Memória da colonização em tradução e performance

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n3p34

Palavras-chave:

Tradução, Performance, Memória, América latina

Resumo

O artigo tem o objetivo de analisar a cena inaugural da conquista da América como “ato reiterativo” e suas traduções intersemióticas como conformadoras de um arquivo que o restaura e repete em um presente em constante renovação, constituindo-se as traduções como reperformances dessa cena inaugural e de seus desdobramentos. Ao observar os movimentos que acompanham o momento inaugural da conquista territorial, vem à baila a condenação de práticas incorporadas de indígenas (língua falada e ritos, em particular) e a funcionalidade da tentativa de seu apagamento para efeitos de dominação. O trabalho de transcrição e tradução de parte do repertório de culturas ameríndias, levado a cabo por missionários como Diego de Landa e Bernardino de Sahagún, discute-se como duplo movimento onde se enfrentam memória e apagamento. Se, por um lado, deixam um registro de memória arquival que permite reconhecer as performances indígenas banidas pelo poder colonial, por outro lado, a concepção monológica da tradução faz prevalecer o objetivo da conversão da cultura de partida, redundando em uma forma de apagamento por sua subjugação aos paradigmas da cultura de chegada.

Biografia do Autor

Eleonora Frenkel Barretto, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina,

Professora de Literatura na Universidade Federal de Sana Catarina (UFSC), nos Cursos de Licenciatura e Bacharelado em Letras Espanhol, Centro de Comunicação e Expressão (CCE). Realizou estágio pós-doutoral junto ao Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras, da UNIOESTE, com bolsa do PNPD/CAPES. Possui Doutorado em Literatura pela UFSC (2011, bolsista Capes/CNPq), com pesquisa sobre as crônicas de Roberto Arlt e as gravuras de Francisco de Goya. Autora do livro Roberto Arlt e Goya: crônicas e gravuras à água-forte (Florianópolis: EDUFSC, 2015). Realizou mestrado em Estudos da Tradução (UFSC, 2007), com ênfase em Tradução Literária. Tem graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1999, bolsista FAPESP). Experiência docente na área de Letras, com atuação no ensino de Teoria Literária, Literatura, Teoria da Tradução e Língua Estrangeira. Publica na mesma área, com ênfase em Literatura Latino-Americana, Tradução e Estudos Culturais.

Referências

Alvim, Márcia Helena. “Um franciscano no novo mundo: frei Bernardino de Sahagún e sua Historia General de las Cosas de Nueva España”. Estudos Ibero-Americanos. XXXI. 1 (2005): 51-60. Portal de Periódicos da PUCRS. DOI: https://doi.org/10.15448/1980-864X.2005.1.1325 2/12/2019. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/iberoamericana/article/view/1325.

Areche, José Antonio. “Sentencia pronunciada en el Cuzco por el visitador don José Antonio de Areche, contra José Gabriel Tupac-Amaru, su mujer, hijos, y demás reos principales de la sublevación”. Relación histórica de los sucesos de la rebelión de José Gabriel Tupac-Amaru, en las provincias del Perú, el año de 1780, Buenos Aires: Imprenta del Estato, 1836, s.p. cervantesvirtual.com. 02/12/2019. Disponível em: http://www.cervantesvirtual.com/obra-visor/relacion-historicade-los-sucesos-de-la-rebelion-de-jose-gabriel-tupacamaru-en-las-provincias-delperu-el-ano-de-1780--0/html/ff9844fe-82b1-11df-acc7-002185ce6064_3.html.

Benjamin, Walter. Magia e técnica, arte e política. Tradução de Sérgio P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Cassin, Barbara. Más de una lengua. Tradução de Vera Waksman. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2014.

Coronado, Tomás Serrano. “El silencio del traductor”. Mutatis Mutandi. 6. 1 (2013): 113-125. Dialnet. 02/12/2019. Disponível em: https://revistas.udea.edu.co/index.php/mutatismutandis/article/view/15051.

Cortés, Hernán. A conquista do México. Tradução de Jurandir S. dos Santos. Porto Alegre: L&PM, 1986.

Freire, Deolinda de Jesus. “Theodor de Bry e a narrativa visual da Brevíssima relación de la destrucción de las Indias”. Revista USP. 77. Mar-Mai (2008): 200-215. 02/12/2019. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i77p200-215. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13668.

Landa, Diego de. Relación de las cosas de Yucatán. Paris: Arthus Bertrand Éditeur, 1864. pueblosoriginarios.com. 1/12/2019. Disponível em: https://pueblosoriginarios.com/textos/landa/1.html.

Las Casas, Frei Bartolmé de. O paraíso destruído. A sangrenta história da conquista da América Espanhola. Tradução de Heraldo Barbuy. Porto Alegre: L&PM, 2001.

León-Portilla, Miguel. Bernardino de Sahagún. Madri: Quórum, 1987.

Pereira, Octávio Méndez. Núñez de Balboa. Panamá: Prisa Ediciones, 2013. 28/11/2019 Disponível em: https://aplengua.org.pa/wp-content/uploads/2017/04/N%C3%BA%C3%B1ez-de-Balboa-de-Octavio-M%C3%A9ndez-Pereira.pdf.

Plaza, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.

Polar, Antonio Cornejo. “El indigenismo andino”. América Latina: palavra, literatura e cultura, organizado por Ana Pizarro, São Paulo: Memorial, 1994, pp. 720-738.

Sahagún, Frey Bernardino de. Historia General de las cosas de Nueva España. Madri: Alianza, 1988.

Seligmann-Silva. O local da diferença. Ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. 2ª. Edição. São Paulo: Editora 34, 2018.

Taylor, Diana (a). “O trauma como performance de longa duração”. Tradução de Giselle Ruiz. O percevejo. 1.1. Jan-Jun (2009): 1-12. Portal de Periódicos da UNIRIO. 9/12/2019. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2176-7017.2009.v1i1.%25p. Disponível em:http://www.seer.unirio.br/index.php/opercevejoonline/article/view/512.

Taylor, Diana (b). O arquivo e o repertório. Performance e memória cultural nas Américas. Tradução de Eliana L. de L. Reis. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

Todorov, Tzvetan. A conquista da América: a questão do outro. Tradução de Beatriz Perrone Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

Turner, Clorinda Matto de. Aves sin nido. Caracas: Ayacucho, 1994.

Vega, Inca Garcilaso de la. Comentarios reales de los Incas. Tomo 1. México: Fondo de Cultura Económica, 1991.

Downloads

Publicado

2020-09-11