Davis, Lydia. Nem vem. Tradução de Branca Vianna. São Paulo: Companhia das Letras, 2017, 126 p.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n3p393

Palavras-chave:

Tradução, Crítica, Lydia Davis

Resumo

Nem vem (Companhia das Letras, 2017), traduzido por Vianna, é o terceiro livro da autora traduzido no Brasil. Publicado pela primeira vez em 2014, em Nova Iorque, pela editora Farrar, Straus & Giroux, é uma antologia de textos lançados anteriormente, com poucas alterações, em importantes periódicos, como Harper’s Magazine, The New York Times e The Paris Review. A norte-americana Lydia Davis, nascida em 1947, é uma escritora, tradutora e professora de escrita criativa da Universidade de Albany, NY.  Especialista na tradução da literatura francesa para o inglês, traduziu Flaubert, Proust e Jouve, além de ter ganhado o French-American Foundation Translation Prize de 2003, por sua tradução de No caminho de Swann, de Proust. Entre suas obras ficcionais estão o romance O fim da história (José Olympio, 2016) e quatro antologias de histórias curtas, dentre as quais está Tipos de perturbação (Companhia das Letras, 2013). Em 2013, ganhou o Man Booker Prize, pelo conjunto de sua obra. Davis é apontada como uma renovadora da prosa de língua inglesa e uma das precursoras da escrita de narrativas curtas (as chamadas flash fictions) e inclassificáveis, próximas da poesia e da reflexão metafísica. Branca Vianna é linguista, tradutora, intérprete e professora da PUC-Rio. Bacharel em Letras e especialista em Interpretação Simultânea (ambos pela PUC-Rio), mestre em Linguística (University College London) e mestre em Formação de Intérpretes (Université de Genève). Traduziu duas obras de Lydia Davis para a Companhia das Letras (Tipos de Perturbação e Nem vem).

Biografia do Autor

Marta Freitas Mendes, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Mestranda em Teoria da Literatura pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) - Porto Alegre - RS - Brasil.

Referências

Aslanov, Cyril. A tradução como manipulação. Col. Debates. São Paulo: Perspectiva, 2015.

Bakhtin, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, [1929] 2005.

Camargo, D. C. As modalidades de tradução e o texto literário. TradTerm, São Paulo, n. 3, 1996, p. 27-33.

Clarke, A. Can’t and won’t by Lydia Davis. The Times, 12 abr. 2014. Disponível em: https://www.thetimes.co.uk/article/cant-and-wont-by-lydia-davis-5lt7pt922rg.

Davis, Lydia. Can’t and won’t. New York: Farrar, Straus & Giroux, 2014.

Davis, Lydia. Nem vem [Can’t and won’t]. Trad. Branca Vianna. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2017.

Davis, Lydia. Não posso nem quero [Can’t and won’t]. Trad. Inês Dias. Lisboa: Relógio d’Água, 2015.

Hofstadter, A. The American Reader, v. 2, n. 2, 2014. Disponível em: http://theamericanreader.com/review-on-lydia-davis-cant-and-wont/.

Kidd, J. Can’t and won’t by Lydia Davis, book review: short stories aspire to the condition of poetry in this pithy and witty collection. Independent, 3 abr. 2014. Disponível em: https://goo.gl/Jq41Tq.

Orner, P. Illuminations. The New York Times, 4 abr. 2014. Disponível em: https://www.nytimes.com/2014/04/06/books/review/cant-and-wont-by-lydia-davis.html.

Oyemi, H. The Guardian, 4 abr. 2014. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2014/apr/04/cant-wont-stories-lydia-davis-review.

Skidelsky, W. Can’t and won’t review: Lydia Davis drops her guard. The Guardian, 20 abr. 2014. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2014/apr/20/cant-and-wont-review-lydia-davis.

Smith, Ali. My Hero: Lydia Davis by Ali Smith. The Guardian, 24 mar. 2013. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2013/may/24/my-hero-lydia-davis-smith.

Downloads

Publicado

2019-09-12

Edição

Seção

Resenhas de Tradução