Shore, Gary. Drácula: A história nunca contada. EUA, 2014, 92 min.

Paulo Henrique Calixto Moreira Monteiro

Resumo


A resenha versa acerca dos aspectos relevantes ao contexto social e linguístico da adaptação fílmica realizada por Gary Shore, em 2014, da obra Drácula, publicada por Bram Stoker em 1897. Utilizando-se dos pressupostos da fidelidade literária, da Disneyization e do papel do signo peirceano, a resenha busca expor os elementos que contornam o processo da adaptação cinematográfica e como se completam no público-alvo.


Palavras-chave


Drácula; Adaptação; Cinema; Signo

Texto completo:

PDF/A

Referências


BRYMAN, Alan. The Disneyzation of Society. California: Sage Publications Ltd, 2004.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. 3ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PEIRCE, C. S.; PIERCE, C. S. Collected Papers. 6. ed. [s.l.] Reprint Services Corp, 1931.

SANTAELLA, L. A teoria geral dos signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Pioneira, 2000.

STOKER, Bram; Drácula. Tradução de Doris Goettems. São Paulo: Landmark, 2012




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35n2p485



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.