Tradutores e Intérpretes de Língua Gestual/de Sinais em Portugal e no Brasil: Função, Formação, Deveres e Responsabilidades/Atribuições

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2022.e84475

Resumo

A pesquisa apresenta reflexões a partir da Língua Gestual Portuguesa (LGP) e da Língua Brasileira de Sinais (Libras). As reflexões perpassam pelo campo da Tradução e Interpretação dessas duas línguas. Na pesquisa analisou-se dois documentos relacionados aos países:  Portugal e Brasil. Os documentos, respectivamente, são: a lei nº 89 de 5 de julho de 1999 e a lei nº 12319 de 1º de setembro de 2010. Metodologicamente trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa e de caráter documental. No tratamento dos dados optou-se pela vertente bakhtiniana de enxergar a palavra de cada documento em seu sentido amplo e contextual. Os resultados da pesquisa mostram as semelhanças e as diferenças sobre a trajetória profissional de Tradutores e Intérpretes de LGP e de Libras. Essa trajetória perpassa pelos planos histórico, legal e acadêmico, tanto em Portugal quanto no Brasil. Conclui-se que as principais palavras que demarcam os documentos são: função, formação, deveres e responsabilidades/atribuições.

Biografia do Autor

Huber Kline Guedes Lobato, Universidade Federal do Pará

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED) da Universidade do Estado do Pará (UEPA), vinculado à Linha de Pesquisa: Saberes Culturais e Educação na Amazônia. Professor do Magistério Superior (Assistente - II) do Instituto de Letras e Comunicação da Universidade Federal do Pará (UFPA). Professor de Língua Brasileira de Sinais - Sexto PROLIBRAS. Tradutor / Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - PROLIBRAS 2010. Especialista em Educação Especial pela Faculdade de Educação Montenegro - FAEM/2010. Possui graduação em Licenciatura em Pedagogia - UFPA/2006. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPESUR) e membro do Grupo de Estudos em Linguagens e Práticas Educacionais da Amazônia (GELPEA). Tem experiência na área de Ensino-Aprendizagem em Educação Especial, Educação Inclusiva, principalmente em Educação de Surdos. Discute, pesquisa e escreve sobre os seguintes temas: Ensino/Aprendizagem/Tradução/Interpretação da Libras e Enunciado em Bakhtin/Volóchinov na Educação.

Orquídea Coelho, Universidade do Porto

Professora Associada da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto. Possui doutoramento em Ciências da Educação – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal (2007); Mestrado em Ciências da Educação – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal (1998); Licenciatura em Ciências da Educação – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal (1995); CESE em Educação Especial – Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto, Portugal (1994). Interesses de investigação: Estudos surdos; Cultura surda; Surdos isolados e construção de cidadanias; Surdez e educação de surdos; Educação bilingue; Línguas gestuais; Direitos linguísticos e culturais; Implantes cocleares; Surdez, políticas e práticas inclusivas; Acessibilidade comunicacional; Consciência linguística surda

José Anchieta de Oliveira Bentes, Universidade do Estado do Pará

Possui pós-doutoramento em educação na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2013), doutorado em Educação Especial (UFSCAR/2010), mestrado em Letras - Linguística (UFPA/1998), especialização em Linguística aplicada ao ensino-aprendizagem do Português (UFPA/1993) e graduação em Letras (UFPA/1991). Professor adjunto da Universidade do Estado do Pará; atua no Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) - Mestrado e Doutorado em Educação. Integrante do Grupo de Estudos em Linguagem e Práticas Educacionais da Amazônia (GELPEA).

Referências

Almeida, Maria José Freire. “Viver a profissão – ética e deontologia profissional no desempenho da profissão de Intérprete de Língua Gestual Portuguesa (ILGP)”. Surdos Notícias. Página do Intérprete. Trimestral, no 2, (2010): 16-17. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/5668/1/Viver_a_profissao_BISN_N%c2%ba_2.pdf.

Bakhtin, Mikhail. Para uma filosofia do ato. Trad. de Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza. Austin: University of Texas Press, 1993.

Bakhtin, Mikhail. “Os gêneros do discurso”. Os gêneros do discurso, Bakhtin, M. M. Organização, tradução e notas por Paulo Bezerra, Notas da edição russa por Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016, pp. 11-69.

Bakhtin, Mikhail. “Por uma metodologia das ciências humanas”. Notas sobre literatura, cultura e ciências humanas, Bakhtin, M. M. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra; notas da edição russa de Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2017, pP. 57-79.

BRASIL. [Lei (2002)]. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002. Brasília: Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002/L10436.htm.

