Padrões de uso dos sistemas de memória de tradução.

Adriana Ceschin Rieche

Resumo


Diante do papel cada vez mais importante desempenhado pelas ferramentas de auxílio à tradução no trabalho de tradutores profissionais, a discussão das conseqüências de sua utilização assume especial interesse. O presente artigo concentra-se em apresentar os resultados de uma pesquisa realizada com tradutores brasileiros para traçar os padrões de uso de apenas uma dessas ferramentas: os sistemas de memória de tradução, que surgiram prometendo ganhos de produtividade, maior consistência e economia. Esta pesquisa foi realizada por meio de um questionário distribuído por email, tendo como pano de fundo a pesquisa realizada internacionalmente pela Localization Industry Standards Association (LISA), organização que congrega os membros da indústria da localização, segmento que mais utiliza as memórias de tradução. O questionário foi desenvolvido para tentar responder a perguntas levantadas com o uso de dois destes sistemas de memória de tradução no meu trabalho como tradutora profissional (Trados Translator’s Workbench e Wordfast) e a percepção de que, ao lado das vantagens anunciadas pelos fabricantes, estes programas também podem trazer alguns problemas durante o processo tradutório.

Palavras-chave


Estudos da tradução; memória de tradução; indústria da localização; avaliação de qualidade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.