Elysio de Carvalho: tradutor de Oscar Wilde e Escritor Decadentista olvidado pela Crítica?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e73203

Palavras-chave:

Elysio de Carvalho, Oscar Wilde, Tradução, Esteticismo, Decadentismo

Resumo

O presente texto busca apresentar o escritor Elysio de Carvalho na sua vertente de tradutor e escritor da viragem do século XIX para o século XX, levando em consideração principalmente a sua contribuição para a divulgação das obras de Oscar Wilde no Brasil e a herança decadentista de suas produções finisseculares, elementos pouco explorados pela crítica se confrontados ao caráter decisivo de Elysio como editor e como intelectual das letras, planos que convergem com sua atividade política, seu envolvimento com correntes do pensamento anárquico e, posteriormente, seu posicionamento ideológico conservador. Seu livro Five o’clock é analisado no que tange ao seu viés esteticista decadentista e nas marcas literárias dessas poéticas. Os trabalhos dos muitos teóricos e críticos literários, do calibre de Moretto (1989), Raby (2010), e Bouças Coutinho (2006) são consultados para embasamento da discussão literária acerca dessas temáticas. Em seguida, são investigadas suas traduções da peça teatral wildiana Uma tragédia florentina, realizada em 1924, e do poema A balada do cárcere de Reading, por ele intitulada A ballada do enforcado, em 1899, inaugurando a literatura de Wilde no sistema literário brasileiro. Busca-se descobrir marcas do seu projeto por meio da análise de suas escolhas tradutórias e verificar a transposição estética, estilística e cultural de Carvalho das obras de Wilde. Para essa finalidade, utilizam-se como norte teórico os textos de Susan Bassnett (2005), Antoine Berman (2007) e com o embasamento fundamental da Teoria dos Polissistemas de Itamar Even-Zohar (1990), teórico fundador da vertente dos estudos culturais da tradução.

Biografia do Autor

Mirian Ruffini, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Docente de Magistério Superior na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Câmpus Pato Branco, Professora pesquisadora junto ao Programa de Pós-graduação em letras, PPGL, Mestrado em Letras/UTFPR-PB. Departamento e Coordenação de Letras, DALET/COLET. Doutora em Estudos da Tradução, pelo Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução (PGET) na Universidade Estadual de Santa Catarina. É Mestre em Letras pela Universidade Estadual de Londrina (2002) e Especialista em Língua Inglesa e Literatura de Língua Inglesa pela Universidade Estadual de Londrina (1998). Atua na área de Letras, principalmente nas seguintes subáreas: Tradução Literária, Literatura Comparada, Língua Inglesa e Literaturas de Língua Inglesa. 

 

Rodrigo Alexandre de Carvalho Xavier, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Letras (PUC/RJ) e Mestre em História Social da Cultura (PUC/RJ). Professor e Pesquisador da UFRJ, na área de Literatura Lusófona.

Referências

A MERIDIONAL: Revista Internacional (RJ) de 28 de fevereiro de 1899, p. 14. Disponível em: http://memoria.bn.br/DOCREADER/DocReader.aspx?bib=353280&PagFis=1, acesso em: 12.12.2019.

Bassnett, Susan. Estudos de tradução. Traduzido por Sonia Terezinha Gehring, Leticia Vasconcelos Abreu e Paula Azambuja Rossato Antinolfi. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.

Beckson, Karl; Fong, Bobby. Wilde as poet. In: Raby, Peter. The Cambridge Companion to Oscar Wilde. Cambridge: CUP, 2011, p. 57-68.

Bouças Coutinho, Luiz Edmundo. Prefácio. Carvalho, Elysio. Five o’clock. 1909. Organização: Luiz Edmundo Bouças Coutinho e Marcus Salgado. Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura – UFRJ, Rio de Janeiro: Editora Antiqua, Coleção OCULTURA, 2006.

Braga-Pinto, César. “Sexualidades extra-vagantes: João do Rio, emulador de Oscar Wilde”. In. Revista Brasileira de Literatura Comparada. v. 20, n. 35. (2018): 88-100

Carvalho, Elysio. Solar Antigo. BN. B869.1 – s/d. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_manuscritos/mss_I_07_10_073/mss_I_07_10_073.pdf. Acesso em: 12.12.2019.

Carvalho, Elysio. Five o’clock. 1909. Organização: Luiz Edmundo Bouças Coutinho e Marcus Salgado. Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura – UFRJ, Rio de Janeiro: Editora Antiqua, Coleção OCULTURA, 2006.