BRASIL. [Decreto (2005)]. Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Brasília: Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [2005]. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2005/decreto-5626-22-dezembro-2005-539842-publicacaooriginal-39399-pe.html.

BRASIL. [Lei (2010)]. Lei no 12.319, de 1o de setembro de 2010. Brasília: Secretaria Geral, [2015]. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1025011/lei-12319-10.

BRASIL. [Lei (2015)]. Lei no 13.146, de 6 de julho de 2015. Brasília: Secretaria Geral, [2015]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Doziart, Ana. O outro da educação: pensando a surdez com base nos temas Identidades/Diferença, Currículo e Inclusão. Vozes: Petrópolis-RJ, 2009.

Fernandes, Raquel; Carvalho, José. “Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa, da formação à prática real”. Perscrutar e Escutar a surdez, Coelho, Orquídea (Ed.). Edições Afrontamento: Porto, 2005, pp. 139-151.

Magalhães, Ana. “O Estágio: um Pilar Fundamental”. SER Intérprete de Língua Gestual Portuguesa, Barbosa, Susana (coord.). Porto: Mosaico de Palavras Editora, Ltda, 2015, pp. 13-37.

Nascimento, Marcus Vinícius Batista. “Tradutor Intérprete de Libras/Português: formação política e política de formação”. Libras em estudo: tradução/interpretação, Albres, Neiva de Aquino; Santiago, Vânia de Aquino Albres (orgs.). São Paulo: FENEIS, 2012, pp. 57-71.

Oliveira, Waldma Maíra Menezes de. Representações sociais de educandos surdos sobre a atuação do intérprete educacional no ensino superior. 2015. 236f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade do Estado do Pará, Belém, 2015.

Pinto, Anabela Loureiro. Tradução e adaptação cultural de escalas. 2014. 65f. Relatório de Estágio (Mestrado em Tradução Especializada). Universidade de Aveiro. Departamento de Línguas e Culturas. Aveiro, 2014. Disponível em: https://ria.ua.pt/bitstream/10773/14005/1/tese.pdf.

PORTUGAL. [Constituição (1997)]. Lei Constitucional no 1 de 20 de setembro de 1997. 4a revisão constitucional. Portugal: Diário da República, 1997.

PORTUGAL. [Despacho (1998)]. Despacho no 7520/1998. Portugal: Gabinetes dos Secretários de Estado da Administração Educativa e da Educação e Inovação, [1998]. Disponível em: https://www.jpn.up.pt/pdf/Despacho_7520_98.pdf.

PORTUGAL. [Lei (1999)]. Lei no 89 de 5 de julho 1999. Portugal: Diário da República, [1999]. Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/373656.

PORTUGAL. [Decreto (2008)]. Decreto-Lei no 3 de 7 de janeiro de 2008. Portugal: Diário da República, [2008]. Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/386871.

PORTUGAL. [Decreto-Lei (2018)]. Decreto-Lei no 54 de 6 de julho de 2018. Portugal: Diário da República, [2018]. Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/115652961.

Quadros, Ronice M. de. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos, 2004.

Quadros, Ronice Müller de; Stumpf, Marianne Rossi. “O primeiro curso de graduação em Letras Língua Brasileira de Sinais: educação a distância”. Educação Temática Digital, Campinas, v.10, n.2, (2009): 169-185. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/984/999.

Rodrigues, Ana Cristina Pires. A profissão de Intérprete de Língua Gestual: estudo sobre avaliação. 2015. 112f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, 2015.

Rodrigues, Ana; Coelho, Orquídea. “A profissão de intérprete de língua gestual: estudo sobre avaliação”. Revista Medi@ções. Vol. 7, no 1, (2019): 75-89.

Santos, Angela Nediane dos; Coelho, Orquídea; Klein, Madalena. “Educação de surdos no Brasil e Portugal: políticas de reconhecimento linguístico, bilinguismo e formação docente”. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 43, n. 1, (2017): 215-228, jan./mar. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151797022017000100216&script=sci_abstract&tlng=pt.

Silva, Keli Maria de Souza Costa. Intérprete de Língua de Sinais: um estudo sobre suas concepções de prática profissional junto a estudantes surdos. 2013. 85f. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2013.

Sofiato, Cássia Geciauskas; Carvalho, Paulo Vaz de; Coelho, Orquídea. “Experiências de educação bilíngue para surdos: entrelaçamentos entre Brasil e Portugal”. Educação de surdos, linguagens e experiências, Silva, Rosane Aparecida Favoreto da; Hollosi, Marcio (orgs.). Uberlândia: Navegando Publicações, 2021, pp. 69-104.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Edição

Seção

Artigos