Políticas públicas e direitos das crianças: uma reflexão a partir da perspectiva étnico-racial

Anete Abramowicz, Fabiana de Oliveira

Resumo


Apesar de nos últimos anos termos vivido uma abertura para o debate das questões relacionadas à raça no Brasil ocasionando mudanças consideráveis no debate contemporâneo a discriminação relacionada à questão racial ainda é uma variável estrutural na nossa realidade, sendo que a educação visibiliza esta desigualdade racial em seus indicadores educacionais e na micropolítica de cada instituição de educação infantil. Assim as crianças pequenas e negras sofrem uma dupla desigualdade social: são pequenas e negras. Por meio desse ensaio de natureza reflexiva buscamos discutir às questões relacionadas às políticas públicas e aos direitos das crianças negras à educação. A relevância para o desenvolvimento do trabalho se pauta na exiguidade de estudos envolvendo políticas públicas, educação e infância a partir dos recortes de idade e raça no Brasil.


Palavras-chave


Políticas públicas; Direitos; Crianças; Idade; Étnico-racial

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALAIN (1932). Propos sur l ´éducation: PUF, Paris 1976.

APPLE, M. W. Políticas de direita e branquidade: a presença ausente da raça nas reformas educacionais. In: Revista Brasileira de Educação, n.16. p.61-67. Jan/2001.

ARIÈS, P. L´Enfant et la vie familiale sous l´ancien Régime, Seuil, PUF, Paris, 1973

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004. 5a impressão.

CAMPOS, Maria Malta; FERREIRA, Isabel M. & Rosemberg, Fúlvia. Creches e Pré-escolas no Brasil. São Paulo: Cortez. Fundação Carlos Chagas, 2001.

DALE, ROBERTSON, Susan & DALE, Roger. Regulação e Risco na governação da educação: gestão dos problemas de legitimação e coesão social em educação nos estados competitivos. In: Revista Educação, Sociedade & Culturas, n. 15. p. 117-147. 2001.

DONZELOT, J., (1986). A Polícia das Famílias. 2a edição. Rio de Janeiro: Edições Graal. p.01-89.

FONSECA, M. V. da., (2001). As primeiras práticas educacionais com características modernas em relação aos negros no Brasil. In: Revista Negro e Educação. n.1. p.11-36.

FOUCAULT, M. A Verdade e as Formas Jurídicas. Rio de Janeiro: NAU Editora. 2002.

______________. Vigiar e Punir. Petrópolis (RJ): Vozes, 2002a.

______________. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

GOODE, Eric & BEN-YEHUDA, Nachman. Moral Panics: the social construction of deviance. Blackwell Publishing. 2003.

HARDT, M. & NEGRI, A., (2002). Império. Rio de Janeiro: Record. Trad. Berilo Vargas.

KAPPEL, M. D. B.; CARVALHO, M. C. & KRAMER, S. Perfil das crianças de 0 a 6 anos que frequentam creches, pré-escolas e escolas: uma análise dos resultados da Pesquisa sobre Padrões de Vida/IBGE. In: Revista Brasileira de Educação, n. 16. Rio de Janeiro: Editores Associados, 2001. p.35-47.

KUHLMANN JR, M., (1998). Infância e Educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação.

MOLLO-BOUVIER, Suzanne. Transformação dos modos de socialização das crianças: uma abordagem sociológica. In: Revista Educação & Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 91, p.391-404, Maio/Ago. 2005.

MOTT, M. L. B., (1979). Acriança escrava na literatura de viagens. In: Cadernos de Pesquisa, n.31. p.57-68.

NUNES, B. F., (2003). Sociedade e Infância no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

PENN, H., (2002). Primeira Infância: a visão do Banco Mundial. In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo. n.115, p. 07-24. Trad. Fúlvia Rosemberg.

QVORTRUP, Jens. Infância e Política. In: Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 141, p. 777-792. 2009.

ROSEMBERG, F. Organizações Multilaterais, Estado e Políticas de Educação Infantil. In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo. n.115, 2002. p.25-63.

_______________. Raça e educação inicial. In: Cadernos de Pesquisa, n.77. 1991. p.25-34.

ROSSETTI-FERREIRA, M. C; RAMON, F. & SILVA, A P., (2002). Políticas de atendimento à criança pequena nos países em desenvolvimento. In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo. n.115. p.65-100.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Os processos de globalização. In: ___________ (org). Globalização: fatalidade ou utopia? Porto: Edições Afrontamento. p.31-99. 3a ed. 2005.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e Alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. In: Revista Educação & Sociedade. N. 91. Vol. 26. Mai/ago. 2005. p.361-378.

SILVÉRIO, V. R.A diferença como realização da liberdade. In: ABRAMOWIVZ, A; BARBOSA, M. L. de A. & SILVÉRIO, V. R. Educação como prática da diferença. Campinas (SP): Armazém do Ipê (Autores Associados). 2006

VIEIRA, L. M. F., (1998). Mal necessário: creches no Departamento Nacional da criança (1940-1970). In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo. N.67. p.03-16.

VIRNO, Paolo. Gramática da Multidão: para uma análise das formas de vida contemporâneas. Tese. Universidade de Calábria. Tradução: Leonardo Retamoso Palma. 2002.

____________. Infância e pensamento crítico. Imprópria. Política e pensamento crítico, n. 2, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p290

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.