A tradução criativa de Paulo Leminski do carpe diem horaciano

Lívia Mendes Pereira

Resumo


O presente trabalho estuda e divulga o “projeto tradutório” do poeta e tradutor curitibano Paulo Leminski, com enfoque nas traduções que este realizou de textos da tradição greco-romana. Como pode ser constatado na leitura de sua biografia e como pode ser recorrentemente percebido nos temas que frequentam sua obra, o autor foi um conhecedor e divulgador da Língua e da Literatura Latina. Estudado inicialmente no mosteiro São Bento, na cidade de São Paulo, esse idioma antigo constituiu uma importante fonte criativa revisitada e repensada durante toda sua carreira literária. Além de traduções feitas diretamente do Latim como as da Ode I, 11, de Horácio (1984), e do Satyricon, de Petrônio (1985), o trabalho com textos literários latinos também pode ser encontrado em obras como Metaformose e Catatau. Neste estudo, daremos uma atenção especial à tradução realizada por Leminski da ode Horaciana em seu diálogo com a tradução do mesmo poema realizada por seu amigo e principal referencial teórico, o poeta Augusto de Campos. Destacaremos, portanto, as principais características de cada tradução e as coincidências e diferenças existentes entre elas, pautando-nos na teoria da tradução como recriação, advinda dos ideais poundianos do make it new.


Palavras-chave


Tradição greco-romana; Tradução; Recriação; Paulo Leminski

Texto completo:

PDF/A

Referências


Achcar, F. Lírica e Lugar-Comum: Alguns temas de Horácio e sua presença em português. São Paulo: EDUSP, 1994.

Arrojo, R. Tradução. In: Jobrim, J. L. Palavras da Crítica. Rio de Janeiro: Imago, 1992.

Aulete, C. Aulete digital – Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. Dicionário Caudas Aulete, Lexikon, 2007. Disponível em: http://www.auletedigital.com.br. Acessado em 10 de maio de 2018.

Campos, A. de. Ezra Pound: “Nec Spe Nec Metu” (introdução). In: Pound, E. Poesia. Tradução de Augusto de Campos [et all]; textos críticos de Haroldo de Campos. São Paulo: Hucitec, 1993. p. 13-40.

Campos, A. de. Ode 1,11. In: Campos, A. de. Código 10. Salvador, Bahia. dez. 1985.

Campos, A. de. Crisantempo: no espaço curvo nasce um. São Paulo: Perspectiva, 1998.

Campos, H. Da tradução como criação e como crítica. In:Campos, H. Metalinguagem e outras metas. São Paulo: Perspectiva, 2010, p.31-48.

Cardoso, Z. de A. A literatura latina. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

Davidson, P. Ezra Pound and Roman Poetry: A Preliminary Survey. Amsterdam: Rodopi, 1995.

Faleiros, A. Traduzir o poema. Cotia: Ateliê Editorial, 2012.

Horace. The odes of Horace. Translation by Jefrey H. Kaimowitz. Introd. Ronnie Ancona. New York: The Johns Hopkins University Press, 2008.

Horace. Horace, Odes et Epodes. Translation by F. Villeneuve. Paris: Les Belles Lettres, 2002.

Laranjeira, M. Poética da tradução. São Paulo: EDUSP, 2003.

Leite, E. R. Leminski: o poeta da diferença. São Paulo: EDUSP, 2012.

Leminski, P. Ode X (1,11). In: Leminski, P. Remate de Males: Território da tradução. Campinas. dez. 1984.

Leminski, P. Ensaio e Anseios crípticos. Campinas: Editora Unicamp, 2012.

Leminski, P.; Bonvicino, R. Envie meu dicionário: cartas e alguma crítica. São Paulo: Editora 34, 1999.

Longo. G. Ensino de latim: reflexão e método. Araraquara: Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, 2011.

Nisbet, R. G. M.; Rudd, N. A Commentary on Horace: Odes Book III. Oxford: Oxford University Press, 2004.

Pound, E. Translations. New York: New Directions, 1969.

Santana, I. J. Paulo Leminski: Intersemiose e Carnavalização na tradução. São Paulo: (Dissertação de Mestrado em Estudos da Tradução). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2002.

Saraiva, F. R. S. Novíssimo dicionário latino-português. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n2p71



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.