O Núcleo Pivotante da Voz

Roberto Zular

Resumo


Partindo do modo de funcionamento da voz nos discursos políticos recentes no Brasil, o artigo busca mostrar como eles são corolários de características muito reconhecidas historicamente e que se ligam em torno da noção de homem cordial, tomada aqui como esse pivoteamento constante da voz entre o privado e o público, a amabilidade e a violência, em todos os casos permanecendo como o núcleo do funcionamento do poder. Essa forma de funcionamento está ligada a um certo modo de conceber a voz de Deus e sua hipóstase política, mecanismo fundante do processo colonial. No entanto, a poesia brasileira tem assumido esse pivoteamento para apontar outros modos de funcionamento da voz, não apenas na tradição europeia, como a questão da voz na Grécia, mas, para além dessa outra báscula Jerusalém-Atenas, para potencializar e traduzir poeticamente os efeitos do complexo oral canibal apontado por Viveiros de Castro a respeito do mundo ameríndio e o modo OrfE(X)U por Edmilson de Almeida Pereira sobre a literatura negra e/ou afro-brasileira. Esses outros modos de existência de voz, colocados em variação, produzem uma nova dinâmica do espaço poético como partilha e dissenso, assumindo o pivoteamento e a variação para possibilitar a emergência de uma outra ética da voz e a sobrevivência dos mundos que ela coloca em jogo.


Palavras-chave


Poesia Brasileira; Voz; Variação; Tradução

Texto completo:

PDF/A

Referências


AUERBACH, Erich. A cicatriz de Ulisses. In: Auerbach, Erich. Mímesis: a representação da realidade na literatura Ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1987.

CALASSO, Roberto. A Literatura e os deuses. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. Corporalidades heterotópicas: montagens e desmontagens do humano nos mundos ameríndios e além. Revista Brasileira de Psicanálise, [S.L], v.50, n.2, (2016): 158-175.

DOLAR, Mladen. Política da voz. Literatura e sociedade, [S.L], v.19, (2014): 192-206.

DOMENECK, Ricardo. A cadela sem Logos. São Paulo: Cosac Naify; Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

FALEIROS, Álvaro. Traduções canibais: uma poética xamância do traduzir. Ilha do Desterro: Cultura e Barbárie, 2019.

FREITAS, Angélica. Um útero é do tamanho de um punho. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

GELL, Alfred. Arte e agência. Tradução Jamile Pinheiro Dias. São Paulo: Ubu, 2018.

HANSEN, Júlia de Carvalho. Ver o que o canto ensina a ver. Caderno de Leituras, [S.L] n.57. Chão da Feira. Disponível em: http://chaodafeira.com/wpcontent/uploads/2017/01/caderno_de_leituras_n.57.pdf . Acesso em: 15/09/2019

LIBRANDI-ROCHA, Marilia. Escutar a escrita: por uma teoria literária ameríndia. O eixo e a roda. Belo Horizone, v. 21, n. 2, 2012, p. 179-202.

MORAES, Eliane Robert. Poesia erótica brasileira. São Paulo: Ateliê, 2015.

PELBART, Peter Pál. Necropolítica tropical: fragmentos de um pesadelo em curso. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

SÁ, Lúcia. Literaturas da Floresta – Textos amazônicos e cultura latino-americana. Rio de Janeiro: EdUerj, 2012.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. p. 183-264.

ZULAR, Roberto. Ficção como variação de contexto. In: HELMUT, Galle; PEREZ, Juliana; PEREIRA, Valeria (org.). Ficcionalidade. Uma prática cultural e seus contextos. São Paulo: FFLCH- USP/Fapesp, 2018. p. 377-398.

ZULAR, Roberto et al. Pour une autre historicité: la poésie brésilienne à partir des années 1970. Brésil(s), [s.l], 15. (2019): 1-21. Disponível em: http://journals. openedition.org/bresils/4348. Acesso em: 15 ago. 2019.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39nespp372



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.