Cartas da Resistência: Tradução, Biografia e História

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2021.e84069

Palavras-chave:

Resistência Alemã, Nacional-Socialismo, Cartas, Tradução, Moltke

Resumo

A resistência alemã ao nacional-socialismo, tema ainda pouco difundido e estudado no contexto brasileiro, é associada sobretudo a nomes de indivíduos que agiram sozinhos ou junto a grupos estabelecidos a partir de círculos de afinidade e confiança. As cartas escritas entre 1933 e 1945 por Helmuth James von Moltke e por outros opositores do nacional-socialismo trazem à tona a dimensão biográfica da resistência, ao evidenciarem, em textos autênticos, as experiências individuais que levaram cada um deles a entrar em conflito com o regime. Tendo isso em vista, o presente trabalho analisa a interface entre as dimensões subjetiva e histórica em uma seleção de cartas e aborda a relação entre os papeis do tradutor e do editor na transposição dessas cartas para o português. A tradução das cartas pode contribuir para a difusão, em contexto brasileiro, do tema da resistência alemã ao nacional-socialismo.

Biografia do Autor

Anna Carolina Schäfer, Universidade de São Paulo

Anna Carolina Schäfer é bacharel em Letras (português e alemão) pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e mestra em Língua e Literatura Alemã pela mesma instituição. Possui experiência nas áreas de ensino de língua alemã e tradução.

Juliana Pasquarelli Perez, Universidade de São Paulo

graduação em Letras - Português e Alemão pela FFLCH/USP (1996), mestrado (2000) e doutorado (2005) em Língua e Literatura Alemã pela mesma universidade. Bolsista da FAPESP e do DAAD (na RWTH-Aachen, 2002-2004). De 2006 a 2009, professsora da UFRJ (Departamento de Letras Anglo-Germânicas/Universidade Federal do Rio de Janeiro). Desde 2009, professora de Literatura Alemã da FFLCH/USP (Departamento de Letras Modernas). Temas de pesquisa: poesia de língua alemã (Paul Celan, entre outros), literatura de língua alemã, literatura e conhecimento. Pós-doutorado pela UNICAMP sobre a obra de Bruno Tolentino. Membro da Associação Latino-Americana de Estudos Germanísticos (ALEG) e do GT Literatura e Sagrado. Vice-presidente da Associação Brasileira de Estudos Germanísticos (2014-2015). De 2014 a 2016: coordenadora do GT Literatura e Sagrado. Membro do Clube Humboldt-Brasil. De 2009 a março de 2018: editora responsável pela Revista Pandaemonium Germanicum (A1/Scielo/Apoio CNPq). Bolsista da Fundação Alexander von Humboldt (Bolsa CAPES/HUMBOLDT - Pesquisador experiente - ago./nov. 2015; Stuttgart; out.-dez.2016, Oxford/jan.-mar.2017, Stuttgart). De março de 2018 a setembro de 2021: Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Língua e Literatura Alemã da FFLCH/USP.

Referências

Alfred Delp. Gesammelte Schriften. Band IV – Aus dem Gefängnis. Editado por Roman Bleistein. Josef Knecht: Frankfurt a. M., 1985, pp. 139-142.

Alonso, Raíssa. Ecos da resistência ao Nazismo: Movimento dos Alemães Livres e Associação Democrática Alemã. São Paulo (1933-1950). (Dissertação de mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2019. (31/08/20) DOI: https://doi.org/10.11606/D.8.2019.tde-11122019-161934.

Beltrán Almería, Luís. “Las estéticas de los géneros epistolares”. Anuario de la Sociedad Española de Literatura General y Comparada. Vol. X (1996): 239-246. (06/06/20). Disponível em: http://www.cervantesvirtual.com/nd/ark:/59851/bmc9g605.

Bonhoeffer, Dietrich. Resistência e submissão. Cartas e anotações escritas na prisão. Traduzido por Nélio Schneider. São Leopoldo: Sinodal, 2003.

Cox, John M. Circles of Resistance: Jewish, Leftist, and Youth Dissidence in Nazi Germany. Peter Lang: New York, 2009.

Diaz, Brigitte. O gênero epistolar ou o pensamento nômade. Formas e funções da correspondência em alguns percursos de escritores do século XIX. São Paulo: Edusp, 2016.

Distel, Barbara. “Widerstand der Verfolgten”. Lexikon des deutschen Widerstandes. Wolfgang Benz e Walter H. Pehle (Eds.). Frankfurt a. M.: Fischer, 2008. pp. 112-126.

Eco, Umberto. Mouse or Rat? Translation as negotiation. Londres, Phoenix, 2003.

Foucault, Michel. “A escrita de si”. O que é um autor? Trad. António Fernando Cascais e Eduardo Cordeiro. Lisboa: Passagens. 1992. pp. 129-160.

Hudemann, Rainer. “A Rosa Branca no contexto da resistência alemã durante o ‘Terceiro Reich’”. A Rosa Branca, de Inge Scholl. Juliana P. Perez e Tinka Reichmann (Eds.). Traduzido por Anna C. Schäfer et al. 2ª. ed., 1ª reimpressão. São Paulo, Editora 34, 2020, pp. 239-258.

Klemperer, Klemens von. “Vorwort”. Mit dem Mut des Herzens. Die Frauen des 20. Juli. Dorothee von Meding (Ed.). Berlim: Goldmann Verlag, 1997.

Klemperer, Vitor. LTI: A linguagem do Terceiro Reich. Traduzido por Miriam Bettina Paulina Oelsner. São Paulo: Contraponto, 2010.

Graf, Willi. Briefe und Aufzeichnungen. Knoop-Graf, Annelise; Jens, Inge. (Ed.) Frankfurt a. M., Fischer, 2004.

