Elogio fúnebre de Charles Asselineau

Eduardo Horta Nassif Veras

Resumo


Trata-se da tradução do Elogio fúnebre que Charles Asselineau proferiu no enterro de Baudelaire, publicado no jornal L'Étendard, na quarta-feira, dia 4 de setembro de 1867, p. 3. Asselineau, após o discurso de Banville, fala da personalidade e da doença de seu amigo Baudelaire, mas também da lenda que foi criada sobre ele e que ele mesmo alimentou como forma de desprezo contra a imbecilidade de seus detratores.

Palavras-chave


Elogio fúnebre; Tradução; Baudelaire; Asselineau

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2018v38nespp189



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.