A educação encontra a arte: apontamentos político-pedagógicos sobre direitos e pequena infância

Sandra Regina Simonis Richter, Adriana Alves da Silva, Ana Lúcia Goulart de Faria

Resumo


Para problematizar a tendência de impor nas pré-escolas, e muitas vezes nas creches, uma pedagogia pautada na lógica escolar, fundada nas ciências da regularidade, voltada ao ensino analítico, centrada na docência e na transmissão de conhecimentos, propomos uma interlocução entre arte, educação e pequeníssima infância. O encontro entre arte e infância favorece a discussão em torno das lacunas na formação do pedagogo(a) que convive com crianças pequenas, principalmente com as pequenininhas, para educá-las muito além do cognitivismo reinante. A partir de filósofos e pensadores interessados na vida e seus transbordamentos, abordamos a imaginação poética, a alegria e a complexidade de aprender, o direito à beleza e à experiência linguageira que emerge do corpo sensível, para reivindicar a emergência política de uma outra Pedagogia da infância. A experiência do corpo sensível e linguageiro, em suas primeiras aprendizagens, evoca uma pedagogia que não separa experiência e saber, corpo e mente, pensamento e ação no mundo. Essa inseparabilidade permite tanto resistir às bases exclusivamente científicas da Pedagogia e seu tecnicismo estrutural – a didática, quanto afirmar a relevância da arte na formação docente em sua potência de aglutinar encontros poéticos, políticos e pedagógicos que garantam o direito pleno à infância e à educação.


Palavras-chave


Arte; Pedagogia; Direitos; Pequena infância

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOWICZ, Anete. O direito das crianças à educação infantil. Pro-posições. Campinas: v.14, n.3 (42), p.13-24,2003.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história, Editora da UFMG,2003.

AMBECH-MADSEN, P. Attività prescolastica: Reggio Emilia, Italia: non si deve porre limite all’infanzia. Il premio Lego.1992, Ygdrasil,1992.

ANDRADE, MARIO. Sobre o desenho de crianças, manuscritos não publicados. IEB, USP, 1993.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo, posfácio de Celso Lafer. 10.ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2004.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

___. A poética do espaço. Tradução Antonio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

___. Lautréamont. Traducción Angelina Martín del Campo. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1997.

BÁRCENA, Fernando. El delirio de las palabras. Barcelona: Herder, 2003.

BECCHI, Egle e BONDIOLI, Anna (a cura) Avaliando a pré-escola - trajetória de formação de professores. Campinas: Editora Autores Associados, 2003.

BELTRAN, Maria Helena Roxo. O laboratório e o ateliê. In: ALFONSO-GOLFARB, Ana Maria; BELTRAN, Maria Helena Roxo (orgs.). O laboratório, a oficina e o ateliê: a arte de fazer o artificial. São Paulo: Educ/Fapesp, 2002.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. Tradução Rubens Torres Filho; José Carlos Martins Barbosa. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

___. Reflexões: a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BORGHI, Battista Quinto e GUERRA, Luigi. Manuale di didattica per l’asilo nido. Bari: Laterza,1999.

CHAUÍ, Marilena. Janela da alma, espelho do mundo. In: NOVAES, Adauto (org). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988, p. 31 -63.

DELEUZE, Gilles. Proust et les signes. Paris: Quadrige, PUF, 1998.

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

FARIA, Ana Lúcia G. de. Loris Malaguzzi e os direitos das crianças pequenas. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, J.; KISHIMOTO, T.M.; PINAZZA, M.A. (orgs.). Pedagogia(s) da infância: dialogando com o passado, construindo o futuro. Porto Alegre: Artmed, 2007, p. 277-292.

FARIA, Ana L. G. (org) O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo: Cortez, 2007.

FARIA, Ana Lúcia G. e SILVA, Adriana A. Por uma nova cultura da infância: Loris Malaguzzi. Revista Educação Especial, v. X, p. 98-111, 2013.

