997.

TORRANO, JAA. Hesíodo, Teogonia. Tradução e estudo. São Paulo: Roswitha Kempf, 1984.

Downloads

Publicado

2018-09-12