Tradução e Hermenêutica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n3p472

Palavras-chave:

Tradução, Hermenêutica

Resumo

A palavra “hermenêutica” pode fazer referência tanto à prática (em que o tradutor é um intérprete) e, de acordo com a definição de George Steiner e Antoine Berman, quanto à crítica de tradução. O objetivo desse artigo é esclarecer essa definição. De acordo com o que Antoine Berman a apresenta, a hermenêutica em seu sentido clássico legitima as traduções etnocêntricas. Praticada desde a Antiguidade até o Período Medieval, essa visão clássica da hermenêutica (também endossada por filósofos como Paul de Man), sugere que o significado do texto existe além do seu suporte material. De modo inverso, de acordo com George Steiner, a tradução é um “caminho hermenêutico” que deve considerar cada aspecto do texto além das considerações morais, históricas e contextuais. Para se produzir um texto equivalente na língua alvo, a tradução – concebida tanto como prática, como crítica – deve considerar todos os aspectos que fazem um texto único, como prosódia, gramática e estilo. Desse ponto de vista, a hermenêutica se revela como uma poética da tradução.

Biografia do Autor

Adriana Almeida Colares, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará

Mestranda em Estudos da Tradução

Referências

BENJAMIN, Walter. «La tâche du traducteur», in Mythe et violence, traduit par Maurice de Gandillac. Paris : Denoël, 1971.

BERMAN, Antoine. Pour une critique des traductions : John Donne. Paris : Gallimard, 1995.

______. L’Epreuve de l’étranger. Paris : Gallimard, 1984.

CICERON. Du meilleur genre d’orateurs, traduction d’Henri Bornecque. Paris : Les Belles Lettres, 1921.

DE MAN, Paul. Autour de la tâche du traducteur. TH : TY, 2003.

ECO, Umberto. Les limites de l’interprétation. Paris : Grasset, 1999.

LARBAUD, Valéry. Sous l’invocation de Saint Jérôme. Paris : Gallimard, 1946.

MESCHONNIC, Henri. Poétique du traduire. Lagrasse : Verdier, 1999.

OSEKI-DEPRE, Inês. De Walter Benjamin à nos jours. Paris : Honoré Champion, 2006.

STEINER, George. Après Babel. Paris : Albin Michel, 1978.

Downloads

Publicado

2019-09-12

Edição

Seção

Artigos traduzidos