Correspondência entre Rosa e Bizzarri: o debate sobre a tradução do "Coco de festa do Chico Barbóz"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e78759

Palavras-chave:

Correspondência Guimarães Rosa – Edoardo Bizzarri, Relação Cultura Popular/Cultura Erudita em Guimarães Rosa, Epígrafes de Corpo de baile

Resumo

A correspondência entre Guimarães Rosa e seu tradutor italiano, Edoardo Bizzarri, evidencia um relacionamento amigável e cordial, até mesmo afetuoso, marcado pela admiração mútua. Rosa frequentemente elogia e estimula Bizzarri na difícil empreitada de traduzir Corpo de baile, tarefa a que se dedicava naquele momento. Cria-se, assim, um ambiente agradável e propício à discussão das ideias. As cartas trocadas entre autor e tradutor são muito esclarecedoras em relação a vários aspectos de Corpo de baile e da obra rosiana em geral, o que faz dessa correspondência importante documento, não só para o conhecimento dos processos de tradução, mas também para o estudo da obra do autor mineiro. É o que se revela no longo debate que travam autor e tradutor acerca da inclusão ou não, na edição italiana, do “Coco de festa do Chico Barbós”, uma das epígrafes de Corpo de baile. Neste trabalho, acompanhamos essa discussão, que fornece informações preciosas para se pensar as tão propaladas relações entre a cultura popular e a chamada alta cultura na obra de Guimarães Rosa.

Biografia do Autor

Márcia Regina Jaschke Machado, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora de Literatura Brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais. Possui graduação em Letras (Português) pela Universidade de São Paulo (1995), mestrado em Letras (Literatura Brasileira) pela Universidade de São Paulo (2005), com bolsa CAPES, e doutorado em Letras (Literatura Brasileira) pela Universidade de São Paulo (2012), com bolsa CNPq. Foi pesquisadora de pós-doutorado PNPD/Capes-2013 na área de Estudos Literários na Universidade Federal de Viçosa. Foi professora na Universidade Federal de Ouro Preto, Universidade Estadual do Centro-oeste do Paraná e Universidade Federal de Viçosa. É autora do livro Manuscritos de outros escritores no arquivo Mário de Andrade: perspectivas de estudo (2008), resultado da pesquisa de mestrado e das atividades do projeto Teses e Dissertações (CAPES/PROEX) do Programa de Pós-graduação em Literatura Brasileira da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Historiografia Literária Brasileira, com pesquisas desenvolvidas em: Modernismo brasileiro, Romantismo brasileiro, epistolografia de Mário de Andrade, epistolografia do Modernismo brasileiro, arquivo Mário de Andrade e crítica genética. 

Referências

Bizzarri, Edoardo; Rosa, Guimarães. João Guimarães Rosa: correspondência com seu tradutor italiano. 2 ed. São Paulo: T. A. Queiróz: Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, 1981.

Gomes, Angela de Castro. “Escrita de si, escrita da História: a título de prólogo”. Escrita de si, escrita da História, Gomes, Angela de Castro (org.). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. p. 7-24.

Guimarães, Júlio Castañon. Contrapontos: notas sobre correspondência no modernismo. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2004.

Machado, Marcia Regina Jaschke Machado. O modernismo dá as cartas: circulação de manuscritos e produção de consensos na correspondência de intelectuais nos anos de 1920. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 260 p., 2012.

Moraes, Marcos Antonio de. “Afinidades eletivas”. Correspondência Mário de Andrade & Manuel Bandeira, Andrade, Mário de; Bandeira, Manuel. Organização, introdução e notas por Marcos Antonio de Moraes. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. p. 13-33.

Nascimento, Edna Maria Fernandes dos Santos. “Gênese de uma obra e esboço de uma poética: a correspondência de João Guimarães Rosa”. Letras de Hoje. Porto Alegre: v. 49, n. 2, (2014): 163-171.

Pagès, Alain. “Correspondance et genèse”. Leçons d’écriture: ce que disent les manuscrits, Grésillon, Almuth; Werner, Michaël (org.). Paris: Minard, 1985. p. 207-214.

Rosa, João Guimarães. Ficção Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, v. 1, 1994.

Rosa, João Guimarães. “Carta de João Guimarães Rosa a João Condé, revelando segredos de Sagarana”. Sagarana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

Saraiva, Arnaldo. Conversas com escritores brasileiros. Porto: ECL, 2000.

Velloso, Mônica Pimenta. “Entre o sonho e vigília: o tema da amizade na escrita modernista”. Tempo, Niterói, v. 13, n. 26, (2009): 205-224, 2009. DOI 10.1590/S1413-77042009000100011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-77042009000100011&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 7 dez. 2020.

Viotti, Fernando Baião. “Em busca do indeterminado: Guimarães Rosa e seus tradutores”. Teresa: revista de literatura brasileira. São Paulo, n. 8/9, (2008): 322-337.

Zilly, Berthold. “‘Procuro chocar e estranhar o leitor’: Grande Sertão: Veredas – a poética da criação e da tradução”. Revista Fronteira Z: revista do Programa de Estudos Pós-Graduandos em literatura e crítica literária da PUC-SP. São Paulo: n. 19, (2017): 4-31.

Downloads

Publicado

2021-05-25