Um Walkie-Talkie na encruzilhada das águas: traduzir e cantar a Poesia Xamânica Marubo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39nespp171

Palavras-chave:

Xamanismo, Tradução Poética, Cantos Ameríndios

Resumo

O presente ensaio buscar relatar a experiência de traduzir dois cantos xamânicos Marubo para performance vocal a partir do trabalho de Pedro Cesarino, tanto na etnografia como na tradução poética. Para tanto, o texto se desdobra em um relato de percurso e em algumas ponderações teóricas sobre os problemas de traduzir uma poética xamânica ameríndia
em português, com seus dilemas éticos e poéticos.

Biografia do Autor

Guilherme Gontijo Flores, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná

Possui graduação em Licenciatura Em Lingua Portuguesa e Literaturas de pela Universidade Federal do Espírito Santo (2005), mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e doutorado em Letras (Letras Clássicas) pela Universidade de São Paulo (2014). Atualmente é professor assistente 2 da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: poesia, tradução poética, tradução, performance, erotismo e teorias da tradução.

Referências

BRANDÃO, Jacyntho Lins. “O entusiasmo poético” In: Muniz, Fernando (org.) As artes do entusiasmo. Rio de Janeiro: 7letras, 2011, p. 21-35.

CALHEIROS, Orlando. Aikewara: esboços de uma sociocosmologia tupi-guarani. (Doutorado em Antropologia). Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

CASTRO, Carolina Villada. O proliferar dos outros: tradução e xamanismo. (Mestrado em Estudos da Tradução). Universidade Federal de Santa Catarina, 2017.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. Oniska: poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva, 2011.

CESARINO, Pedro de Niemeyer (org.). Quando a terra deixou de falar: cantos da mitologia marubo. Org. trad. e notas de Pedro de Niemeyer Cesarino; a partir dos cantos de Armando Mariano Marubo, Antonio Brasil Marubo, Paulino Joaquim Marubo, Lauro Brasil Marubo e Robson Dionísio Doles Marubo. São Paulo: Editora 34, 2013.

CUNHA, Manuela Carneiro da. “Xamanismo e tradução: pontos de vista sobre a floresta amazônica” Cultura com aspas, São Paulo: Cosac Naify, 2009. [1998]

ELIADE, Mircea. Le chamanisme et le techniques archaïques de l’extase. Paris: Payot, 1983.

FALEIROS, Álvaro. Traduções canibais: uma poética xamânica do traduzir. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2019.

GOLDMAND, Irving. Cubeo Hehénewa Religious thought: metaphysics of a Northwestern Amazonian People. ed. by Peter Wilson. New York: Columbia University Press, 2004.

HEURICH, Guilherme Orlandini. Música, morte e esquecimento na arte verbal Araweté. (Doutorado em Antropologia). Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: UFRJ/Topbooks, 2007.

LAGROU, Els. Arte indígena no Brasil: agência, alteridade e relação. Orientações pedagógicas de Lucia Gouvêa Pimentel e William Resende Quintal. Belo Horizonte: C/ Arte, 2009.

MALINOWSKI, Bronislaw. “The Meaning of Meaningless Words and the Coefficient of Weirdness”. In: Malinowski, Bronislaw. Coral gardens and their magic. London: Unwin Borthers, 1935.

NODARI, Alexandre. “Lugar da escuta”. Disponível em https://subspeciealteritatis.wordpress.com/2018/11/10/lugar-da-escuta-alexandre-nodari/.

PISSOLATO, Elizabeth. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo mbya (guarani). São Paulo/Rio de Janeiro: Unesp/ISA/NuTI, 2007.

RISÉRIO, Antônio. Textos e tribos. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

ROTHENBERG, Jerome. Etnopoesia do milênio. Org. Sergio Cohn. Trad. Luci Collin. Rio de Janeiro: Azougue, 2006.

SEEGER, Anthony. Por que cantam os Kĩsêdjê? Uma antropologia musical de um povo amazônico. trad. Guilherme Werlang. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

TEDLOCK, Dennis. “Learning to Listen: Oral History as Poetry.” Boundary 2.Vol.3, No. 3, The Oral Impulse in Contemporary American Poetry, 1975, p. 707-728.

TOWNSLEY, Graham. “Song paths: the ways and means of Yaminahua shamanic knowledge”. In: Townsley, Graham. L’Homme, tomo 33, n°126-128. La remontée de l’Amazone. 1993, p. 449-468.

VILLAS BÔAS, Orlando. A arte dos pajés: impressões sobre o universo espiritual do índio xinguano. São Paulo: Globo, 2000.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Zahar/Anpocs, 1986

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Encontros. Organização de Renato Sztutman. Rio de Janeiro: Azougue, 2009.

SEEGER, Anthony; DA MATA, Roberto; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. (1979). “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras” In: Pacheco de Oliveira Filho, J. (Org.) Sociedades indígenas e indigenismo. Rio de Janeiro: Pacheco de Oliveira Filho, 1987, p. 11-29.

Downloads

Publicado

2019-12-19