Entrevista com Olga Savary

Rosa Maria Severino Ueno

Resumo


Pioneira da poesia erótica no Brasil, a poeta (como prefere ser chamada), escritora, jornalista e tradutora Olga Savary há mais de quatro décadas vem trabalhando em traduções de grandes obras literárias, ademais de contar com inúmeros prêmios e reconhecimentos por sua obra própria. É a maior tradutora de Pablo Neruda no Brasil, além de ter traduzido importantes autores da literatura hispano-americana, como Octavio Paz, Carlos Fuentes, Julio Cortázar, Mario Vargas Llosa e Laura Esquivel. Em 1980 recebeu da Academia Brasileira de Letras o Prêmio Odorico Mendes de Tradução, por Conversa na Catedral, e em 1994 o Prêmio Jabuti de Tradução, por Como água para chocolate. Também traduziu indiretamente a três grandes mestres nipônicos do haicai: Bashô, Buson e Issa.

Em entrevista exclusiva, a autora, do alto dos seus 84 anos, nos conta, em seu apartamento do Rio de Janeiro, sobre sua trajetória como tradutora com histórias irônicas e espirituosas.


Palavras-chave


Tradução, História da tradução, Olga Savary

Texto completo:

PDF/A

Referências


Bashô. Hai-Kais de Bashô. Tradução de Olga Savary. São Paulo: Hucitec, 1989.

Vargas Llosa, Mario. Conversa na catedral. Tradução de Olga Savary. São Paulo: Círculo do Livro, 1977.

Esquivel, Laura. Como água para chocolate. Tradução de Olga Savary. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Fuentes, Carlos. Aura. Tradução de Olga Savary. Porto Alegre: L&PM, 1981.

Savary, Olga. Espelho provisório. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

Savary, Olga. Sumidouro. São Paulo: Massao Ohno/João Farkas Editores, 1977.

Savary, Olga. Alta onda. Salvador/São Paulo: Macunaíma / Massao Ohno, 1979.

Savary, Olga. Magma. São Paulo: Massao Ohno / Roswitha Kempf, 1982.

Savary, Olga. Hai-Kais. São Paulo: Roswitha Kempf, 1976.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n2p305



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.