Even-Zohar, Itamar. Polysystem Studies. Poetics Today. [s/l], v. 11, n. 1, (1990): 10-27. Disponível em: http://www.tau.ac.il/~itamarez/works/books/ezpss1990.pdf. Acesso em: jan. 2014.

Faria, Gentil Luiz de. A presença de Oscar Wilde na “Belle époque” literária brasileira. São Paulo: Pannartz, 1988.

Fonseca, Thais Carvalho; Rocha, Vanda Maria Sousa. O amor em Uma mulher excepcional: aspectos decadentistas e psicanalíticos no conto de João do Rio. Revista Littera. v. 1, n. 1, jan-jul, 2010.

Huysmans, Joris-Karl. Às avessas. Trad. de José Paulo Paes; introdução e notas de Patrick McGuiness. São Paulo: Penguin, 2011.

Lee, Sherry D. A Florentine Tragedy, or woman as mirror. Cambridge Opera Journal, n. 18, v.1, Cambridge: Cambridge University Press, 2006, p.33–58.

Lefevere, André. Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Tradução Claudia Matos Seligmann. Bauru/SP: EDUSC, 2007.

Menezes, Lená Medeiros. Elysio de Carvalho: um intelectual controverso e controvertido. Revista Intellectus, v.4, n. 2, 2004.

Piazza, Maria de Fátima Fontes. Tal Brasil, qual América? A américa brasileira e a cultura ibero-americana. Diálogos Latinoamericanos, n.12, México, Universidad de Aarus, 2007.

Poe, Edgar Allan. A queda da casa de Usher. In: Histórias Extraordinárias. São Paulo: Abril Cultural, 1981, p. 7-27.

REVISTA AMERICA BRASILEIRA, Rio de Janeiro, março de 1924. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=158089&pesq=&pagfis=800. Acesso em jun. 2014.

REVISTA ILUSTRAÇÃO BRASILEIRA. Rio de Janeiro, 15 de agosto de 1922. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=107468&pesq=mario%20piragibe&pagfis=5840. Acesso em: maio, 2020.

Riquelme, Jean Paul. Oscar Wilde’s aesthetic gothic. Walter Pater, dark enlightenment and The picture of Dorian Gray. In: BLOOM, Harold. Oscar Wilde. Bloom’s modern critical views. New York: Infobase Publishing, 2011, p. 71-90.

Rodrigues, Kelen Cristina. Cenografia, ethos e autoria: uma abordagem discursiva do romance The picture of Dorian Gray. 2009. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. 2009.

Ross, Robert. Preface. In: Wilde, Oscar. Miscellaneous: A florentine tragedy – a fragment. Project Gutenberg. May 1998. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/gu001308.pdf. Acesso em: 05.05.2019.

Ruffini, Mirian. A tradução da obra de Oscar Wilde para o português brasileiro: paratexto e O retrato de Dorian Gray. Orientadora, Prof.ª Drª. Claudia Borges de Faveri - Florianópolis, SC, 2015. 238 p.

Stokes, John. Wilde as journalist. In: RABY, Peter. The Cambridge Companion to Oscar Wilde. Cambridge: CUP, 2010, p. 69-79.

Veneziani, Cesar Luiz. Tradução do metro de balada inglês: uma experiência com The ballad of Reading Gaol, de Oscar Wilde. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2018.

Wilde, Oscar. A ballada do enforcado. Tradução de Elysio de Carvalho. Rio de Janeiro: Ediccção do Brasil Moderno, 1899. Disponível em: http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_obrasraras/bndigital0170/bndigital0170.pdf.Acesso em: 04.04.2018.

Wilde, Oscar. The ballad of Reading Gaol (1898). In: Poems by Oscar Wilde. London: Merthuen & Co, 1913. Disponível em: https://www.gutenberg.org/files/1057/1057-h/1057-h.htm#page269. Acesso em: 16.06.2020.

Wilde, Oscar. Miscellaneous: A florentine tragedy, with opening scene by T. Sturge Moore, 1908. Project Gutenberg. Disponível em: http://www.gutenberg.org/files/1308/1308-h/1308-h.htm. Acesso em: 05.05.2019.

Wilde, Oscar. Uma tragédia florentina. Tradução de Elysio de Carvalho. Revista Ilustração Brasileira, 15 de agosto de 1922. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=107468&pesq=mario%20piragibe&pagfis=5840. Acesso em: junho, 2020.

Wilde. Oscar. O retrato de Dorian Gray. Tradução de José Eduardo Ribeiro. Porto Alegre: L&PM, 2014.

Downloads

Publicado

2021-01-15