FARIA, Ana Lúcia G.; FINCO, Daniela; BARBOSA, Maria Carmen. (organizadoras). Campos de experiências na escola da infância contribuições italianas para inventar um currículo de educação infantil brasileiro, Campinas, SP: Edições Leitura Crítica, 2015.

FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. Tradução Mary Amazonas leite de Barros. São Paulo: Perspectiva, 1993.

GARDNER, Howard. I cento linguaggi di una riforma educativa di sucesso. Bambini in Europa. anno 4,N. 1, p.16-17, feb. 2004.

GANDINI, Lella..et al. (Orgs.). O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia. Porto Alegre: Penso, 2012.

GOBBI, M. Desenhos de outrora, desenhos de agora: Mario de Andrade e seu acervo de desenhos de crianças pequenas. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação da Unicamp, 2004.

NIGRIS, Elisabetta, A “didática da maravilha”: um novo paradigma epistemológico. In GOBBI, Marcia A. e PINAZZA, Monica A. (Orgs.) Infância e suas linguagens. São Paulo: Cortez, 2014.

GUNNARSON, Lars. A política de cuidado e educação na Suécia IN Rosemberg. IN ROSEMBERG, Fulvia e CAMPOS, Maria M.(orgs) Creches e pré-escolas no Hemisfério Norte. São Paulo: Cortez, 1994, p.135-188.

HOYUELOS, Alfredo Planillo. Malaguzzi e l’atelier: complessità dei possibili IN MANTOVANI, Susanna (a cura) Nostalgia del futuro. Bergamo: Junior, 1998, p.64-69.

___. Loris Malaguzzi: una bibliografia pedagógica. Bergamo:Junior,2004.

INFANTINO, Agnese. e ZUCCOLI, Franca. A arte como ferramenta de exploração e conhecimento. Revista Eventos Pedagógicos Dossiê Educação de 0 a 3 anos em espaços de vida coletiva. v. 6, n. 3 (16. ed.), edição especial temática, p. 75-94, ago./out. 2015.

MALAGUZZI, Loris. Intervista a Catini, E. Bambini. N.12, 1988.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. Prefácio e posfácio de Claude Lefort. Tradução José Artur Gianotti e Armando Mora d’Oliveira. São Paulo: Perspectiva, 1999.

___. O olho e o espírito: seguido de A linguagem e as vozes do silêncio e A dúvida de Cézanne. Tradução de Paulo Neves e Maria Ermantina Galvão Gomes Pereira; prefácio Claude Lefort; posfácio Alberto Tassinari. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

Novas orientações para uma nova escola da infância. Cadernos Cedes, n.37, 1995.

RABITTI, Giordana. À procura da dimensão perdida: uma escola de infância de Reggio Emilia. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução Mônica Costa Netto. Sao Paulo: EXO experimental org.;Ed. 34, 2005.

RICHTER, Sandra R. S. A dimensão ficcional da arte na educação da infância. Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. Tese de Doutoramento.

___. O ateliê na educação de crianças pequenas. Revista Pátio Educação Infantil. Porto Alegre, ano V, n. 14, julho/outubro 2007, p. 44-46.

RICOEUR, Paul. Du texte à l’action: essais d’herméneutique II. Paris: Éditions du Seuil, 1986.

___. Tempo e narrativa. (Tomo 1). Tradução Constança Marcondes César. Campinas, SP: Papirus, 1994.

RODARI, Gianni. Grammatica della Fantasia. Introduzione all’arte di inventare storie. Trieste: Einaudi Ragazzi, 2013.

SERRES, Michel. Os cinco sentidos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

SILVA, Adriana A. A Estética da Infância no Cinema: poéticas e culturas infantis. Tese de Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, 2014.

VALÉRY, Paul. Variedades. São Paulo: Iluminuras, 1999.

VARELA, Francisco; THOMPSON, Evan; ROSCH, Eleanor. De cuerpo presente. Barcelona: Gedisa, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p235

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.