Feminismo, culturas infantis, gênero e raça: uma reflexão sobre ser menina negra

Autores

  • Raíssa Francisco Santos Faculdade de Educação da Universidade de Campinas - UNICAMP
  • Edna Rodrigues Araújo Rossetto Faculdade de Educação da Universidade de Campinas (UNICAMP)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p157

Palavras-chave:

Pré-escola, Menina negra, Racismo, Relações de gênero, Culturas infantis

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir aspectos referentes aos estudos da produção das culturas infantis, destacar a importância do protagonismo de meninas negras na pré-escola e evidenciar o quanto são afetadas pelas relações sociais racistas e sexistas legitimadas pelo sistema capitalista. O aporte teórico é constituído por estudos de Kimberly Crenshaw(1989), Helena Hirata(2014), Ângela Davis(1982), Lélia Gonzales(1984). Podemos observar a relevância relativa a cada uma dessas categorias, seu sentido e a compreensão de como operam em conjunto. Os estudos de Fernandes (1989) propiciarão a abrangência histórica necessária e a relação classe/raça que contextualiza a relevância de entender as interseccionalidades de tais categorias.


Biografia do Autor

Raíssa Francisco Santos, Faculdade de Educação da Universidade de Campinas - UNICAMP

Mestranda membra do Grupo de Estudos e Pesquisas em Diferenciação Sociocultural/GEPEDISC - linha culturas infantis do PPG da Faculdade de Educação da Unicamp

Edna Rodrigues Araújo Rossetto, Faculdade de Educação da Universidade de Campinas (UNICAMP)

Doutora pelo PPG da Faculdade de Educação da Unicamp e membra do Grupo de Estudos e Pesquisas em Diferenciação Sociocultural/GPEDISC - linha culturas infantis

Referências

ASSIS, Valesca. Todos os Meses. Porto Alegre: AGE, 2004.

BILGE, Sirma. (2009), Théorisations féministes de l’intersectionnalité. Diogène, 1 (225): 70-88.

BOGO, Ademar. Identidade e luta de classes. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

BRASIL, Lei nº10639 de 9 de janeiro de 2003. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicos Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. MEC/SECAD. 2005.

_____________DCNEI - Diretriz Curricular Nacional da Educação Infantil, 2010.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Brasília, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2010. Define diretrizes curriculares nacionais gerais para a Educação Básica. Brasília, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2017.

CHAUÍ, Marilena. Participando do Debate sobre Mulher e Violência. In: Franchetto, Bruna, Cavalcanti, Maria Laura V. C. e Heilborn, Maria Luiza (org.). Perspectivas Antropológicas da Mulher 4, São Paulo, Zahar Editores, 1985.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero, Estudos feministas 1, p.171-189, 2002.

DAVIS, Angela. Mulher, Raça e Classe. 1ª publicação na Grã Bretanha pela The Women’s Press, Ltda. Em 1982. Disponível em:http://plataformagueto.files.wordpress.com/2013/06/mulheres-rac3a7a-eclasse.pdf . Acesso em 26 de junho de 2017.

DEMARTINI Zeila de Brito Fabri. Infância, pesquisa com relatos orais, in: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; PRADO, Patrícia Dias (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. 2ª edição, São Paulo: Autores Associados, 2005, p. 1-17.

FARIA, Ana Lúcia Goulart (Org.). O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo: Cortez, 2007.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. Educação pré-escolar e cultura. Campinas/SP: Editora da UNICAMP/SP: Cortez, 1999.

FINCO, Daniela. Educação Infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças: Análises das interações entre professoras e meninas e meninos que transgridem as fronteiras de gênero. 2010. 198f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-20042010-135714/ Acesso em: 28 de Junho de 2017.

FERNANDES, Florestan. “As Trocinhas do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico dos grupos infantis”. In: FERNANDES, Florestan. Folclore e mudança social na cidade de São Paulo. 2 ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 1979.

____________Significado do Protesto Negro. Ed. Cortez / Autores Associados, 1989. Coleção polêmicas do nosso tempo ; v. 33, São Paulo-SP.

FUNDAÇÃO PALMARES/MinC, Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB), Coletivo CAFIN. Cultura Afrobrasileira e Identidade Nacional, Produção, Aicó Culturas, março de 2016.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: Uma breve discussão. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela lei Federal nº10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

GONZALES, L.; HASENBALG, C. A. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero, 1982.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social. São Paulo, V.26, n°1, pp.61-74, junho de 2014.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: Uma perspectiva pósestruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

McKLINTOCK, Anne. Imperial leather, Race, gender and sexuality in the colonial contest. Routledge, 1995.

MORENO, Montsserat (Coord.). Tradução: Ana Venite Fuzatto. Como se Ensina a Ser Menina: O Sexismo na Escola. Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual, de Campinas, 1999.

QVORTRUP, Jens. A Infância na Europa: novo campo de pesquisa social. Centro de documentação e informação sobre a criança. Instituto de Estudos da Criança. Universidade do Minho. Tradução de Helena Antunes, 1999.

ROCHA, Eloisa A. Candal. A Pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma Pedagogia da Educação Infantil. Florianópolis, Centro de Ciências da Educação, Núcleo de Publicações, 1999. 290p..

SANTIAGO, Flávio. “O meu cabelo é assim... igualzinho o da bruxa, todo armado”: hierarquização e racialização das criamças pequenininhas negras na educação infantil. Campinas, SP: [s.n.], 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 5 ed. São Paulo: Cortez, 1999, pág. 256.

Downloads

Publicado

2018-05-21