Moltke, Helmuth Caspar von e Moltke, Ulrike von. (Eds.) Helmuth James und Freya von Moltke. Abschiedsbriefe Gefängnis Tegel. September 1944 - Januar 1945. München: C.H. Beck, 2013.

Mommsen, Hans. “Der Widerstand gegen Hitler und die deutsche Gesellschaft”. Alternative zu Hitler. Studien zur Geschichte des deutschen Widerstandes. München: Beck, 2000, pp. 29-52.

Mommsen, Hans. “Bürgerlicher (nationalkonservativer) Widerstand”. Lexikon des deutschen Widerstandes. Wolfgang Benz e Walter Pehle (Eds.). Frankfurt a. M.: Fischer, 2008, pp. 55-67.

Moreira, Marcelo Victor de Souza. Estudos Funcionais da Tradução: rupturas e continuidade. (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2014. (16/09/20) DOI: 10.11606/D.8.2017.tde-26102017-145134 Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8144/tde-26102017-145134/pt-br.php.

Müller, Wolfgang. “Brief”. Handbuch der literarischen Gattungen. Dieter Lamping (Ed.). Stuttgart: Alfred Kröner, 2010, pp. 75-83.

Nord, Christiane. “Textanalyse: pragmatisch/ funktional”. Handbuch Translation. Mary Snell-Hornby et al (Eds.). Tübingen: Stauffenburg, 2006. pp. 350-351.

Oppen, Beate Ruhm von (Ed.). Helmuth James von Moltke. Briefe an Freya. 1939-1945. München: C.H. Beck, 2007.

Petrescu, Corina. Against all Odds. Models of Subversive Spaces in National Socialist Germany. Frankfurt a. M.: Peter Lang, 2010.

Reichmann, Tinka; Schäfer, Anna Carolina; Salgado, Janaina Lopes. “‘A Rosa Branca’”: Contribuições da tradução para a difusão de fontes sobre a resistência antinazista”. Graphos, v. 18, (2016): 68-88, 2016. (15/08/2020). Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/graphos/article/view/32162.

Rollenberg, Denise. “Definir o conceito de resistência: dilemas, reflexões, possibilidades”. História e memória das ditaduras do século XX. Samantha Viz Quadrat e Denise Rollemberg (Eds.). Vol.1. São Paulo: FGV, 2015.

Salgado, Janaina Lopes; Reichmann, Tinka. “Injustiça na justiça no nazismo: relatos de sobreviventes da Rosa Branca”. Tradução em Revista. Fascículo 21 (2016/2): 24-45. Rio de Janeiro: PUC. (31/08/20) DOI: 10.17771/PUCRio.TradRev.2802. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/28027/28027.PDFXXvmi=.

Salgado, Janaina Lopes. A Rosa Branca e a correção da (in)justiça nacionalsocialista no Pós-guerra: interface entre história, direito e tradução. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017. (31/08/20) DOI: 10.11606/D.8.2017.tde-26102017-145134 Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8144/tde-26102017-145134/pt-br.php.

Sales, Maria Visconti. “Não nos calaremos, somos a sua consciência pesada; a Rosa Branca não os deixará em paz”. A Rosa Branca e sua resistência ao nazismo (1942-1943). (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017. (31/08/20) Disponível em: http://hdl.handle.net/1843/BUBD-AUTHBV.

Schäfer, Anna Carolina. Quando a tradução (re)conta a história: os interrogatórios da Rosa Branca. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015. (31/08/20) DOI: 10.11606/D.8.2015.tde-23112015-133329. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8144/tde-23112015-133329/pt-br.php.

Schlinzig, Marie Isabel. Abschiedsbriefe in Literatur und Kultur des 18.Jahrhunderts. Berlin; Boston: De Gruyter, 2012.

Scholl, Inge. A Rosa Branca: a história dos estudantes alemães que desafiaram o nazismo. 2ª. ed., 1ª reimpressão, editado por Juliana P. Perez e Tinka Reichmann. Traduzido por Anna C. Schäfer et al. São Paulo, Editora 34, 2020.

Stauf, Renate; Simonis, Annette; Paulus, Jörg (eds.). Der Liebesbrief. Schriftkultur und Medienwechsel vom 18. Jahrhundert bis zur Gegenwart. . Berlin, New York: de Gruyter, 2008.

Stuiber, Irene. “Kreisauer Kreis”. Enzyklopädie des Nationalsozialismus. Benz, Wolfgang et al. (Eds.). Stuttgart: Deutscher Taschenbuch Verlag, 2007. pp. 606-607.

Utida, Yasmin Cobaiachi. Tradução e memória: a legendagem de um filme-testemunho sobre a Rosa Branca. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017. (31/08/20) DOI: 10.11606/D.8.2017.tde-03042017-115923. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8144/tde-03042017-115923/pt-br.php.

Weil, Simone. O enraizamento. São Paulo: EDUSC, 2001.

Resenhas:

Araújo, Ignácio. “Longa sobre nazismo omite povo alemão”. Folha de São Paulo, 29/10/2005. Ilustrada. (Acesso em 22/08/20) Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2910200520.htm.

“Uma mulher contra Hitler estreia no Brasil”. O Estado de São Paulo, 24/02/2006.

Cultura. (Acesso em 22/08/20) Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/cinema,uma-mulher-contra-hitler-estreia-no-brasil,20060224p1785

Filmografia

Die Weiße Rose. Direção: Michael Verhoeven. Roteiro: Michael Verhoeven e Mario Krebs. Alemanha: TeleCulture, 1982.

Sophie Scholl. Die letzten Tage Direção: Marc Rothemund. Alemanha: Entertainment GmbH, 2005. Tradução brasileira: Uma mulher contra Hitler.

Downloads

Publicado

2021-09-30