Os Estudos da Tradução na Pós-Modernidade, o Reconhecimento da Diferença e a Perda de Inocência

Autores

  • Rosemary Arrojo Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Resumo

No CONTEXTO DESTE TRABALHO, "MODERNO" se vincula diretamente ao ideal iluminista cultivado pela cultura européia do século XVIII,sobretudo na França e na Inglaterra, e que se caracterizou pela crençaotimista de que a razão e a busca implacável do conhecimento pudessem finalmente conduzir o ser humano às luzes de um desenvolvimento sócio-cultural pleno, emancipando-o das superstições ecrenças em forças e entidades não-humanas, associadas ao antigo eao medieval. Na França, o projeto iluminista se associa, sobretudo,aos chamados filósofos enciclopedistas, entre os quais Diderot, Rousseau, Voltaire, Duclos, Quesnay que, no século XVIII, idealizaram oprojeto dos trinta e cinco volumes da Enciclopédia Francesa (1751-80), numa tentativa de orientar e disseminar o desenvolvimento deum conhecimento supostamente diferenciado do tipo de reflexão quese associava à Antiguidade, ao medievalismo e às diversas teologiase mitologias.

Biografia do Autor

Rosemary Arrojo, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Letras Inglês Português pela Universidade de São Paulo (1972) , mestrado em Theory And Practice Of Literary Translation pela University of Essex (1977) , doutorado em Humanidades pela Johns Hopkins University (1984) e pos-doutorado pela Yale University (1994) . Atualmente é Professora MS5 da Universidade Estadual de Campinas. Tem experiência na área de Lingüística , com ênfase em Filosofia da Linguagem. Atuando principalmente nos seguintes temas: Jorge Luís Borges, João Guimarães Rosa, desconstrucão, labirinto.

Mais informações: Currículo Lattes - CNPq.

Downloads

Publicado

1996-01-01

Edição

Seção

Artigos