Formação de professores da educação infantil: um paralelo entre as diretrizes nacionais do Brasil e a abordagem Reggio Emília da Itália

Ana Paula Oliveira Iten, Thyara Antonielle Demarchi, Rita Buzzi Rausch

Resumo


Este artigo faz uma relação entre a formação docente no Brasil e na Itália, abordando questões históricas relevantes e que marcaram a educação em ambos os países. A investigação buscou respostas para a seguinte questão problema: qual a relação entre as diretrizes que orientam a formação de professores da Educação Infantil no Brasil e na abordagem italiana Reggio Emilia? Este estudo consistiu em uma pesquisa documental sendo utilizado como análise documentos de ambos os países. Deram suporte teórico à investigação Kramer (2005); Nóvoa (2002 e 2011); Kishimoto (2002); Tardiff (2010), entre outros. Em torno da abordagem italiana buscou-se fundamento em Gandini (2002) e Edwards (1999). Na análise foram considerados alguns aspectos como, por exemplo: as diretrizes que dão suporte à formação de professores; a importância da formação continuada; a Proposta de Bolonha; os principais aspectos da formação na abordagem Reggio Emilia e as contribuições desta proposta à formação docente e continuada no Brasil. Os resultados da pesquisa mostraram que a formação de professores no Brasil e na Itália é similar em alguns aspectos, entretanto apresentam diferenças acentuadas. Ambos os países destacam a importância da formação continuada, embora seja desenvolvida de maneira diferente. Mas foi na formação inicial, que encontramos maiores diferenças.

 


Palavras-chave


Formação docente. Formação continuada. Abordagem Reggio Emilia. Educação Infantil.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2013n27p1

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.