Infância e diversidade cultural: uma reflexão sobre o filme “Babies"

Autores

  • Ana Carolina Rocha Carneiro Universidade do Vale do Itajaí - Univali

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2014n30p116

Palavras-chave:

Infância, Diversidade cultural, Filme, Babies, Childhood, Cultural diversity, Movie

Resumo

O presente texto tem como objetivo promover uma reflexão sobre os aspectos culturais no desenvolvimento da infância caracterizado no filme “Babies” (2010), no qual é acompanhado o crescimento de quatro bebês de nacionalidades diferentes até completarem um ano de vida. A reflexão vale-se das concepções de infância de acordo com Campos (2008), Carvalho (2010), Christensen (2005), Corsaro (2009), Javeau (2005), Kohan (2003) e Sarmento (2004), as quais foram relacionadas aos aspectos do filme. Este texto está, ainda, constituído por dois eixos: cada um corresponde aos bebês representados em um espaço rural - Bayar na Mongólia e Ponijao em Namíbia -; e em um espaço urbano - Hattie nos Estados Unidos e Mari no Japão. O filme é atemporal e é um retrato da infância de múltiplas nacionalidades, no qual a diversidade cultural faz parte da narrativa, demonstrando estímulos e hábitos de infâncias tão comuns, e ao mesmo tempo, tão diferentes. Por meio dele temos à disposição uma exemplificação de aspectos teóricos vistos na prática, além de nos remeter a uma experiência estética. “Babies” dá uma aula de observação de crianças e revela como devem ser levados em conta os aspectos culturais e todo contexto que envolve esses indivíduos quando são considerados sujeitos de uma pesquisa.

Biografia do Autor

Ana Carolina Rocha Carneiro, Universidade do Vale do Itajaí - Univali

Mestranda em Educação no Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE) da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Linha de Pesquisa Cultura, Tecnologia e Aprendizagem. Bolsista CAPES. Graduada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali). Itajaí, Santa Catarina, Brasil.

Referências

BALMÈS, Thomas; CHABAT, Alain. Bébé(s). França, 2010. Disponível em: http://focusfeatures.com/babies. Acesso em 8 de outubro de 2013.

CAMPOS, M. M. Por que é importante ouvir a criança? A participação das crianças pequenas na pesquisa científica. In: CRUZ, S. H. V. A criança fala. A escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez. 2008.

CARVALHO, M. J. L. Trajectos de vida, o outro lado da cidade: pobreza infantil, território e desvio. In: SARMENTO, M. J., VEIGA, F. (org.) A pobreza infantil. Realidades, desafios, propostas. Apartado: Húmus. 2010.

CASTELLI, Carolina Machado; MOTA, Maria Renata Alonso. A complexidade de ser bebê: reflexões acerca de sua visibilidade nas creches e nas pesquisas. Revista Zero-a-Seis, nº. 28, p. 46-65, UFSC, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/28013. Acesso em 14 de outubro de 2013.

CHRISTENSEN, P.; JAMES, A. Pesquisando as crianças e a Infância: culturas de comunicação. In: CHRISTENSEN, P.; ALLISON, J. Investigando com crianças: perspectivas e práticas. Porto: Escola Superior de Paula Franssinetti. 2005.

CORSARO, W. A. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MULLER, F.; CARVALHO, A. M. A. Teoria e prática na pesquisa com crianças. Diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez. 2009.

JAVEAU, C. Criança, infância(s), crianças: que objetivo dar a uma ciência social da infância? Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 91, p. 379-389, Maio/Ago. 2005.

KOHAN, W. O. A infância escolarizada dos modernos. In: KOHAN, W. O. Infância: Entre educação e filosofia. Belo Horizonte: Autêntica. 2003.

LIMA, Patrícia de Moraes; NAZÁRIO, Roseli; SCHMITT, Rosineti Valdeci. A infância pelas lentes do cinema. XXIII Ciclo de Debates sobre Educação Infantil. Revista Zero-a-Seis, nº. 28, p. 91-95, UFSC, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/29921. Acesso em 14 de outubro de 2013.

SARMENTO, M. J. As Culturas da Infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In: M. J. Sarmento, e A. B. Cerisara, (coord), Crianças e Miúdos. Perspectivas sociopedagógicas sobre infância e educação. Porto. Asa. (9-34). 2004.

Downloads

Publicado

2014-08-26