Rumo à prosa: aspectos de um novo projeto de tradução dos Petits poèmes en prose, de Baudelaire

Eduardo Horta Nassif Veras

Resumo


O artigo apresenta, em linhas gerais, as principais diretrizes que guiaram o trabalho de uma nova tradução dos Petits poèmes en prose, de Baudelaire, realizado por mim em parceria com Isadora Petry. Procuro mostrar, primeiramente, como o projeto do poeta francês de passagem para prosa demorou a ser compreendido mesmo pela crítica especializada, o que explica em grande parte o caráter poético das primeiras traduções brasileiras. Por outro lado, a radicalização do prosaísmo também não parece dar conta do desafio de traduzir essas “bagatelas laboriosas”, concebidas por Baudelaire como uma experiência poética essencialmente ambivalente. Sempre em diálogo com a Crítica, nossa tradução procurou enfrentar esse desafio da ambivalência, do qual este artigo aborda dois aspectos: o encontro da prosa com a poesia e a apropriação irônica e significativa do lugar-comum.

Palavras-chave


Poemas em prosa; Baudelaire; Le Spleen de Paris; Tradução

Texto completo:

PDF

Referências


ALFERI, Pierre. Vers la prose. Remue – Littérature contemporaine sur Internet,Montreuil-sous-bois, s/d. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2016. Não paginado.

BAUDELAIRE, Charles. Correspondance. Texte établi, présenté et annoté par Claude Pichois avec la collaboration de Jean Ziegler. Paris: Gallimard, 1973a. v. 1. (Coll. Bibliothèque de la Pléiade.)

______. Correspondance. Texte établi, présenté et annoté par Claude Pichois avec la collaboration de Jean Ziegler. Paris: Gallimard, 1973b. v. 2. (Coll. Bibliothèque de la Pléiade.)

______. OEuvres complètes. Texte établi, présenté et annoté par Claude Pichois. Paris: Gallimard, 1975. v. 1. (Coll. Bibliothèque de la Pléiade.)

______. OEuvres complètes. Texte établi, présenté et annoté par Claude Pichois. Paris: Gallimard, 1976. v. 2. (Coll. Bibliothèque de la Pléiade.)

______. O Spleen de Paris: Pequenos poemas em prosa. Tradução e apresentação de Leda Tenório da Motta. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

______. O Esplim de Paris: Pequenos poemas em prosa. Tradução de Oleg de Almeida. São Paulo: Martin Claret, 2010.

BERNARD, Suzanne. Le Poème en prose de Baudelaire à nos jours. Paris: Nizet, 1959.

BOTTMAN, Denise. Uma vinheta. Traduzires, Brasília, v. 1, n. 2, p. 31-36, 2012.

CANDIDO, Antonio. Os Primeiros baudelairianos. ______. A Educação pela noite. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006. p. 23-38.

COMPAGNON, Antoine. Baudelaire l’irréductible. Paris: Flammarion, 2014.

GLEIZE, Jean-Marie. Les Chiens s’approchent, et s’éloignent. Alea, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 165-175, jul.-dez. 2007.

JOHNSON, Barbara. Défigurations du langage poétique: la seconde révolution baudelairienne. Paris: Flammarion, 1979.

LABARTHE, Patrick. Patrick Labarthe commente les Petits poèmes en prose de Baudelaire. Paris: Gallimard, 2000.

MALLARMÉ, Stéphane. OEuvres complètes. Édition présentée, établie et annotée par Bartrand Marchal. Paris: Gallimard, 1998. v. 1. (Coll. Bibliothèque de la Pléiade.)

MORAES, Marcelo Jacques de. Aurélio e os poemas em prosa de Baudelaire: notas sobre uma tradução rebuscada.______. Sobre a forma, o poema e a tradução. Rio de Janeiro: 7Letras, 2017. p.

SISCAR, Marcos. Figuras de prosa: a ideia da “prosa” como questão de poesia.SCRAMIM, Susana; SISCAR, Marcos; PUCHEU, Alberto. O duplo estado da poesia: modernidade e contemporaneidade. São Paulo: Iluminuras, 2015. p. 29-40.

THÉLOT, Jérôme. Baudelaire poésie et violence. Paris: Gallimard, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38nespp54



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.