A Tradução da Linguagem Vulgar Russa (MAT) na Legendagem do Filme Viva Belarus!

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2022.e77193

Resumo

A linguagem vulgar russa, popularmente conhecida como mat, difere dos vulgarismos e palavrões da língua portuguesa por sua notável flexibilidade morfossemântica e aplicações discursivas. No filme Viva Belarus!, cuja narrativa se passa em Belarus, uma das quinze ex-repúblicas soviéticas, agentes do regime autoritário de Aliaksandr Lukašenka empregam essa linguagem, com influências do idioma belarusso, como forma de oprimir e humilhar dissidentes. Este artigo, que compõe tese de doutorado em andamento, busca refletir sobre o processo de traduzir e legendar essa linguagem no filme para a língua portuguesa, trazendo exemplos de desafios tradutórios e as soluções propostas. Tendo como ponto de partida o Diário de um Escritor, de Dostoievski, a metodologia consiste no estudo do objeto a partir de fontes acadêmicas, baseando-se nos trabalhos de Kovalev, Akhmetova e Plutser-Sarno. Sobre as reflexões acerca das escolhas e estratégias de tradução, o estudo tem aporte teórico de Gonçalves e Sussex and Cubberley. Espera-se que a discussão contribua para pesquisas adicionais no campo de estudos eslavos, sobretudo por oferecer um olhar sobre as dinâmicas de influência mútua entre dois idiomas eslavos – russo e belarusso – e, mais especificamente, de tradução de língua russa no Brasil.

Biografia do Autor

Paterson Franco Costa, Universidade Federal da Bahia

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Cultura (PPGLitCult) do Instituto de Letras da UFBA, tendo como orientador Professor Doutor Hernán Yerro. Mestre em Tradução Intersemiótica e Bacharel em Língua Estrangeira Moderna (inglês) pela UFBA (2013). Ensinou inglês, espanhol e russo em instituições públicas e privadas no Brasil e no exterior. Tem cinco livros publicados, dois na Rússia e três no Brasil: Portugalskiy shutya: 250 brazilskih anekdotov, em co-autoria com Volha Yermalayeva Franco (2013), CCCP 2.0 (2016) e sua versão em português URSS 2.0, Assim na Terra como em Marte (2019) e Cinema em Exílio: Tradução e Política na Belarus Pós-soviética (2020). Possui também artigo publicado na Revista dos Estudantes da Pós-Graduação em Letras da UFBA - Inventário (2015), dentre outros trabalhos. Foi três vezes aprovado em concurso para professor substituto do Departamento de Letras Germânicas do Instituto de Letras da UFBA (editais internos nº 01/2016, 01/2019 e 05/2019.

Referências

Akhmetova, T. Русский Мат: Толковый Словарь. Moscou: Kolokol-Press, 2000.

Bachega, H. “As execuções secretas na última ditadura da Europa”. BBC, Web. 19 mai. 2018. Data de acesso: 02 set. 2020. https://www.bbc.com/portuguese/internacional-44133545.

Belapan. “Лукашенко грозит отправить студентов в армию, если те выйдут на улицу”. Naviny, Minsk, Web. 27 ago. 2020. Data de acesso: 29 ago. 2020. https://naviny.media/new/20200827/1598535125-lukashenko-grozit-otpravit-studentov-v-armiyu-esli-te-vyydut-na-ulicu.

Belarus. “National System of Geographic Names Transmission into Roman Alphabet in Belarus”. In. United Nations Conference on the Standardization of Geographical Names, 9. Nova York: ONU, 10 jul. 2007.

Cychun, H. “Крэалізаваны прадукт: Трасянка як аб’ект лінгвістычнага даследавання”. ARCHE Пачатак: Скарына, Mensk, n. 6, 2000.

Dostoievski, F. Дневникъ Писателя за 1873 г. São Petersburgo: A. S. Suvorin, 1883.

Gonçalves, H. Procedimentos técnicos da tradução: Uma nova proposta. Campinas: Pontes, 1990.

Johnson, S. “Russian language in decline as post-Soviet states reject it”. Financial Times, Web. 13 abr. 2017. Data de acesso: 21 jun. 2018. https://www.ft.com/content/c42fbd1c-1e08-11e7-b7d3-163f5a7f229c.

Kapyloŭ, I. Тлумачальны Слоўнік Беларускай Літаратурнай Мовы. Minsk: Bielaruskaja Encyklapiedyja imia Pietrusia Broŭki, 2016.

Kovalev, M. The function of Russian Obscene Language in Late Soviet and Post-soviet Prose. 2014. 226 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Humanidades, Universidade de Manchester, Reino Unido. 2014.

Lara, L. “Os protestos em Belarus, a 'última ditadura da Europa'”. CNN Brasil, São Paulo, Web. 27 ago. 2020. Data de acesso: 02 set. 2020: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/2020/08/27/os-protestos-em-belarus-a-ultima-ditadura-da-europa.

Meletínski, E. M. Os arquétipos literários. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini, Homero Freitas de Andrade e Arlete Cavaliere. Cotia: Ateliê Editorial, 1998.

Plutser-Sarno, A. Большой словарь мата: том 1. São Petersburgo: Limbus, 2005

Prokuratura. Кодексы Республики Беларусь. Web. Minsk, 2003. Data de acesso: 31 ago. 2020. http://www.prokuratura.gov.by/ru/acts/kodeksy-respubliki-belarus/.

Roth, A. “Is this the beginning of the end for ‘Europe’s last dictator’?”. Web. The Guardian, 02 ago. 2020. Data de acesso: 02 set. 2020.: https://www.theguardian.com/world/2020/aug/02/is-this-the-beginning-of-the-end-for-europes-last-dictator.

Sussex, R; Cubberley, P. The Slavic Languages. Nova York: Cambridge University Press, 2006.

Viačorka, F. “Армейскі дзённік Франака Вячоркі”. Naviny, Web. Minsk, 12 jun. 2009. Data de acesso: 28 jan. 2016. https://naviny.media/rubrics/society/2009/06/12/ic_articles_116_161266.

Viva Belarus!. Direção: Krzysztof Łukaszewicz. Produção: Tadeusz Drewno, Daniel Markowicz e Wlodzimierz Niderhaus. Intérpretes: Dzmitry Papko; Vadim Affanasiev; Karolina Gruszka; Anatolii Kot e outros. Roteiro: Krzysztof Łukaszewicz e Franak Viačorka. Música: Lavon Volski. Polônia: WFDIF, Canal +, Polski Instytut Sztuki Filmowej, 2012. 1 DVD (98 min.), widescreeen, color.

Wyson, K. “Viva Belarus! Premieres In Washington”. Radio Free Europe / Radio Liberty, 14 nov. 2014. Data de acesso: 3 out. 2014. http://www.rferl.org/content/viva-belarus-premieres-in- washington/25168573.html.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Edição

Seção

Artigos